Dez ideias para melhorar a comunicação entre o casal

Dez ideias para melhorar a comunicação entre o casal

19, maio 2015 em Psicologia 0 Compartilhados
comunicação

A comunicação é um dos elementos mais importantes da vida de um casal. Seu bom ou mau funcionamento será um grande sinal da satisfação que cada um sente com a relação. Assim, uma boa comunicação é uma garantia de uma relação satisfatória e com futuro, enquanto uma comunicação ruim praticamente assegura o fracasso não muito longínquo de um casal.

Nesse sentido, é tão importante o conteúdo da comunicação quanto a forma de transmissão e o contexto no qual se transmite. Não dá na mesma chamar alguém de tonto com cara de bravo e gritando ou com um olhar sedutor e um sussurro. Por outro lado, não é a mesma coisa dizer: “você é um desastre!” e “querido, tente ter mais cuidado com os sapatos quando tiver andado na grama.”

Assim, podemos considerar as seguintes dicas:

1. Não especular. Pergunte sempre quando não entender aquilo que seu companheiro quer dizer.

2. Não interpretar. Nosso idioma não necessita interpretação. A tradução é para os que não falam português. As interpretações são subjetivas e estão cheias de significado. Provavelmente quem interpretar vai ter como base as crenças e emoções que lhe são familiares.

3. Não maximizar. Lembre-se de que as pessoas são únicas e temos livre arbítrio.

4. Não projetar. Não coloque os seus sonhos ou esperanças no outro.

5. Faça uma pausa. Se sentir raiva, pare. Questione-se. Que evidência eu tenho de que o que eu estou pensando é correto?

6. Não use a leitura de mente. Nenhuma pessoa pode ler a mente de outra. Mesmo quem conhece uma pessoa há muito tempo não tem o direito e nem o poder de conhecer seus pensamentos e suas emoções. Não se esqueça de escutar ou de resistir à tentação de tentar interpretar tudo no sentido que traz consigo ou espera.

7. Lembre-se de que o objetivo da comunicação é estabelecer um canal para transmitir as nossas emoções, sensações e pensamentos. Para isso, é necessária uma escuta ativa, ou seja, interessar-se genuinamente, perguntar no momento adequado e não julgar.

8. Ser empático. É se colocar no lugar da outra pessoa, voltar ao seu lugar e agir a partir dele. Não é pensar pelo outro. Como você gostaria de ser tratado? Isso é empatia.

9. Reconhecer. As ideias referenciais são o caminho que termina em um transtorno psiquiátrico, que deriva em ideias paranoicas e, em alguns casos, em psicose. Suspeitar, sem evidências, de que tudo o que se fala ao seu redor está direcionado a você e que querem lhe fazer mal são sinais de que se deve buscar ajuda profissional. Não se deve apegar ao ego e lutar para ter razão.

10. Parar de esperar sempre o pior. É uma das melhores formas de encerrar de maneira inadequada o canal de comunicação.

Finalmente, fica talvez o último ingrediente e provavelmente o mais importante: a intenção. Quando se dirigir ao seu companheiro, faça-o com a intenção de construir, com o desejo de que, quando terminar de falar, o outro se sinta melhor. Certamente você receberá o mesmo, como se fosse um espelho.

Imagem cortesia de gpointstudio

Recomendados para você