De acordo com um estudo, sua música favorita melhora a plasticidade do seu cérebro

Se você é daqueles que ouve continuamente suas músicas favoritas, parabéns. Seu cérebro melhora seu desempenho cognitivo e a proteção contra a passagem do tempo.
De acordo com um estudo, sua música favorita melhora a plasticidade do seu cérebro
Valeria Sabater

Escrito e verificado por o psicólogo Valeria Sabater.

Última atualização: 02 Dezembro, 2021

Todos nós temos um cantor ou grupo favorito e uma música que adoramos ouvir uma e outra vez. Talvez em alguma ocasião você tenha até mesmo pensado que o seu é uma obsessão e que não deve ser bom ouvir a mesma coisa repetidamente. Agora, a ciência nos diz que sim, não só é bom, mas é recomendado. Porque ouvir sua música favorita melhora a plasticidade do seu cérebro.

E se se repetir, melhor… Os dados não podem ser mais curiosos e motivadores. Além do mais, os pesquisadores descobriram que essa técnica é especialmente benéfica para pacientes com declínio cognitivo. Expor uma pessoa a um estímulo musical que tenha para ela algum significado positivo e relevante em sua vida otimiza o funcionamento do cérebro.

Todos nós já ouvimos falar dos benefícios da música para quem sofre da doença de Alzheimer. Bem, uma maneira de acordá-los de sua letargia e aumentar sua receptividade e bom humor é tocando sua música de quando eram jovens favorita. Mais uma vez, as terapias e intervenções baseadas na música são um recurso essencial e excepcional.

A música autobiográfica define parte da nossa vida. Essa impressão emocional sempre permanece latente em nosso cérebro

Homem idoso com demência ouvindo sua música favorita

Sua música favorita melhora a plasticidade do seu cérebro: por que isso acontece?

O trabalho de pesquisa que nos fornece esta informação interessante é muito recente. Há poucas semanas, pesquisadores da Universidade de Toronto publicaram os resultados de um projeto que é tão interessante quanto decisivo. Ouvir repetidamente a música que tem um significado pessoal otimiza a plasticidade cerebral em pacientes com leve declínio cognitivo.

Da mesma forma, os pacientes que estão nos estágios iniciais da doença de Alzheimer também se beneficiam. Ou seja, o que eles observaram é que a memória é estimulada e mudanças estruturais ocorrem no córtex pré-frontal. Isso significa que as doenças neurodegenerativas podem ser retardadas ou revertidas de alguma forma? A resposta óbvia é não.

O que se consegue é desacelerar esse processo apenas em pacientes que estão nos estágios iniciais. Assim, nas terapias clássicas ou oficinas de estimulação para pessoas com Alzheimer é bom introduzir esta estratégia. Nós também nos beneficiaremos, uma vez que a música autobiográfica constrói uma reserva cognitiva muito necessária para lidar com a passagem do tempo.

Intervenções musicais para pacientes em um estágio inicial de declínio cognitivo

Esse tipo de intervenção pode ser feito em casa, é barato e simples. Uma das principais autoras deste artigo de pesquisa, Dra. Corinne Fischer, diretora de psiquiatria geriátrica do Hospital St. Michael’s de Unity Health em Toronto, destaca que esse tipo de musicoterapia é algo que todos podemos fazer em casa.

Se tivermos um membro da família que está nos estágios iniciais da doença de Alzheimer, podemos tocar sua música favorita. Isso deve ter uma relevância autobiográfica para a pessoa. Aquela música que ele ouvia quando se apaixonou por alguém, por exemplo. Aquela que dançou na juventude… Os benefícios têm um efeito duradouro no cérebro, explica a Dra. Fisher.

  • O que acontece ao ser exposto a essa música emocionalmente significativa é que uma rede neural muito específica é ativada e ligada à memória emocional e autobiográfica. Não é a mesma que é estimulada por ouvir músicas novas e desconhecidas.
  • Da mesma forma, eles também observaram uma melhora nas conexões do cérebro e da substância branca, o que melhora a atenção, a memória e as funções executivas do cérebro.

Essas mudanças estruturais demonstram que algo tão simples como ouvir sua música favorita melhora a plasticidade do seu cérebro.

” Não importa se você foi um músico a vida inteira ou se nunca tocou um instrumento, a música é uma chave para acessar sua memória, seu córtex pré-frontal. Portanto, não deixe de ouvir suas músicas favoritas ou de criar momentos especiais enquanto ouve uma determinada música”.

-Michael Thaut, professor da Universidade de Toronto.

Homem ouvindo sua música favorita

Ouvir música é fazer um treino cognitivo

Em um estudo realizado em conjunto com várias universidades finlandesas, como Helsinque, algo marcante se destacou. Ouvir música estimula praticamente todo o cérebro. A área pré-frontal, as áreas subcorticais, o cerebelo, o sistema límbico são ativados… Ou seja, poucos estímulos são tão poderosos, revulsivos e transformadores para o cérebro.

No entanto, agora sabemos que ouvir sua música favorita continuamente melhora a plasticidade do cérebro e protege você da passagem do tempo. É como fazer um treino cognitivo. Não requer esforço, apenas que relaxemos e ouçamos repetidamente aquela música do nosso grupo ou artista favorito.

No entanto, há mais um aspecto que devemos ter em mente. Para que a música atue como elemento catártico e transformador do nosso cérebro, ela deve ter um significado íntimo e transcendente. Não basta apenas ouvir, é preciso dar um sentido, e isso acontece vivenciando, vivendo, amando, sonhando, rindo, etc.

Existem músicas que funcionam como banda sonora da nossa existência. Esses momentos emocionais ligados à música são enclaves em nosso cérebro, circuitos neurais que permanecem inalterados apesar da passagem do tempo.

Pode interessar a você...
Ouvir música ao estudar é benéfico?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Ouvir música ao estudar é benéfico?

Ouvir música ao estudar tem um efeito particular, dependendo da pessoa e da tarefa em questão. Saiba mais detalhes neste artigo!



  • A. Baird, S. Samson. Music evoked autobiographical memory after severe acquired brain injury: Preliminary findings from a case series. Neuropsychological Rehabilitation, 2013; 1 DOI: 10.1080/09602011.2013.858642
  • Corinne E. Fischer, Nathan Churchill, Melissa Leggieri, Veronica Vuong, Michael Tau, Luis R. Fornazzari, Michael H. Thaut, Tom A. Schweizer. Long-Known Music Exposure Effects on Brain Imaging and Cognition in Early-Stage Cognitive Decline: A Pilot Study. Journal of Alzheimer’s Disease, 2021; 84 (2): 819 DOI: 10.3233/JAD-210610
  • Vinoo Alluri, Petri Toiviainen, Iiro P. Jääskeläinen, Enrico Glerean, Mikko Sams, Elvira Brattico. Large-scale brain networks emerge from dynamic processing of musical timbre, key and rhythm. NeuroImage, 2011; DOI: 10.1016/j.neuroimage.2011.11.019