Diferenças entre pessoas introvertidas e altamente sensíveis

05 Julho, 2020
Apesar de muitos se confundirem, existem várias diferenças entre pessoas introvertidas e altamente sensíveis. Um primeiro aspecto que devemos entender é que também existem extrovertidos que apresentam uma alta sensibilidade.
 

As diferenças entre pessoas introvertidas e altamente sensíveis costumam ser muito significativas. Para começar, de acordo com os estudos de Elaine Aron, também existem extrovertidos com alta sensibilidade. Assim, embora ambos os perfis compartilhem características similares, eles apresentam certas sutilezas, nuances e singularidades que os tornam únicos e os dotam, por sua vez, de um potencial particular.

Faz muito tempo desde que Carl Jung introduziu os termos introversão e extroversão em sua obra Tipos Psicológicos. No entanto, vale destacar que continuam sendo cometidos erros na interpretação dessa abordagem relacionada com a personalidade. Um aspecto que devemos considerar é que essas duas dimensões não são excludentes, ou seja, ninguém é completamente extrovertido nem introvertido em todos os âmbitos de sua vida.

Jonathan Cheek, especialista no estudo da personalidade da Universidade do Texas, realizou um estudo em 2011 para concluir que dentro da introversão podem ser identificados até quatro tipologias diferentes. Ou seja, queremos deixar claro um aspecto simples: muitas vezes, nós nos deixamos levar por termos, rótulos e definições que nem sempre são precisos.

A personalidade humana e sua compreensão é um âmbito tão complexo quanto apaixonante. A ciência psicológica busca estabelecer suas bases desde a década de 1930. Assim, desde que Gordon Allport publicou seu livro Personalidade (1936), já avançamos bastante em sua compreensão. Por isso, é importante compreender algumas de suas nuances, como os aspectos que estabelecem distâncias entre a introversão e a alta sensibilidade.

 

 “Desejo, como todos os outros, ser feliz. No entanto, devo ser feliz do meu jeito”.
-Jane Austen-

Homem apreciando o nascer do sol

As diferenças entre pessoas introvertidas e altamente sensíveis

É comum vincular quase exclusivamente a introversão com a alta sensibilidade, bem como pensar que todos os introvertidos são tímidos e que os extrovertidos precisam do estímulo dos contextos sociais a todo instante. Assumir essas ideias pode levar muitas pessoas a sentirem o peso da contradição sobre si mesmas.

Existem, por exemplo, extrovertidos sensíveis. Esse tipo de perfil geralmente caracteriza muitos ativistas, advogados, assistentes sociais… São profissionais que se dedicam aos demais e sofrem o que se conhece como desgaste por empatia. Ou seja, eles sentem a necessidade de estar em contato com as pessoas, mas não são capazes de colocar filtros diante da dor emocional alheia.

Entender as diferenças entre pessoas introvertidas e altamente sensíveis pode nos ajudar a compreender melhor e a identificar esses perfis com uma maior exatidão.

Os introvertidos

Livros como O Poder dos Quietos, de Susan Cain, permitem que nos aprofundemos de maneira detalhada nessa personalidade. Entre as muitas informações que nos oferece em seu trabalho, há uma grande semelhança com as teorias estabelecidas por Hans Jürgen Eysenck em sua época. Esse psicólogo pioneiro no estudo da personalidade apontou que a introversão tem uma origem genética.

 

Ou seja, existe uma fator biológico. Por exemplo, sabe-se que o cérebro de um introvertido nem sempre recebe dopamina quando interage socialmente. Existe um limiar, um limite para que uma conversa se torne cansativa. Um limite no qual uma festa deixa de ser divertida para se tornar sufocante e a pessoa sente o desejo de estar sozinha.

Por sua vez, também devemos saber que nem todos os introvertidos simpatizam de forma intensa com as pessoas ao seu redor. Algumas pessoas não se conectam emocionalmente com quem está à sua frente nem têm interesse nisso.

  • Outra diferença entre pessoas introvertidas e altamente sensíveis é que, nas primeiras, conseguimos diferenciar até quatro tipologias:
    • Introvertidos ansiosos (associados a problemas de estresse e ansiedade).
    • Introversão social (evitam determinados contextos sociais por insegurança pessoal).
    • Introversão imaginativa (pessoas muito introspectivas e sonhadoras).
    • Introversão reservada (perfis distantes, frios e analíticos).

As pessoas altamente sensíveis

Um aspecto que já apontamos sobre a alta sensibilidade é que ela também aparece em pessoas extrovertidas. Portanto, não estamos diante de uma característica “exclusiva” da introversão. Seria, na verdade, uma característica presente em 20% da população, que, por sua vez, apresentaria os seguintes fatores:

  • A pessoa altamente sensível processa sua realidade de outra maneira. Assim, qualquer estímulo perceptivo é vivido com uma maior intensidade.
  • As luzes, os sons, o atrito de determinados tipos de tecido na pele, a temperatura…. Todos esses são estímulos que podem se tornar dolorosos.
  • Aparece igualmente em homens e mulheres.

Alguns estudos, como os realizados pela doutora Bianca P. Acevedo, do departamento de Ciências Psicológicas e do Cérebro, da Universidade da Califórnia, indicam o seguinte:

 
  • As pessoas altamente sensíveis apresentam uma maior ativação cerebral das regiões envolvidas na atenção, na consciência, na empatia e nas informações sensoriais.
  • Sofrem, em maior medida, com as decepções, o peso das mentiras das outras pessoas…
  • Elas se conectam de forma intensa com as realidades emocionais alheias.
Jovem observando vela acesa

Aspectos importantes sobre pessoas introvertidas e altamente sensíveis

Tendo chegado a esse ponto, já sabemos que existem diferenças entre pessoas introvertidas e altamente sensíveis. Existem nuances que, sem dúvida, podem ajudar os perfis extrovertidos e até muitas crianças com hiperatividade a entender, por exemplo, por que sentem tanto as emoções alheias ou por que têm tanta dificuldade para lidar com as próprias emoções.

Nesses casos, o matiz da alta sensibilidade pode fazer com que a vida seja mais intensa e até complicada. Por outro lado, existem vários aspectos a considerar.

  • A introversão está integrada em um espectro, no qual os extremos podem nos causar sérias limitações. Estamos nos referindo aos introvertidos ansiosos que lutam diariamente com seus medos, suas inseguranças e com aquela clara dificuldade de interagir socialmente.
 
  • O outro aspecto tem a ver com a alta sensibilidade. Muitas vezes, esse tipo de personalidade pode ser atraído pelas pessoas narcisistas. Enquanto o primeiro procura atender o outro, esse último se aproveita da empatia e da sensibilidade para dominá-lo e reforçar, assim, sua noção do eu e sua necessidade de controle.

Como podemos ver, existem detalhes importantes que devem ser considerados em ambos os perfis (assim como em qualquer outro). Vamos trabalhar, portanto, para manter o equilíbrio, conhecer nosso potencial e as possíveis arestas ou pontos fracos da nossa personalidade a fim de garantir nosso próprio bem-estar e felicidade.

 
  • Aron, Elaine (2006) El don de la Alta sensibilidad. Obelisco
  • Cain, Susan (2012) El poder de los Introvertidos. RBA
  • Jung, Carl Gustav (2013). Obra completa de Carl Gustav Jung. Volumen 6. Tipos psicológicos. Madrid: Editorial Trotta.