Dormir para aprender – A mente é maravilhosa

Dormir para aprender

maio 20, 2015 em Psicologia 0 Compartilhados
dormir

O sono é um fenômeno que sempre despertou o interesse dos seres humanos, por ser tanto curioso quanto inquietante. No princípio, acreditava-se que se tratava de um estado quase sobrenatural, no qual o homem podia entrar em contato com as divindades e, até mesmo, visualizar acontecimentos futuros. Os governantes tinham sábios que interpretavam seus sonhos, para orientá-los sobre a melhor maneira de governar suas nações.

desenvolvimento da ciência fez com que grande parte deste pensamento desaparecesse e, por sua vez, permitiu conhecer parte dos processos que acontecem durante o sono. Mesmo assim, ainda estamos muito longe de compreendê-lo inteiramente.

O mistério dos sonhos

Sigmund Freud encontrou no conteúdo dos sonhos (o onírico) um via de luxo para acessar o inconsciente humano. Assim, pôde estabelecer que a mente representava, simbolicamente, seus medos, lembranças e desejos enquanto dormia. Postulou, então, que o conteúdo onírico é uma espécie de quebra-cabeças que pode ser decifrada.

No campo da psiconeurologia, o sono foi abordado de maneira diferente. Os cientistas estudaram as mudanças produzidas no cérebro enquanto estamos dormindo. Isto lhes permitiu compreender a fisiologia do sono e estabelecer alguns dos processos que se dão durante o mesmo. Para isso foram feitas diversas experiências.

Os pesquisadores encontraram evidências de que, durante o sono, o cérebro processa a informação que foi adquirida durante a vigília. Não apenas reforça as lembranças, como também as depura, tornando-as essenciais e desprendendo-se dos elementos mais irrelevantes.

Mas o assunto não termina aí. Também pôde-se comprovar que o cérebro consegue estabelecer relações entre os dados e se esforça para resolver os problemas que puderam parecer insolúveis quando estávamos acordados. É famoso o caso de Friedrich Kekulé, quem pôde encontrar a estrutura do Benzeno enquanto estava dormindo, apesar de não ter conseguido encontrá-lo enquanto estava acordado.

As experiências

Estas descobertas sobre o sono parecem produto da ficção, mas na realidade são fruto de inúmeros estudos realizados em diferentes épocas e em vários lugares do mundo. Primeiro foram Aserinsky e Kleitman, dois fisiólogos da Universidade de Chicago, que encontraram os ciclos do sono.

Ambos os investigadores puderam comprovar que, durante o sono, há fases de 90 minutos cada uma. No REM, ou de movimentos oculares rápidos, a atividade cerebral é muito parecida à que acontece durante a vigília. Entre uma e outra dessas fases, há uma atividade de “ondas lentas”. Isso reafirmou que o cérebro não é passivo enquanto estamos dormindo.

Seguiram diversos estudos junto a essas comprovações. Em 1994, dois neurobiólogos israelenses descobriram que certas tarefas intelectuais podiam ser melhor realizadas caso a pessoa tivesse dormido pelo menos seis horas. Nos anos 2000 e 2006, apareceram novas evidências que permitiram concluir que as lembranças se fixavam e se refinavam durante o sono.

Os dados mais interessantes apareceram em 2007, quando pôde-se comprovar que o cérebro aprende enquanto estamos dormindo. Em várias experiências feitas, primeiramente com ratos e, então, como seres humanos, concluiu-se que o cérebro continua processando dados durante o sono. Ele é capaz de realizar processos analíticos para estabelecer padrões, por isso acaba sendo possível resolver problemas ao dormir.

A memória é a função do cérebro que parece mais estreitamente ligada ao sono. Não temos uma maior disposição para aprender ou memorizar enquanto dormimos, mas o cérebro continua processando o aprendido durante o dia, polindo e organizando. No entanto, ainda existem muitas perguntas sem respostas.

O importante é que, de um modo ou de outro, as culturas antigas tinham razão ao dar ao sono um papel mais importante do que um simples descanso. Talvez os sonhos não nos permitam conversar com as divindades, mas são uma porta para as infinitas possibilidades do cérebro humano.

Créditos da imagem: Toni Blay

Recomendados para você