O emocionante discurso de Glenn Close em homenagem a sua mãe

A sociedade espera que sejamos mães, esposas ou companheiras perfeitas. No entanto, as mulheres precisam de mais. Nós temos o direito de lutar pelos nossos sonhos. A mensagem de Glenn Close na premiação do Globo de Ouro continua sendo inesquecível.
O emocionante discurso de Glenn Close em homenagem a sua mãe

Última atualização: 29 Maio, 2021

“Quando minha mãe completou 80 anos, me disse que tinha a sensação de não ter conquistado nada na vida”. Esta foi uma das frases contundentes e emocionantes que Glenn Close compartilhou com o público em seu discurso quando ganhou o Globo de Ouro pela atuação no filme A Esposa. Ao agradecer pelo prêmio, ela fez uma profunda reflexão sobre a maternidade e a necessidade de realizar os sonhos pessoais.

Poderíamos dizer que esta atriz é, nos dias de hoje, uma das mais admiradas pelo público. É uma verdadeira dama de mil caras, que encarnou mulheres de todos os tipos nas telonas.

Ela despertou em nós, por exemplo, uma mistura de terror absoluto e fascínio com seu papel em Atração Fatal. Aquela necessidade de matar Michael Douglas, um homem casado com quem teve uma relação e que acabou deixando-a, se tornou parte da história do cinema.

Ela também foi inesquecível em O Mundo Segundo Garp, um de seus primeiros papéis em que interpretou uma feminista de convicções firmes. Nos encantou em Albert Nobbs, quando teve que se vestir de homem. Também foram memoráveis seus trabalhos como Cruella de Vil e seu papel em O Reencontro (1984).

Dramas, comédias, aventuras, ficção científica e suspenses: Glenn Close assume qualquer personagem com a paixão e a excelência dos grandes artistas. Adota cada um dos seus papéis a partir da profundidade das emoções, daquele local privilegiado que só está presente nos grandes artistas. Além disso, as suas mensagens se destacam, como a que estava presente no seu discurso no Globo de Ouro.

“Toda forma de arte provém de um sentimento de profunda indignação”.
-Glenn Close-

Filme 'A Esposa'

A esposa, a mulher escondida por trás do homem

A Esposa começa nos apresentando uma personagem vivaz com um enorme potencial. Em sua juventude, a mulher interpretada por Glenn Close é ambiciosa e cheia de talento, vive na costa leste dos Estados Unidos e deseja ser escritora.

No entanto, em um dado momento surgem o conflito, a contradição e o início de uma catástrofe pessoal. Ela se apaixona por um jovem que também quer ser escritor. Quando ele lhe mostra seu primeiro manuscrito e pede a sua opinião, ela responde com sinceridade: não está bom.

A relação dele é violenta e inesperada. Neste filme, diferentemente de outros do currículo de Glenn Close, ninguém busca assassiná-la. Ainda assim, sua personagem será constantemente ignorada, menosprezada e subestimada, não apenas pelo seu marido, mas pela própria sociedade. Joan Castleman se transforma, pouco a pouco, na sombra de seu esposo, em uma figura morna e discreta que caminha atrás do ilustre escritor Joseph Castleman (interpretado por Jonathan Pryce).

Ninguém pronuncia seu nome corretamente, e na verdade, não há necessidade de fazê-lo. Ela é, simplesmente, “a esposa”, uma figura acessória ao lado de um indicado ao Prêmio Nobel de Literatura.

Glenn Close no Globo de Ouro

Glenn Close e seu discurso feminista

O filme A Esposa demorou cerca de 14 anos para ser lançado, mas Glenn Close precisou de alguns poucos minutos para fazer com que o público de todo o mundo se conectasse com a importância do seu papel e também com a sua história pessoal.

Quando recebeu o Globo de Ouro, após fazer os devidos agradecimentos, falou sobre a sua mãe e nos presenteou com as seguintes palavras:

Agora eu estou pensando na minha mãe. Ela se dedicou e se sacrificou pelo meu pai durante toda a sua vida, e me lembro do que me disse quando tinha 80 anos: “Sinto que não conquistei nada na minha vida”. Acredito que sentir isso, nesse momento e nessa idade, não é aceitável. Sinto que o que aprendi por meio de toda a minha experiência e a da minha mãe é que as mulheres são nutridoras. É isso que se espera de nós. Temos nossos filhos, nossos maridos… E não há problema, pois isso nos faz felizes, mas é preciso encontrar algo mais, e esse algo mais é a satisfação pessoal. Por isso, lembrem-se: precisamos ir atrás dos nossos sonhos. Temos que dizer: “Eu posso fazer isso, vou me permitir fazer isso”.

Glenn Close

Reivindicando espaços

O discurso de Glenn Close apresenta vários pontos de reflexão. Com frequência, nos esquecemos de que as mães são mais do que um rótulo ou um nome; sua condição de mulher, de pessoa que deseja realizar seus próprios sonhos, continua lá, latente mas silenciada.

  • De alguma forma, esquecemos que são mais do que corpos, pele e coração que nutrem e oferecem afeto. As mães e as esposas são pessoas que continuam reivindicando seu espaço de desenvolvimento, de criação, de autonomia e realização pessoal.
  • As mães têm direito, como qualquer um, de seguir avançando além da própria família. Fazer isso é um desafio, não há dúvida, mas como disse Glenn Close em seu discurso, é nossa obrigação lutar pelos nossos próprios sonhos e torná-los realidade.

Nada pode ser tão triste quanto chegar a um momento da vida e sentir que não conquistamos nada. Que fora do entorno familiar somos seres invisíveis, espectros de potenciais ocultos e vozes silenciadas, como foi Joan Castleman, a personagem de A Esposa.

Pensemos nisso, trabalhemos pelas nossas metas independentemente de sermos homens ou mulheres. Tentemos alcançar os objetivos tão sonhados para sentir, quando chegar o dia, que a vida valeu a pena.

Pode interessar a você...
Meryl Streep, 17 reflexões de uma grande mulher
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Meryl Streep, 17 reflexões de uma grande mulher

Meryl Streep é uma grande atriz, mas acima de tudo demonstrou ser uma mulher admirável, colhendo sucesso e atraindo admiradores por onde passa.