Diferenças entre um psiquiatra e um psicólogo clínico

As 7 diferenças entre um psiquiatra e um psicólogo clínico

Fevereiro 24, 2018 em Psicologia 1009 Compartilhados
Diferenças entre um psiquiatra e um psicólogo clínico

No campo da saúde mental existem duas profissões que frequentemente geram confusão e são mencionadas como sinônimas, quando não o são. Muitas pessoas não sabem quais são as diferenças entre um psiquiatra e um psicólogo clínico. Embora em certas ocasiões exista uma cooperação mútua entre ambos os profissionais para tratar determinados casos, nem sempre ela é necessária.

Depois de terminar o curso de psicologia, os profissionais podem trabalhar em diversas áreas: neuropsicologia, recursos humanos, das organizações, criminalista… Nesse caso especificamente vamos nos referir à psicologia clínica, encarregada da avaliação, diagnóstico, tratamento e prevenção das alterações da saúde mental e do comportamento adaptativo.

Devido à imensa complexidade da mente humana e da quantidade de fatores que implicam o bem-estar psicológico das pessoas é necessário abordar cada paciente de maneira adequada. Para isso, devemos ser capazes de discernir que especialidade é a encarregada de cada âmbito. Vejamos quais são as principais diferenças entre um psiquiatra e um psicólogo clínico.

Principais diferenças entre um psiquiatra e um psicólogo clínico

Etimologia semicompartilhada

Se analisarmos com atenção a origem etimológica das palavras que identificam ambas as profissões, encontramos pistas sobre qual é o trabalho de cada profissional.

Por um lado, o prefixo “psi” deriva da palavra latina “mente”. E “logia” significa “teoria” ou “ciência”. Podemos definir psicologia, então, como a “ciência da mente”. Por outro lado, “iatria” tem origem grega e faz referência ao conceito de cura ou de medicina. Unindo ambos afixos, psiquiatria significaria “medicina da mente”.

Homem em consulta com psicólogo

Psiquiatra e psicólogo têm formações diferentes

O psiquiatra estuda Medicina e, posteriormente, se especializa na área de Psiquiatria. O psicólogo cursa propriamente o curso de Psicologia e, em seguida, faz uma especialização em clínica.

Como se pode deduzir, as habilidades e os conhecimento que esses profissionais adquirem são diferentes. O primeiro tem que dominar o funcionamento neurológico e as bases anatômicas do corpo humano. Para o psicólogo clínico, é básico conhecer as Ciências Sociais, algo que lhe permitirá analisar a forma de interagir das pessoas e como atuam as dinâmicas culturais.

Em ambas as carreiras existem subespecialidades estabelecidas com base na etapa de desenvolvimento pessoal e no âmbito de intervenção ao qual se dedicam. Assim, pode-se estudar transtornos próprios da fase infantil, da adolescência, da idade adulta ou da terceira idade. Ou pode-se aderir a determinado campo de atuação, também muito diverso: familiar, social, empresarial, comunitário, sexual…

Objetivos entrelaçados

O psicólogo avalia e trata problemas de índole psicológica. Ou seja, os problemas relacionados aos processos mentais, às sensações, às percepções e ao comportamento das pessoas. Analisa sua origem e suas causas, sempre com relação ao ambiente físico e social que rodeia a pessoa. Em suma, o psicólogo clínico foca na prevenção, diagnóstico, reabilitação e tratamento das alterações de personalidade que podem acontecer ao longo de todo o nosso ciclo vital.

O âmbito de especialização do psiquiatra é a avaliação fisiológica e química dos problemas psicológicos. Ou seja, ele realiza seu trabalho a partir de uma perspectiva médica e farmacológica. Pode, por exemplo, buscar restabelecer o equilíbrio de um determinado hormônio no cérebro.

Tratamentos de acordo com os objetivos

O psicólogo, independentemente de sua especialização, tem como objetivo melhorar o bem-estar emocional e psicológico do paciente. Para isso, através da aplicação de determinadas técnicas e do uso de habilidades, procura tratar o mal-estar da pessoa. Da mesma forma, oferece ao paciente ferramentas para que seja capaz de manter as mudanças alcançadas durante a intervenção ao longo do tempo.

O psiquiatra, por ter formação médica e saber interpretar quimicamente o cérebro, tem a capacidade e está habilitado para receitar remédios. Os ansiolíticos e os antidepressivos são os mais comuns. Além disso, o psiquiatra também pode prestar atenção médica e autorizar internações hospitalares.

Avaliação médica

Pautas de encaminhamento

No Brasil, quando vamos à um médico generalista ou de atenção básica e expomos nosso problema, podemos ser encaminhados a um psicólogo.

Na consulta com o psicólogo o paciente pode ser encaminhado para um médico psiquiatra se for identificada a necessidade do mesmo para o tratamento. Dessa forma, ambos os profissionais realizarão uma intervenção conjunta. Por um lado, o psicólogo trabalhará o comportamento e o bem-estar mental da pessoa. E por outro, o psiquiatra será o encarregado de prescrever e supervisionar a medicação correspondente.

Dependendo da magnitude e do tipo de conflito frente ao qual se encontre, o paciente pode ir ao psicólogo sem necessariamente ter que ir a uma consulta com um psiquiatra.

Psiquiatra e psicólogo podem realizar, em algumas ocasiões, uma intervenção conjunta.
Compartilhar

Considerações da problemática

O psicólogo clínico entende o problema do paciente em termos de adaptação e desajuste. Foca em estabelecer as causas do transtorno, assim como em estudar os fatores de predisposição e de contribuição que transformaram a conduta do paciente em uma conduta patológica. Para isso, busca explicações nos traços de personalidade, sua infância, seu desenvolvimento evolutivo, sua condição fisiológica ou seu entorno.

O psiquiatra entende os problemas emocionais de maneira diferente, em termos de normalidade e anormalidade. O transtorno é, portanto, uma anomalia ou um mau funcionamento do corpo, como pode ser, por exemplo, um desequilíbrio químico cerebral.

Mulher sofrendo com distúrbios da mente

Profundidade e duração das sessões

Psiquiatra e psicólogo dedicam tempos diferente a seus pacientes quando se consultam. Isso está relacionado à profundidade e à maneira de abordar a problemática.

Em geral, os psicólogos costumam estabelecer um período que oscila entre 45-60 minutos. Assim, têm tempo para aprofundar o conflito psicológico e dar apoio mental e psicológico. Eles também podem fazer as avaliações psicométricas necessárias para dar suporte à avaliação.

Os psiquiatras não costumam estender-se por mais de 20 minutos. Não tendem a realizar uma avaliação psicológica tão exaustiva, mas dedicam-se a saber como o paciente tem evoluído desde que lhe foi prescrita a medicação. A tarefa dele é ajustá-la com base nos progressos da pessoa, bem como manter revisões periódicas.

A formação especializada na saúde mental proporciona a ambos os profissionais um conhecimento integral do funcionamento cerebral. Isso faz com que, para tratar diversos transtornos, seja necessário em muitos casos o trabalho conjunto de psiquiatras e psicólogos.

Recomendados para você