Neuralink: o chip que vai conectar o cérebro a um computador

12 Novembro, 2020
Para alguns, é assustador, mas há muitos que veem no Neuralink a interface do futuro capaz de mudar as nossas vidas. A união entre o cérebro humano e o computador pode, em breve, se tornar uma realidade com benefícios incríveis.

Se há alguém capaz de gerar admiração e polêmica ao mesmo tempo, é Elon Musk. Dizem que ele é o Rei Midas e até o novo Nikola Tesla (daí a marca dos seus carros elétricos). De qualquer forma, parece que ele está determinado a ser um promotor da tecnologia do futuro, e a prova disso é a sua última criação: uma interface cerebral que se conecta a um computador. Seu nome é Neuralink.

É muito provável que, ao ler as manchetes desta notícia, muitos já tenham pensado no que algo assim pode significar. Esse chip do tamanho de uma moeda pode armazenar facilmente grandes quantidades de informações, aprender novos idiomas como alguém que baixa um aplicativo no celular e, essencialmente, fazer um cérebro alcançar um maior potencial. Tudo aquilo que já lemos um dia em romances de Isaac Asimov, Arthur C. Clark ou Philip K. Dick.

A verdade é que o protótipo que acaba de ser apresentado tem aspirações bastante simples (pelo menos por enquanto). Até o momento, testes estão sendo feitos em modelos animais, e o chip implantado registra apenas a atividade cerebral de um grupo de porcos, entre eles Gertrude, uma jovem porca que não entende por que é motivo de notícia.

O objetivo (a curto prazo) é orientá-lo para fins médicos, como interromper ataques epilépticos e melhorar a qualidade de vida de pacientes com lesão da medula espinhal.

Elon Musk

Neuralink: tudo que você precisa saber

O objetivo final do Neuralink é atingir uma simbiose absoluta com a inteligência artificial. Esse é, pelo menos, o sonho para o qual Elon Musk criou em 2016 esta empresa de neurotecnologia especializada no desenvolvimento de interfaces cérebro-computador. Temos consciência de que algo assim gera uma sensação estranha entre inquietação, curiosidade, esperança e, por que não, medo.

O panorama que esta proposta traça, combinando a vida humana com as máquinas, anuncia uma mudança quase revolucionária nas nossas vidas. É pouco mais do que a fusão da tecnologia com o corpo e, especificamente, com o cérebro. Isso, por si só, abre um caleidoscópio de questões éticas e sociais sobre as quais devemos começar a refletir. Vamos saber mais sobre o assunto.

O que é Neuralink?

Neuralink é um tipo de tecnologia que está em desenvolvimento há quatro anos. Em 2019, um pequeno dispositivo implantado no cérebro de um camundongo já foi apresentado. Agora, no dia 28 de agosto, foi apresentada a segunda geração. É um dispositivo do tamanho de uma moeda implantado diretamente no crânio (neste caso, o de um porco).

  • O dispositivo ou interface tem cerca de 8 milímetros de diâmetro e contém uma pequena sonda.
  • Esta sonda, por sua vez, possui cerca de 3.000 eletrodos flexíveis e finos como cabelo humano, capazes de monitorar a atividade de 1.000 neurôniosO implante é feito sob anestesia local e o sujeito, no caso, Gertrude e dois outros porcos, levam uma vida normal sem perceber que estão portando esse dispositivo.
  • Essa tecnologia também possui uma conexão bluetooth para que possa ser conectada a um computador externo. O objetivo? Por enquanto, o que Elon Musk apresentou com o animal foi seu registro cerebral e como ele foi processado e coletado pelas máquinas.
  • O próximo passo é tornar a tecnologia Neuralink capaz de tratar condições neurológicas e da coluna vertebral, como paralisia, lesão cerebral ou depressão.

Elon Musk ressalta que todos esses problemas nada mais são do que distúrbios na rede de neurônios. Esse complexo emaranhado pode ser resolvido por uma ligação neural implantável conectada a um computador.

O objetivo do futuro: cognição super-humana

Uma das aspirações da tecnologia Neuralink é alcançar uma cognição sobre-humana. O que isso significa e que implicações isso tem? Elon Musk procura, acima de tudo, garantir que as máquinas estejam a nosso serviço, e não o contrário. O objetivo é colocar a inteligência artificial ao nosso alcance em todos os momentos para ter controle sobre ela.

No futuro, poderemos ter cérebros com maior potencial e, acima de tudo, saudáveis. Doenças como o Alzheimer, Parkinson ou qualquer outra condição neurodegenerativa deixariam de existir porque a memória e outras funções cognitivas seriam preservadas.

Ligar o cérebro aos computadores vai levar tempo

Há algo óbvio que devemos destacar. A verdade é que já existem aparelhos básicos que fazem uso dessa simbiose entre o cérebro e a máquina. Temos, por exemplo, máquinas que já registram a atividade cerebral, como os eletroencefalogramas (EEG). Da mesma forma, a empresa DARPA (Defense Advanced Research Projects Agency) também criou um microchip cirúrgico que permite que uma pessoa paralisada pilote aviões simulados.

O Neuralink significa dar um passo adiante e obter informações continuamente entre o computador e o cérebro. É ver como um tetraplégico pode voltar a andar, permitir que quem sofreu um trauma recupere as suas funções ou que quem sofre de depressão possa receber outros tipos de estímulos mentais para melhorar aos poucos o seu estado.

Algo assim vai levar tempo. Além disso, Elon Musk apontou que o Neuralink começaria a ser testado em humanos em 2020. No entanto, no momento isso não será possível porque a interface do implante ainda precisa ser aprimorada. O objetivo é otimizar ainda mais o robô que fará essas intervenções para fazê-lo de forma rápida, precisa e sob anestesia local. A intervenção duraria menos de uma hora e o dispositivo não seria visível. Ou seja, não notaríamos nada.

Ligar o cérebro a computadores vai levar tempo

Um propósito viável, mas com problemas éticos

“Isso definitivamente não é ficção científica”, disse um membro da equipe de Elon Musk que criou essa tecnologia. “Com o tempo, será real, prático e comercial, mas ainda há muito trabalho a ser feito”. Além disso, há outros fatores, que são os problemas éticos e sociais. O Neuralink terá acesso aos nossos pensamentos e poderá até mesmo armazená-los.

Isso nos permitiria, por exemplo, recuperá-los em caso de doença ou acidente. E se outra pessoa tivesse acesso ao nosso banco de memória armazenado em um computador? Além disso, o computador pode decidir, por exemplo, apagar um elemento traumático experimentado para melhorar o nosso equilíbrio psicológico. Isso seria legal juridicamente falando? E os hackers? Estaríamos seguros diante dos seus ataques?

Todas essas são perguntas que devemos nos fazer e enfrentar o mais rápido possível. Porque o futuro avança de forma imparável e teremos que estar preparados para mudanças notáveis. As empresas de Elon Musk já estão abrindo o caminho…