Depressão infantil: as intervenções mais eficazes

setembro 26, 2019
A depressão infantil é uma triste realidade. As crianças também podem cair nesse quadro clínico; justamente por isso, neste artigo compartilhamos alguns dos tratamentos psicológicos mais relevantes para combatê-lo.

A depressão não é uma categoria de diagnóstico reservada para os adultos. As crianças, infelizmente, também podem sofrer com a depressão infantil, e é importante saber quais intervenções podem ajudá-las a superar este quadro.

Na infância, mais do que como tristeza, a depressão costuma se manifestar como irritação. As crianças também tendem a ter mais problemas de sono.

A depressão infantil tem uma incidência semelhante em ambos os sexos. O mesmo não ocorre na adolescência, quando a prevalência é maior no sexo feminino e isso continua sendo observado até a idade adulta.

Os fatores que podem estar por trás de uma depressão infantil são variados e nenhum, por si só, é suficiente para desenvolver o quadro. A combinação de variáveis ​​genéticas ou hereditárias e um ambiente disfuncional podem propiciá-la.

Se um dos pais sofreu ou está sofrendo de depressão, é muito mais provável que a criança também sofra. As exigências escolares, extracurriculares e as ordens autoritárias e contraditórias também são fatores de risco.

A seguir, falaremos sobre alguns dos tratamentos psicológicos mais eficazes que temos atualmente para a depressão infantil.

A boa notícia é que a população infantil se beneficia mais do que a adulta com a abordagem psicológica. Nesse sentido, podemos encontrar grandes esperanças.

Criança triste diante de janela

Intervenções recomendadas para a depressão infantil

Em relação à farmacoterapia, podemos indicar que, enquanto na depressão em adultos as terapias farmacológica e psicológica comprovaram sua eficácia e são consideradas alternativas de primeira escolha, no caso da depressão na infância e adolescência apenas a terapia psicológica – e, especialmente, a terapia comportamental -, tem comprovação empírica suficiente.

Os medicamentos em crianças, portanto, são menos eficazes do que nos adultos e provocam mais efeitos colaterais.

Em relação às terapias existentes, podemos destacar as seguintes:

  • Terapia de autocontrole de Stark. Baseia-se no modelo de Rehm, que considera que a depressão se deve a falhas nos processos de auto-observação, autoavaliação e autoadministração de contingências. O objetivo seria selecionar e registrar as atividades agradáveis ​​que a criança realiza, avaliar seu humor e concentrar a atenção nas consequências tardias – e não imediatas – de fazer tudo isso. É importante ensinar a criança a se autorreforçar por suas realizações e a valorizá-las de forma realista.
  • Programa de automodelagem para a depressão infantil e adolescente de Kahn. Trata-se da gravação de um vídeo do comportamento típico da depressão de cada aluno durante o período de referência. Em seguida, é selecionado um conjunto de comportamentos incompatíveis com a depressão, tanto verbalizados abertamente quanto secretamente. A criança ensaia esses comportamentos incompatíveis e é filmada em vídeo. Posteriormente, ela mesma assiste ao vídeo no qual pode se ver atuando positivamente.
  • Treinamento no aumento do controle primário e secundário (PASCET) de Rothbaum. É um tratamento cognitivo-comportamental baseado no modelo dos 2 processos de controle: primário – destinado a modificar as condições objetivas da vida da criança – e secundário – para modificar o subjetivo, como as crenças. Seus componentes são as atividades agradáveis, o autocontrole, a reestruturação cognitiva e o relaxamento progressivo.
  • Programa “Emoção-Ação-Comportamento” (PEAC) de Méndez. Inclui três componentes principais – educação emocional, atividades agradáveis ​​e reestruturação cognitiva. Outros procedimentos podem ser adicionados dependendo da análise funcional do caso em particular, como higiene do sono ou solução de problemas. Desenvolve-se através de jogos em grupo, como as “charadas emocionais”, ou fichas de atividades, como o “bolo dos sentimentos”. O envolvimento dos pais é importante. Eles podem atuar como profissionais ou coterapeutas, mas também como pacientes. É um tratamento que não prevê o uso de medicamentos.
  • Curso de enfrentamento da depressão de Lewinsohn. É um tratamento projetado para adolescentes de 13 a 18 anos. O formato é em grupo, de 10 adolescentes, mas também pode ser aplicado individualmente. O objetivo é ensinar novas habilidades para obter um reforço positivo e substituir pensamentos destrutivos por outros construtivos. Alguns de seus componentes são autocontrole, habilidades sociais, atividades agradáveis, relaxamento, reestruturação cognitiva, resolução de conflitos, comunicação, manutenção de conquistas e envolvimento dos pais.
  • Terapia cognitiva comportamental de Brent para adolescentes: é realizada uma terapia cognitiva ao estilo Beck. Além disso, os adolescentes são instruídos em habilidades sociais e de comunicação. A educação emocional também é importante, usando o “termômetro de sentimentos” para realizá-la. Há também um componente de solução de problemas.
Depressão infantil

Conclusões

É importante trabalhar para a prevenção da depressão infantil. Para fazer isso, a educação dos pais seria um bom começo, além de enfatizar a necessidade de estabelecer limites firmes e seguros para as crianças.

Por outro lado, um ambiente rico em reforços positivos também pode impedir o desenvolvimento da depressão infantil. Para isso, é essencial que os pais entendam que é positivo que seus filhos tenham um tempo substancial de brincadeira livre ou com outras crianças.

Os castigos devem ser executados de acordo com o comportamento e sempre com um objetivo corretivo, e não punitivo. Obviamente, o castigo físico é totalmente desaconselhável em qualquer uma de suas formas, mesmo que leve.

No entanto, se a depressão já se manifestou, a terapia cognitivo-comportamental seria o tratamento de primeira escolha, pois é a única forma de psicoterapia sobre a qual existem dados sólidos em relação à eficácia em crianças que não atingiram a puberdade.

Para os adolescentes, as duas alternativas de escolha são a terapia cognitivo-comportamental e a interpessoal. Ambas as terapias têm pelo menos 2 estudos experimentais intergrupos nos quais foi comprovado que o tratamento é estatisticamente superior à falta de intervenção ou ao placebo.

  • American Psychiatric Association (APA) (2014): Manual de Diagnóstico y Estadísitico de los Trastornos Mentales, DSM5. Editorial Médica Panamericana. Madrid.
  • Comeche, M y Vallejo, P, M (2016). Manual de Terapia de Conducta en la infancia. 3º edición. Editorial: Dykinson-Psicología