Efeito neuroprotetor do ômega 3 - A Mente é Maravilhosa

Conheça o efeito neuroprotetor do ômega 3

dezembro 2, 2017 em Psicologia 0 Compartilhados
Efeito neuroprotetor do ômega 3

Você conhece o efeito neuroprotetor do ômega 3? Graças a estes ácidos graxos, melhoramos nossa funções cognitivas, prevenimos a depressão e nos protegemos dos danos oxidativos e dos processos inflamatórios. Saber disso é importante porque, às vezes, não nos damos conta de que a nossa dieta moderna está cada vez mais pobre nesse tipo de nutrientes essenciais.

Algo que com certeza é interessante saber, para começar, é que quase 8% do nosso cérebro é composto por esse tipo de ácido decosahexaenoico (DHA), o qual desempenha funções vitais nas nossas estruturas neurais. Ao mesmo tempo, também foi demonstrado que o ômega 3 é essencial para o desenvolvimento ideal do feto. Manter uma dieta rica nesse composto orgânico durante a gravidez está relacionado, muito frequentemente, com inteligência e bom rendimento cognitivo.

Um déficit de ômega 3 durante o desenvolvimento dos fetos está associado com um fraco amadurecimento cerebral e disfunções neurocognitivas.
Compartilhar

O fato de o nosso cérebro precisar desse tipo de ácido graxo poli-insaturado não é algo casual. Sabe-se, por exemplo, que o maior “salto” evolutivo no nosso desenvolvimento cerebral ocorreu há 200.000 de anos. Foi nesse momento que, assim como demonstraram as evidências em muitas jazidas, nossos antepassados começaram a viver ao redor de rios ou buscando a proximidade com o mar para pescar. Essa dieta rica em peixes, moluscos e anfíbios nos proporcionou mais energia e melhores nutrientes para otimizar ainda mais o desenvolvimento cerebral.

Os especialistas afirmam também que o ômega 3 é um nutriente fundamental que deve estar presente na nossa dieta “desde o berço até o caixão”. E também, as nossas avós, preservando a sabedoria popular que tanto as caracteriza, não hesitam em repetir várias vezes algo como “temos que comer mais peixe”. E não, elas não se equivocam. No entanto, há um pequeno dado que talvez nossas queridas avós desconheçam.

Atualmente nossos mares apresentam dia após dia maiores níveis de contaminação. Esse fato faz com que muitos dos peixes gordurosos, em princípio tão saudáveis, contenham um excesso de mercúrio e dioxinas. No entanto, a boa notícia é que o ômega 3 está presente em muitos outros alimentos, como sementes, oleaginosas, verduras… Aumentar o consumo desse tipo de alimento vai fazer nosso cérebro agradecer muito!

Alimentos que nos fornecem ácidos graxos ômega 3

O efeito neuroprotetor do ômega 3 para ter um cérebro mais ágil e resistente

Os estudos realizados até o momento sobre o impacto do ômega 3 no nosso cérebro não poderiam ser mais positivos. Foi descoberto em laboratório, por exemplo, que os ratos que recebem suplementos de ômega 3 mostram maior plasticidade cerebral, maior nível de sinapses entre células nervosas e melhor conectividade. Paralelamente, temos à disposição interessantes trabalhos nos quais foi demonstrado que esse tipo de ácido graxo reduz os sintomas depressivos e as perdas de memória.

Até o momento, esse nutriente era principalmente conhecido por ser um protetor da saúde cardiovascular. Isso provocou um impressionante aumento de oferta de todos os tipos de suplementos dietéticos com a promessa de que, graças a eles, evitaríamos as cardiopatias isquêmicas, por exemplo. No entanto, os nutricionistas alertam que o ideal é optar sempre por uma alimentação correta, ou seja, “natural”.

Seguir essa recomendação proporciona uma série de benefícios. Vamos descobrir alguns a seguir.

  • Manter uma dieta rica em ômega 3 não protege apenas o coração. Foi descoberto, por exemplo, que esse nutriente, apesar de não beneficiar todos os pacientes com Alzheimer, proporciona melhorias para aqueles com comprometimento cognitivo leve.
  • Isso acontece pelo efeito neuroprotetor do ômega 3. Não é “curativo”. Mas, consumido ao longo da vida e em doses adequadas, permite chegar a idades mais avançadas com um cérebro mais ágil e resistente.

Homem com problemas neurológicos

  • Sabe-se que melhora a memória de curto prazo, a memória verbal, a atenção e a velocidade de processamento das informações.
  • Outro aspecto interessante está relacionado com o nosso humor. O ômega 3 tem a capacidade de reduzir (não de curar) os sintomas associados à depressão, e isso se deve a um fato muito específico. Esse tipo de ácido graxo facilita o transporte da serotonina. Não vai agir, portanto, como a fluoxetina (prozac), mas estabelece os processos químicos e conectivos adequados para melhorar o nosso bem-estar.

Curiosidade, relações sociais e bons nutrientes para ter um cérebro mais saudável

Ter um cérebro saudável, ágil, com boa capacidade de memória e sempre receptivo ao aprendizado depende de muitos fatores. Não basta aprender idiomas, tocar algum instrumento ou aumentar o número de livros que lemos por mês. Fatores como uma boa gestão do estresse e gozar de relações sociais significativas e enriquecedoras também são pontos a nosso favor.

Se cuidarmos desses aspectos, ainda faltaria mais um: a alimentação. Nossa vida moderna e o tipo de cultura em que são produzidos os vegetais, as frutas e os óleos que compramos nos supermercados não são sempre tão saudáveis quanto gostaríamos. Comer bem requer esforço, vontade e um pouco de sabedoria.

Não basta, por exemplo, suprir nossos déficits de ômega 3 com suplementos de farmácia. O ideal é recorrer aos alimentos e, se forem de cultivos orgânicos, melhor ainda.
Compartilhar

Alimentos fonte de ômega 3

Vamos ver agora alguns exemplos das opções que temos ao nosso alcance para obter o efeito neuroprotetor do ômega 3:

  • Linhaça.
  • Sementes de chia.
  • Sementes de abóbora.
  • Óleo de Krill (espécie de animais invertebrados semelhantes ao camarão).
  • Azeite.
  • Salmão.
  • Ostras.
  • Caranguejo.
  • Sardinha.
  • Bacalhau.
  • Nozes.
  • Brócolis.
  • Espinafre.
  • Tofu.

Para concluir, não devemos esquecer que a boa saúde cerebral, a boa memória e o bom ânimo não dependem apenas das nossas atitudes ou da nossa mente, dependem também de como cuidamos de nós mesmos e das nossas dietas. Vamos investir, portanto, um pouco mais em nós mesmos para ganhar saúde e bem-estar, aproveitando, por exemplo, o efeito neuroprotetor do ômega 3.

Recomendados para você