Daniel Batson: a hipótese da empatia-altruísmo

Como regra, aqueles que experimentam uma preocupação empática e autêntica por aqueles que estão à sua frente são capazes de iniciar comportamentos altruístas. Uma relação muito valiosa na hora de propor medidas de intervenção social.
Daniel Batson: a hipótese da empatia-altruísmo

Última atualização: 27 janeiro, 2022

A hipótese de empatia-altruísmo de Daniel Batson nos diz que a empatia favorece os chamados comportamentos pró-sociais. É um sentimento de duplo vínculo e de grande valor que promove o melhor do ser humano, pois depois de tantos atos espontâneos e autênticos não espera ganho ou recompensa além de ver como o mundo ao seu redor melhora.

Quando os protagonistas são o medo e a incerteza, esse tipo de comportamento se torna mais necessário do que nunca. No entanto, se há algo que vemos com frequência, é que, em tempos de crise, tanto os atos bondosos quanto os malignos parecem aparecem de igual forma.

Egoísmo e altruísmo são manifestações que definem o ser humano igualmente. Em tempos de mudança e incerteza, o altruísmo é o valor moral mais elevado e aquele que todos devemos aplicar. No entanto, algo assim geralmente só acontece quando somos capazes de nos imergir na realidade de outras pessoas. Olhar o outro com o coração e não com suspeitas é a chave para construir uma sociedade mais coesa, respeitosa e amigável.

“Olhe com os olhos do outro, ouça com os ouvidos do outro e sinta com o coração do outro.”

-Alfred Adler-

Mãe e filha para representar a hipótese de empatia-altruísmo

A hipótese da empatia-altruísmo: em que consiste?

A maioria de nós tem uma inclinação que nos motiva a cuidar do bem-estar das pessoas que nos rodeiam. Nós nos preocupamos e fazemos esforços notáveis para melhorar sua situação. No entanto, nem sempre sentimos essa necessidade.

Como se costuma dizer, não “sentimos vontade”, e nem sempre experimentamos o desejo espontâneo de saber se um colega está bem, ou de não fazer algo de bom para um estranho. Quando não há empatia, nem o comportamento generoso nem cooperativo surge.

A hipótese da empatia-altruísmo nos diz que, quando nos conectamos com a realidade emocional do outro, surgem sentimentos de compaixão, simpatia e ternura. Graças a eles, ativamos comportamentos altruístas que visam promover o bem-estar dos outros. Isso explicaria a razão pela qual algumas pessoas não conseguem ajudar os necessitados, de acordo com Daniel Batson.

Somente quando nos identificamos com uma pessoa e experimentamos empatia, sentimos a necessidade espontânea de ativar o comportamento altruísta. Personalidades psicopatas raramente sentem esse sentimento.

Estamos ajudando por um ato de generosidade genuína ou por puro egoísmo?

O oposto da hipótese de empatia-altruísmo é a teoria da troca social. Essa abordagem captura uma visão que era defendida com frequência, e que diz que o altruísmo só aparece quando os benefícios superam os custos. Ou seja, para muitos o altruísmo não existe porque, no fundo, a pessoa sempre espera “receber algo em troca”. Existe um componente egoísta.

No entanto, o psicólogo social Daniel Batson discordou dessa crença. Na verdade, em 1988 ele fez um artigo de pesquisa em que analisou cinco estudos sobre altruísmo. Em todos eles, sua hipótese de empatia-altruísmo foi validada. A emoção empática evoca uma motivação altruísta, portanto, o ser humano nem sempre espera uma recompensa quando usa a generosidade.

Essa conclusão realmente corresponde ao que outras figuras de grande nome já nos disseram no passado. Sentir empatia era para Charles Darwin ou para os filósofos David Hume e Adam Smith a própria base dos comportamentos altruístas.

A hipótese de empatia-altruísmo pode estar relacionada a um sentimento de angústia

Esses dados ainda são interessantes. Freqüentemente ajudamos os outros porque aquele sofrimento, angústia ou dor emocional se reflete em nós – reconhecemos em um nível emocional, e não apenas cognitivamente, que o outro se sente mal. Assim, a empatia deixa em nós aquele substrato de desconforto quando sentimos as necessidades e sofrimentos dos outros como nossos.

Desse modo, a hipótese de empatia-altruísmo também assume essa complexa realidade emocional. Embora seja verdade que quase sempre agimos de forma espontânea quando buscamos o bem-estar do outro, também o fazemos para aliviar o desconforto alheio e o nosso.

Da mesma forma, quando verificamos que aquela pessoa se sente melhor com nossa ajuda, também temos empatia com seu bem-estar. Ou seja, surge um feedback emocional muito intenso.

“A infância da raça humana está longe de terminar. Temos um longo caminho a percorrer antes que a maioria das pessoas compreenda que o que fazem pelos outros é tão importante para o seu bem-estar quanto o que fazem por si mesmas. “

-William T. Powers-

Amigos falando sobre a hipótese de empatia-altruísmo

O altruísmo beneficia a todos nós, o egoísmo nos isola

Boas ações não ajudam apenas os outros e criam ambientes sociais mais amáveis. Todos nós ganhamos com comportamentos altruístas: eles melhoram nosso autoconceito e esclarecem a hierarquia de nossa escala de valores. Nesse contexto, é mais fácil para o genuíno prevalecer sobre o superficial e para nós sermos capazes de formar vínculos mais significativos.

Em contraste, atitudes individualistas, egoístas e narcisistas geram hostilidade e desconfiança. Quem não tem empatia com as necessidades dos outros, age contra a própria essência de quem somos: criaturas sociais orientadas para a conexão.

Se sobrevivemos como espécie, é por causa desses atos altruístas, por causa daquela cola emocional que orquestra a reciprocidade e as ações gentis com as quais favorece o bem-estar e a sobrevivência do grupo. Continuemos, portanto, a favorecer este comportamento, sem importar as críticas de alguns.

This might interest you...
Pessoas que gostam de ficar sozinhas: características psicológicas
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Pessoas que gostam de ficar sozinhas: características psicológicas

Desfrutar da solidão não é sinônimo de misantropia, há quem aprecia plenamente o tempo que compartilha com si mesmo.



  • Batson, C.D. & Lishner, David & Stocks, Eric. (2015). The empathy-altruism hypothesis. The Oxford handbook of prosocial behavior. 259-281.
  • Batson, C. D., Batson, J. G., Slingsby, J. K., Harrell, K. L., Peekna, H. M., & Todd, R. M. (1991). Empathic joy and the empathy-altruism hypothesis. Journal of Personality and Social Psychology, 61(3), 413–426. https://doi.org/10.1037/0022-3514.61.3.413
  • Batson, C. D., & Leonard, B. (1987). Prosocial Motivation: Is it ever Truly Altruistic? In Advances in Experimental Social Psychology (Vol. Volume 20, pp. 65-122): Academic Press.
  • Decety, J. & Batson, C.D. (2007). Social neuroscience approaches to interpersonal sensitivity. Social Neuroscience, 2(3-4), 151-157.
  • Decety, J. & Ickes, W. (Eds.). (2009). The Social Neuroscience of Empathy. Cambridge: MIT Press, Cambridge.