Deprax: para que é utilizado e quais são os seus efeitos colaterais?

· julho 19, 2018

Deprax é um medicamento antidepressivo de segunda geração. Seu princípio ativo é a trazodona, e é usado para tratar a depressão crônica, a insônia e os estados de ansiedade. Assim, embora a vantagem desse psicofármaco esteja sem dúvida em sua ação mais ou menos rápida, não podemos deixar de lado os efeitos colaterais que, como sempre, devem ser levados em conta.

A trazodona (cujo nome comercial é Deprax) está entre nós há quase 60 anos. Foi descoberta e desenvolvida comercialmente na Itália em 1961, quando se tentava encontrar outra alternativa terapêutica, outro fármaco dos chamados de segunda geração que atuam como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS). O resultado foi esta cápsula, geralmente rosa, tão prescrita até não muito tempo atrás.

O deprax é um medicamento do grupo químico das fenilpiperazinas. Atua como antagonista e inibidor da recaptação da serotonina (AIRS), com efeito ansiolítico e hipnótico.

O fabricante geralmente aponta na bula seu principal benefício: sua eficácia durante a primeira semana de administração. Além disso, há outro fato que muitos pacientes procuravam ao mesmo tempo, ou seja, o uso de um medicamento antidepressivo que não favorece o ganho de peso. Por outro lado, a essas supostas virtudes, vale a pena mencionar mais uma que fez do Deprax um dos medicamentos mais vendidas nos anos 70 e 80: era um dos mais econômicas.

No entanto, algo que ficou evidente naqueles primeiros anos foi um dos seus principais efeitos colaterais: a hipotensão ortostática (queda de pressão quando a pessoa se levanta). Pouco a pouco, descobriu-se que a trazodona era muito mais eficaz e segura em doses menores. Esse ajuste nos permitiu continuar a evoluir no tratamento de várias condições até hoje.

Mulher triste e chateada

Deprax, como funciona e para que é administrado?

Algo que neurologistas e psiquiatras nos dizem é que o cérebro é muito mais complicado do que pensamos. Até hoje, ainda não sabemos como os antidepressivos realmente funcionam e nem sempre é possível prever qual tipo de medicamento é o mais adequado para cada paciente. Assim, o Deprax, apesar de estar no nosso mercado há quase seis décadas, continua a ter defensores e críticos. Algumas pessoas alertam sobre seus efeitos colaterais, muitas vezes imprevisíveis. No entanto, não faltam estudos que revelam sua grande eficácia em diferentes transtornos.

Vamos ver agora em que condições clínicas o Deprax costuma ser prescrito.

  • Depressão clínica com ou sem ansiedade.
  • Insônia crônica.
  • Preocupação excessiva.
  • Fibromialgia acompanhada de sérios problemas para dormir.
  • Pesadelos e outros distúrbios do sono.
  • Esquizofrenia.
  • Alcoolismo.

Também deve-se destacar que o Deprax demonstrou, de acordo com vários estudos, uma grande utilidade em pacientes com estresse pós-traumático. Todas aquelas pessoas que tinham insônia, pesadelos e alta ansiedade associada ao trauma apresentaram, em média, uma boa melhora com esse medicamento.

Como o Deprax funciona?

Como apontamos, o Deprax é um medicamento de segunda geração, ou seja, age como um antagonista e inibidor da recaptação de serotonina. Agora, o que diferencia esse medicamento do Prozac, por exemplo, é que estamos lidando com um composto químico da família da fenilpiperazina. Isso se traduz em algumas vantagens e outras desvantagens. O benefício é que é um inibidor do receptor 5-HT. Isso significa que sua ação para tratar a ansiedade e a depressão é alta.

Agora, o que ele faz também é bloquear os receptores adrenérgicos alfa e as proteínas transportadoras de serotonina. Tudo isso pode levar a uma ampla gama de efeitos colaterais, embora sejam de pouca gravidade.

Dor de cabeça no cérebro

Efeitos colaterais do Deprax

Há pacientes que tomam Deprax sem notar qualquer efeito colateral. Outras pessoas, por outro lado, tendem a apresentar algum problema, alguma alteração que geralmente pode ser devido a outras condições (determinadas doenças, interação com outras drogas ou alimentos, etc.). Assim, algo que deve ser levado em conta é que este medicamento não é recomendado em pessoas com problemas hepáticos, cardíacos ou renais…

Além disso, não pode ser tomado em combinação com outros sedativos, medicamentos para o coração, antibióticos, anticoagulantes, ou mesmo medicamentos de medicina natural, como a erva de São João. Devemos seguir ao pé da letra todas as indicações dos médicos.

Vamos ver agora quais são os principais efeitos colaterais.

  • Retenção de líquidos.
  • Constipação ou diarreia.
  • Boca seca.
  • Erupções cutâneas e coceira na pele.
  • Sudorese e tremores.
  • Sensação de confusão, inquietação…
  • Taquicardia.
  • Dor de cabeça.
  • Visão turva.
  • Perda de apetite e perda de peso.
  • Sintomas semelhantes a uma gripe.

Mulher com dor de cabeça

Atualmente, já temos medicamentos mais novos, seguros e com menos efeitos colaterais. No entanto, opções como o Deprax ainda são comuns na prática psiquiátrica por uma razão: quando temos pacientes com depressões concomitantes, ou seja, acompanhadas de ansiedade, insônia, pesadelos e distúrbios psicológicos, essa medicação é uma das mais eficazes.