A habilidade do cérebro para rejuvenescer

· abril 16, 2015

Certamente, todo nós já escutamos alguma vez um provérbio que diz “cachorro velho não aprende truque novo”. Entretanto, os últimos estudos em neuroplasticidade indicam o contrário, o que muitos já sabem faz tempo: sim, é possível aprender coisas novas, inclusive na terceira idade…

Quantas vezes você já escutou que nascemos com milhões de neurônios e que, uma vez mortos, eles não poderão ser substituídos? Você nunca se perguntou alguma vez como é possível que, apesar de perder milhares de neurônios com o passar dos anos, a capacidade de aprender e assimilar novas informações possa aumentar? O segredo está na habilidade do cérebro de criar novas conexões neuronais a partir da aprendizagem.

Seu cérebro é de plástico?

A neuroplasticidade é um termo que se refere à habilidade inata do cérebro de adaptar-se, para formar novas conexões neuronais e fortalecer a sinapse entre neurônios ao longo da nossa vida. Isso se produz como resposta a experiências vividas, desenvolvimento e aprendizagem.

Essa capacidade plástica nos permite assimilar novas informações, criar novas memórias e ser capazes de continuar aprendendo algo novo a cada dia, apesar do declínio normal na capacidade cognitiva que leva ao envelhecimento físico e mental.

Desenvolvimento da plasticidade cerebral

O mais interessante da neuroplasticidade é a habilidade de desenvolver capacidades cerebrais sem necessidade de empregar nenhum outro recurso que a determinação de “colocá-lo em funcionamento”, usando situações cotidianas como base de aprendizagem. Assim, desenvolver a plasticidade neuronal não é tarefa difícil, tudo depende da persistência e do esforço empregado no processo de exercitar o cérebro.

Existe algum segredo para melhorar a capacidade cerebral?

Sim, os últimos estudos da área demonstram que existem certos hábitos muito sadios para manter ativo e “jovem” um dos órgãos mais importantes para a vida do ser humanos, a saber:

– PRESTAR ATENÇÃO A SUA VOLTA: Está comprovado que as atividades que envolvem memorização estão conectadas a todos os níveis do funcionamento do cérebro, e, por fim, ao seu desenvolvimento. Essas áreas se referem a recepção de ideias, a habilidade de recordar e ao pensamento. Você consegue reconstruir o que fez hoje desde a hora que se levantou? Quando foi a última vez que memorizou uma música?

– DORMIR O SUFICIENTE: Dormir o suficiente é indispensável para o desenvolvimento do cérebro. O processo de consolidar a informação aprendida e as memórias ocorre enquanto estamos descansando à noite. Novos estudos demonstram que as pessoas que sofrem de insônia têm dificuldade para reter novas informações.

– DESAFIAR A SUA CAPACIDADE: Completar palavras cruzadas, fazer um quebra-cabeça ou usar a sua mão menos hábil para realizar tarefas ajudam no desenvolvimento intelectual. Essas atividades, apesar de tão simples, requerem concentração e raciocínio que, eventualmente, contribuirão para a criação de novas conexões neuronais.

Use ou perca

Nunca é tarde para mudar, e algo mais interessante ainda: felizmente, cada pessoa tem a capacidade para se reconectar ou se reprogramar, de forma que os seus pensamentos e suas ações apontem para o objetivo que busca, com o propósito de conseguir sucesso no trabalho, no amor e na vida em geral.

Esta é uma conquista que se vai alcançando diariamente e, especialmente no caso do cérebro, devemos ter muito claro que se ele não for usado, será perdido…