Deterioração cognitiva leve: causas e sintomas

· junho 16, 2018

Denomina-se deterioração cognitiva leve (DCL) um estado transitório entre as mudanças cognitivas do envelhecimento normal e um estado precoce de demência. Atualmente, esta situação já é reconhecida como uma condição patológica, e não como um processo normal associado à idade.

Na verdade, ela é utilizada de modo específico para se referir a um grupo de indivíduos que apresenta um certo grau de déficit cognitivo, mas cuja severidade é insuficiente para cumprir os critérios de demência. Para diferenciar a deterioração cognitiva leve da demência, devemos nos fixar nas limitações que esta deterioração causa na pessoa em seu desempenho cotidiano.

Pois bem… Como podemos detectar este começo de demência? Quais são os principais sintomas da deterioração cognitiva leve? Qual é a causa do aparecimento deste transtorno? Estas são as perguntas que vamos tentar responder a seguir.

Por que a deterioração cognitiva leve aparece?

O alargamento da pirâmide populacional nos estratos de mais idade, favorecido parcialmente por uma maior expectativa de vida, está aumentando o número de pessoas afetadas pelas alterações cognitivas e possíveis síndromes de demência. Este é um dado de especial interesse, principalmente se pensarmos que a idade avançada é um fator de risco para o desenvolvimento desta patologia.

Outros estudos sociodemográficos indicam um maior predomínio desta deterioração na população feminina de 71-80 anos de idade. Ela é encontrada, especialmente, nas mulheres casadas com família e poucos anos de escolarização. Mas isto não quer dizer que exista uma relação de causalidade entre ser mulher e ter deterioração cognitiva leve, logicamente.

Senhora com deterioração cognitiva leve

No que diz respeito aos demais aspectos, as causas deste transtorno continuam sendo uma incógnita e matéria de estudo para os pesquisadores que, atualmente, continuam trabalhando para esclarecer as questões que ainda restam por desvendar.

Quais são os sintomas da deterioração cognitiva leve?

Os pacientes com DCL manifestam, principalmente, a deterioração da memória, especialmente a memória episódica, sendo conscientes de seus déficits. Neste sentido, diversos estudos já demonstraram que o comprometimento da memória episódica funciona como um indicador futuro da doença de Alzheimer durante os próximos 1-7 anos a partir da sua avaliação inicial.

Outras doenças cognitivas, como os transtornos de linguagem (dificuldade para encontrar a palavra desejada), de atenção (dificuldade para se concentrar ou manter uma conversa), e as habilidades de visão espacial (dificuldade para se orientar em lugares familiares), também podem compor um tipo específico de deterioração cognitiva leve.

Por outro lado, também são comuns os sintomas psicológicos e de comportamento. Eles podem incluir alucinações, agitação ou agressividade e/ou humor depressivo, entre outros. A presença de tais sintomas pode favorecer que a deterioração cognitiva leve se desenvolva mais rapidamente, de modo que a qualidade de vida do paciente e de quem cuida dele sejam afetadas negativamente.

Resumindo, os critérios diagnósticos da deterioração cognitiva leve seriam os seguintes:

  • Mostrar evidência de preocupação com respeito a uma mudança na cognição, em comparação com o estado prévio do paciente.
  • Apresentar alteração em uma ou mais funções cognitivas (incluindo memória, função executiva, atenção, linguagem e habilidades de visão espacial).
  • Manter a independência nas habilidades funcionais, apesar de apresentar erros ou demorar mais tempo para realizar as tarefas mais complexas (por exemplo, pagar contas, fazer compras, etc.).
  • Não apresentar indícios de demência.

Existe tratamento para a deterioração cognitiva leve?

Em primeiro lugar, diante de uma suspeita de deterioração cognitiva leve, tanto própria quanto de um familiar, o mais importante é consultar o médico o antes possível. Uma avaliação adequada e precoce pode ajudar a fazer com que o transtorno não avance, ou que faça isso de um modo mais lento. Além disso, será importante descartar que esta deterioração seja a consequência de algum tipo de dano cerebral específico, como um acidente vascular cerebral (AVC). Depois da avaliação e ao ser confirmado o diagnóstico de DCL, o seguinte passo é planejar a intervenção.

Nos últimos anos, foram realizados estudos utilizando os mesmos medicamentos que são aplicados para tratar a doença de Alzheimer. A maioria desses estudos mostra que este tipo de tratamento não é eficaz para frear o avanço da deterioração cognitiva leve.

Exercício para avaliar deterioração cognitiva leve

Com respeito à abordagem não farmacológica, observou-se que as intervenções cognitivas podem ser mais eficazes para melhorar a memória, a execução de atividades diárias, e beneficiar o humor dos pacientes. Dentro das intervenções cognitivas, estão incluídos os programas de treinamento cognitivo, a estimulação cognitiva e a reabilitação cognitiva. Além disso, em relação ao exercício físico, diferentes estudos demonstraram que ele tem um efeito protetor sobre a demência do tipo Alzheimer e também sobre o DCL.

Definitivamente, apesar de, em muitos casos, ainda não existir uma intervenção que reverta a deterioração à que fazemos referência, o certo é que a porta da esperança continua aberta, graças ao volume de pesquisas que estão sendo realizadas em torno do DCL. Por outro lado, enquanto buscamos novas formas de intervenção mais eficazes, diante de uma suspeita, o mais importante é agir rápido e promover os fatores de proteção para que a doença não avance e se torne cada vez mais limitante.