É possível conversar com uma pessoa que está dormindo, segundo estudo

Um estudo realizado por cientistas norte-americanos demonstrou que uma pessoa que está dormindo não está completamente isolada de seu ambiente. Esse trabalho representa um avanço na compreensão do que acontece no cérebro enquanto descansamos.
É possível conversar com uma pessoa que está dormindo, segundo estudo

Escrito por Edith Sánchez

Última atualização: 27 junho, 2023

Uma investigação realizada pela Northwestern University, nos Estados Unidos, mostrou que é possível conversar com uma pessoa que está dormindo, abordando pontos básicos. Essa descoberta amplia a compreensão de um mundo que até agora a ciência não decifrou totalmente: o mundo dos sonhos.

O estudo é intitulado Real-time dialogue between experimenters and dreamers during REM sleep. Nele, alguns participantes responderam a perguntas feitas pelos pesquisadores durante o sono REM, utilizando os movimentos oculares como forma de comunicação. No entanto, a interação era limitada e não havia uma conversa completa, fluida e bidirecional.

Este trabalho representa um avanço na compreensão dos mecanismos do sono REM e na possibilidade de se comunicar com alguém durante o sono. No entanto, é importante notar que este é um projeto pioneiro e mais pesquisas são necessárias antes que a comunicação em tempo real com pessoas em sono REM se torne uma realidade prática e generalizada.

Dormir é o único lugar onde posso escapar de tudo e me encontrar.

~ Lauren Oliver ~

Conversar com uma pessoa que está dormindo: dados essenciais do estudo

A pesquisa sobre a comunicação com uma pessoa que está dormindo foi liderada pela professora Karen Konkoly, que estudou extensivamente o assunto dos sonhos lúcidos, como relata Consciousness and Cognition.

A amostra no Real-time dialogue between experimenters and dreamers during REM sleep consistiu em um grupo de 36 participantes. Eles foram recrutados por meio de anúncios e atenderam a alguns critérios de seleção, como apresentar bom estado geral de saúde e não ter diagnóstico de distúrbios do sono.

Todos eles passaram por sessões de experimentação durante o sono REM, nas quais usaram técnicas de estimulação e sinalização motora, para tentar estabelecer comunicação em tempo real com eles enquanto sonhavam.

É fundamental observar que, embora o estudo tenha fornecido informações preliminares sobre a possibilidade de comunicação de sono REM, a amostra foi relativamente pequena e não representa a população em geral.

Como foi possível conversar com uma pessoa que estava dormindo?

Este experimento foi realizado usando uma combinação de técnicas de neuroimagem e estimulação durante o sono REM (movimento rápido dos olhos); fase em que ocorrem os sonhos mais vívidos. A técnica de eletroencefalografia (EEG) foi aplicada para monitorar a atividade cerebral dos participantes e determinar quando eles estavam nessa fase do sono.

Os pesquisadores usaram pistas auditivas, especificamente tons de áudio. O objetivo era estimular cada pessoa adormecida enquanto sonhava. Tais sinais foram projetados para serem detectados pelo cérebro, mas sem acordar os participantes.

Da mesma forma, foi utilizada uma técnica denominada sinalização motora, que consiste em solicitar aos voluntários que realizem movimentos oculares específicos, como mover os olhos da esquerda para a direita ou de cima para baixo. Isso correspondia a uma resposta sim ou não às perguntas feitas pelos pesquisadores.

Ao monitorar a atividade cerebral e os movimentos dos olhos dos participantes, os cientistas tentaram estabelecer uma comunicação bidirecional entre eles e os voluntários. Isso foi feito em tempo real, enquanto os participantes sonhavam.

Os resultados do estudo

Os resultados do estudo mostraram que alguns participantes foram capazes de responder a perguntas feitas durante o sono REM usando movimentos oculares específicos. Isso sugere a possibilidade de comunicação limitada durante os sonhos. Além disso, não era possível conversar fluentemente e completamente com a pessoa adormecida.

Essa análise representou um passo inicial para explorar a comunicação durante os sonhos. Ainda assim, mais pesquisas são necessárias para entender completamente os mecanismos envolvidos e melhorar as técnicas de interação em tempo real.

O estudo foi avaliado e revisado por especialistas independentes na área, antes de ser publicado na revista científica Current Biology. Isso é habitual no âmbito de publicações sobre temas científicos.

Considerações finais

Embora a pesquisa de Konkoly seja inovadora em muitos aspectos, em 1965 Charles Tart, um dos fundadores da psicologia transpessoal, imaginou e especulou sobre a comunicação com pessoas adormecidas, comenta um artigo do Psychological Bulletin.

(…) Até que ponto um ‘sistema de comunicação bidirecional’ poderia ser desenvolvido, pelo qual o pesquisador poderia instruir o sujeito a fazer algo enquanto sonha, e poderia o sujeito relatar eventos do sonho enquanto ocorrem? Se tal desenvolvimento fosse possível, os sonhos perderiam seu status como um evento puramente subjetivo que só poderia ser relatado em retrospectiva(…)

~ Charles Tart ~

Ao longo dos anos, em 1981, Stephen La Berges, em artigo publicado na Perceptual and motor skills, não só demonstrou a existência do sonho lúcido, como destacou a possibilidade de comunicação voluntária durante o sono REM.

Para encerrar, é importante observar que a comunicação durante o sono REM é um tema difícil de investigar, devido à natureza fugaz e subjetiva dos sonhos. Embora este estudo seja promissor, ainda é necessária mais exploração para identificar os mecanismos subjacentes e desenvolver técnicas mais sofisticadas.

Pode interessar a você...
A falta de sono reduz a empatia, de acordo com um estudo
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
A falta de sono reduz a empatia, de acordo com um estudo

Um estudo da Universidade da Califórnia descobriu que a falta de sono reduz a empatia e os sentimentos de solidariedade nas pessoas.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.



Os conteúdos de A Mente É Maravilhosa servem apenas para fins informativos e educacionais. Não substituem o diagnóstico, o aconselhamento ou o tratamento de um profissional. Em caso de dúvida, é recomendável consultar um especialista de confiança.