O efeito Dunning-Kruger: a ignorância é ousada

· setembro 25, 2018

O efeito Dunning-Kruger é um traço cognitivo que faz com que as pessoas menos competentes em um determinado campo superestimem suas habilidades, e as que são mais competentes as subestimem. Basicamente, algumas pessoas ignorantes pensam que sabem muito e aquelas que realmente sabem se consideram ignorantes.

Dessa forma, aqueles que são vítimas dessa característica têm uma ilusão de superioridade ao avaliar sua competência como superior à média. Além disso, também tendem a subestimar os mais competentes.

Este efeito foi demonstrado em um estudo publicado em 1999 por Dunning e Justin Kruger, dois pesquisadores do Departamento de Psicologia da Universidade de Cornell. Agora, um fato curioso é que o efeito Dunning-Kruger parece adequado apenas para as sociedades ocidentais. Ao tentar replicá-lo na Ásia, os pesquisadores descobriram que ocorria exatamente o contrário.

Por que ocorre o efeito Dunning-Kruger?

De acordo com a teoria de Dunning-Kruger, a explicação para esse fenômeno seria que pessoas incompetentes não têm exatamente as habilidades necessárias para se distinguirem daqueles que têm mais capacidades. As pessoas que carecem de conhecimento ou sabedoria para ter um bom desempenho muitas vezes não têm consciência disso. Essa falta de consciência é atribuída a um déficit nas habilidades metacognitivas.

Casal discutindo

Em outras palavras, a incompetência que os leva a tomar decisões erradas é a mesma que os priva da capacidade de reconhecer essa habilidade. São incapazes de reconhecer isso tanto em si mesmos quanto nos outros.

De fato, há uma multidão de pessoas medíocres, a nível intelectual, que ganham a vida nos fazendo acreditar que são autores de uma genialidade especial e que estão cheios de carisma. Em geral, fazem isso porque acabam sendo atraentes para nós.

“Um intelectual é geralmente alguém que não é distinguido precisamente por seu intelecto. Atribui a si mesmo esse qualificativo para compensar a impotência natural que sente em suas habilidades. É aquele velho e verdadeiro ditado diga-me do que se gaba e lhe direi o que lhe falta. É o pão de cada dia. O incompetente sempre se apresenta como um especialista, o cruel como piedoso, o pecador como justo, o cobrador como um benfeitor, o malfeitor como um patriota, o arrogante como humilde, o vulgar como elegante e o ignorante como intelectual”.
-Carlos Ruiz Zafón-

No entanto, os resultados dos estudos Kruger e Dunning podem ter várias interpretações. Muitas vezes o efeito provocado é o seguinte: de todas as pessoas que realizam uma tarefa específica, as menos qualificadas acreditam que estão muito preparadas para realizá-la. Pelo contrário, as melhores tendem a confiar menos em suas habilidades.

A razão do sucesso dos incompetentes

Encontramos a explicação do sucesso dessas pessoas em uma ideia cativante conhecida como a falácia do mundo justo. De acordo com essa ideia, os resultados que obtemos na vida são sempre merecidos. As pessoas que pensam assim acreditam que todos estão em uma determinada posição, porque assim o merecem pelos seus méritos. Portanto, embora possa não parecer, “algo devem ter”.

O que vemos é que as pessoas incompetentes pensam que são melhores do que realmente são. No entanto, geralmente não se acham tão boas quanto aquelas que, de fato, são boas. É importante notar que Dunning e Kruger nunca alegaram que os incompetentes acham que são melhores que os competentes. Eles apenas acreditam que são realmente melhores do que são e também proclamam isso.

Há uma grande discordância entre o modo como as pessoas incompetentes percebem seu próprio desempenho e como ele realmente é. Essa discordância é muito menor para pessoas altamente competentes, o que representa um grave problema para ambos os grupos.

Para aqueles que realmente não são muito habilidosos, o efeito Dunning-Kruger os impede de melhorar. Até que reconheçam seus erros, eles nunca poderão superá-los. Pelo contrário, para aqueles que já são bons, essa característica os impede de brilhar o máximo possível. confiança em si mesmo é fundamental para ter sucesso.

Exemplos do efeito Dunning-Kruger

Se, por exemplo, você não é muito bom em idiomas, pode ser difícil perceber isso. Isso acontece porque as habilidades de que você precisaria para distinguir alguém que é bom de alguém que não é bom são precisamente as que lhe faltam. Se você não consegue ouvir a diferença entre dois fonemas diferentes, como saberia quem é capaz de se pronunciar como um nativo e quem não é? Se você entende poucas palavras de uma língua estrangeira, como avaliaria o tamanho do seu próprio vocabulário em comparação com o dos outros?

Ou talvez você já tenha ouvido muitas vezes uma pessoa falar de um assunto sobre o qual ela não sabe absolutamente nada. Pelo contrário, aqueles que realmente sabem sobre algo tendem a permanecer em silêncio. Isso pode ser observado, inclusive, nos meios de comunicação. Neles, mais atenção é dada às pessoas que demonstram confiança, mesmo que não estejam certas.

Homem cheio de dúvidas na cabeça

Conclusão

Simplificada ao extremo, a teoria de Dunning-Kruger pode ser entendida da seguinte maneira. Enquanto os ignorantes pensam que são bons, aqueles que realmente o são se julgam como incompetentes.

Sem dúvida, superar esse efeito é fundamental para a nossa sociedade. Por isso, se em algum momento você achar que está de posse da verdade, não se cale. É necessário que as pessoas sábias comecem a confiar mais em si mesmas.