Desinfetar a tristeza

Desinfetar a tristeza

Última atualização: 01 Dezembro, 2021

“Dois monges que voltavam ao Templo, encontraram em um rio uma mulher chorando pois ela não conseguia cruzá-lo, porque o rio havia crescido e a corrente era forte.

O mais velho dos monges, sem parar, a pegou nos braços e carregou-a para a outra margem do rio. No terceiro dia de viagem, o jovem monge, sem poder mais se conter, exclamou: “Como você pôde fazer isso, pegar uma mulher nos  seus braços? Isso quebra nossas regras.

O monge respondeu com um sorriso: “É possível que eu tenha  errado, mas só cruzei uma mulher que precisava de ajuda e a deixei do outro lado do rio”.

“Mas o que acontece com você, já que três dias se passaram desde o episódio e você ainda a carrega esse pensamentos nas costas?” Eu já a deixei do outro lado do rio.

(Fábula)

Quando um evento importante afeta nossos valores mais essenciais, tendemos a reagir com espanto.

Às vezes, uma infinidade de ações cotidianas (em casa, trabalho, amizade, família) quebram nossos afetos, nossas emoções e até nossa dignidade de forma profunda, e paralisados ou letárgicos, desmoronados ou insensíveis, encapsulamos nossos corações para não suportar mais dor. Quando consideramos que somos os destinatários de um desastre, tudo se desmorona, nossos medos aumentam, as dúvidas se acumulam e a esperança diminui.

Esquecemos as crenças e aceitamos um caos dentro de nós que nos convida a perder a confiança, e sem confiança… pouco resta. A hecatombe começa e pensamos que as pessoas ao nosso redor não são mais as mesmas. A princípio, tentamos deixar o tempo colocar nossa confusão no lugar certo, mas isso é um erro. Não há escolha a não ser começar a limpar, colocar a casa em ordem e varrer. Sacuda a poeira, livre-se do inútil mesmo que seja doloroso, fuja do inútil e não armazene mais a deterioração. Tente encontrar novos caminhos limpos e brilhantes que o afastem do caos.

Resumindo: desinfete sua tristeza. Outra alternativa é continuar em nosso caminho particular, como se nada tivesse acontecido, sem diálogo ou reflexão. Mas nossas emoções e pensamentos reprimidos irão acumular raiva e ressentimento até que outro desastre seja provocado externa ou internamente.

É absolutamente necessário salvar os móveis, recolher os detritos, fazer uma catarse de limpeza geral e nos esterilizarmos internamente. Adquirir uma dimensão saudável do nosso sofrimento e redecorar com empenho e respeito a nossa consciência e a consciência de quem nos causou desastres. Só ordenando o caos, os medos serão esquecidos, a incerteza e a desconfiança desaparecerão e as memórias não serão apagadas, mas pelo menos elas deixarão de nos machucar.

Pode interessar a você...
A tristeza do dia a dia, aquela incômoda companheira de viagem
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
A tristeza do dia a dia, aquela incômoda companheira de viagem

A tristeza do dia a dia é uma emoção comum que faz parte da vida. No entanto, não a toleramos e não sabemos lidar com ela corretamente.