5 erros dos terapeutas

outubro 4, 2019
As habilidades do terapeuta podem ser decisivas para o sucesso das sessões. Neste artigo vamos comentar alguns erros que os psicólogos costumam cometer na terapia, e por que é conveniente resolvê-los antes que afetem a eficácia da intervenção.

São muitos os fatores que influenciam o desenvolvimento e os resultados da psicoterapia, incluindo os erros dos terapeutas. Há uma ideia muito difundida: o funcionamento de uma terapia recai sobre quem procura ajuda.

No entanto, levá-la ao pé da letra pode ser um grande erro, pois muitas variáveis ​​sobre as quais o cliente tem pouco ou nenhum controle também são relevantes.

Os fatores que explicam a mudança terapêutica são o apoio social e a força do eu da pessoa – ou seja, a mudança extra-terapêutica -, as técnicas específicas usadas na terapia, o efeito placebo ou as expectativas e a relação terapêutica – onde os erros dos terapeutas podem ter um grande impacto.

Juntamente com a mudança extra-terapêutica, a relação terapêutica existente entre o psicólogo e o cliente é um fator muito importante para alcançar a mudança.

Assim, torna-se importante expor certos erros dos terapeutas que podem ameaçar a aliança terapêutica, fator que pesa cerca de 40% na mudança que o paciente experimenta na psicoterapia (Corbella e Botella, 2004).

Os principais erros dos terapeutas

Esta lista é baseada em um capítulo de Introdução à Psicoterapia de Pipes e Davenport (2004). Neste capítulo são apresentados alguns dos erros mais comuns do terapeuta. Alguns deles são os seguintes.

Sessão de terapia

Resolver o problema antes do mesmo ter sido compreendido

Este é um dos erros mais comuns dos terapeutas. Embora certos tipos de terapia, como a psicanalítica, busquem uma compreensão muito extensa dos problemas do cliente e invistam tempo e esforço na compreensão dessa narrativa, a verdade é que isso não acontece com todas as terapias.

Muitas delas são inseridas em contextos em que a mínima consecução de sessões é sinônimo de qualidade. Quanto menos sessões forem necessárias para concluir uma terapia, melhor será o terapeuta.

Por isso, alguns psicólogos podem pecar por se conformar com informações superficiais, reduzindo as problemáticas e intervindo sem avaliar outras áreas que não parecem relevantes.

Quando um cliente está de mau humor devido a suas notas baixas, por exemplo, fazemos uma avaliação e planejamos uma intervenção – avaliando seu perfeccionismo, significado de pensamentos irracionais relacionados a reprovar, técnicas de gerenciamento emocional para quando isso acontecer – e podemos deixar fatores importantes sem considerar.

Pode ser que o cliente sofra de um distúrbio alimentar que não avaliamos, pois a questão alimentar nunca pareceu problemática. Também pode ser que, quando ele nos disse que seus padrões alimentares mudaram após os maus resultados, tenhamos assumido que o fenômeno era uma consequência de notas baixas.

Uma intervenção que não seja precedida por uma boa avaliação provavelmente falhará. É importante investir o tempo necessário para avaliar e não se deixar levar pela ansiedade de começar com uma intervenção rápida.

Comportamentos inadequados no papel de terapeuta

Apesar do que muitos pensam, as intervenções verbais e não verbais do terapeuta em sessão devem ter algum valor funcional. Por isso, embora o humor, a conversação, a sátira, as piadas, etc. sejam úteis, pois podem criar uma aliança terapêutica mais profunda, é preciso ter cautela.

Esse tipo de intervenção deve ser considerada com algum objetivo, seja para confrontar, acalmar a ansiedade do cliente, ridicularizar ou expor suas ideias para obter insights, etc.

O riso do terapeuta também precisa ser controlado, reforçando um tipo de intervenção do cliente. É necessário examinar o conteúdo da piada, já que o objetivo desta geralmente é ridicularizar algum aspecto específico.

O terapeuta deve avaliar que aspecto é este, como se relaciona com o problema do cliente e, acima de tudo, se deseja reforçar que o cliente faça essa piada sobre esse problema.

Se conversamos com alguém incapaz de levar algo a sério, com problemas de controle da raiva, e em um certo momento ele faz uma piada raivosa e o terapeuta ri, estará reforçando a ideia de que esses ataques de raiva não são importantes.

Isso também pode ser extrapolado para controlar o riso do terapeuta quando este quer reduzir sua ansiedade.

Se o terapeuta não está confiante, se o cliente é alguém difícil… O terapeuta ri para se acalmar, mas transmite a mensagem de que o que foi dito foi engraçado. Isso pode confundir o cliente e fazer com que ele não se sinta completamente seguro na aliança terapêutica.

Empurrar o cliente para o fracasso

Mudanças espetaculares e alcançadas rapidamente estão longe de ser a norma na terapia. No entanto, o entusiasmo e a pressa do terapeuta podem precipitar a terapia nessa direção. Seja tentando aumentar sua rede social, vivendo novas experiências, realizando ações que a princípio sejam benéficas…

Esquecer ou tratar superficialmente aspectos que podem parecer simples – quando não são tão simples para os nossos clientes – é um dos erros mais comuns dos terapeutas.

Talvez levar um cliente a aumentar sua rede de amizades conversando com as pessoas ao seu redor possa ser algo para o qual ele não está preparado. Esses encontros podem dar errado, o cliente pode não ter as habilidades necessárias para manter uma conversa ou ser incapaz de controlar a ansiedade em certos ambientes.

A falta de resultados, em muitas ocasiões, não é de responsabilidade do cliente, mas do terapeuta. Na terapia, o procedimento deve ser inteligente e ajustado no tempo, garantindo que todas as tarefas e recomendações que propomos sejam construídas de acordo com as necessidades e o ritmo do cliente.

Tentar ser amigo do cliente

O terapeuta não investiu anos em formação em psicoterapia para se tornar alguém que ouve e dá conselhos. Por isso, muitos médicos concordam que não devem ser amigos do cliente.

Isso não é adequado para o relacionamento terapêutico, dificulta os confrontos, as tarefas na terapia são entendidas como opcionais, o cliente pode se irritar pelas expectativas que possui do terapeuta como amigo… Esse seria um dos erros mais difíceis de corrigir nos terapeutas.

Portanto, é aconselhável evitar ações que levem o cliente a pensar que o terapeuta tenta ser mais do que um profissional: não comentar sobre a aparência a menos que constitua uma questão terapêutica, nunca emprestar dinheiro, não aconselhar sobre o que deve ser feito e o que não e, é claro, nunca encontrar o cliente fora da sessão.

Psicóloga consolando paciente

Abordagens deficientes das intervenções

Existem vários tipos de intervenções que podem fazer com que os clientes se afastem, distorçam as mensagens ou sintam que são inúteis. Se os clientes se sentem assim e isso é mantido no restante da terapia, a melhor coisa que pode acontecer é que essa terapia seja ineficaz.

Não devemos esquecer os efeitos iatrogênicos da terapia para o cliente. Isso significa que o terapeuta não critica nem culpabiliza. Isso é algo que talvez o seu círculo já tenha feito antes, e não estamos interessados ​​em ser membros desse grupo amplo.

Embora seja normal um clínico não criticar diretamente, o cliente pode se sentir julgado quando estamos impacientes, quando dizemos que não estão interessados ​​em mudar ou quando dizemos que seu comportamento foi deficiente.

Haverá momentos em que nos posicionaremos com pessoas difíceis. Isso não importa. É arriscado e contraproducente ser tão explícito. Abraçar e tentar entender o que o cliente diz e mergulhar em suas emoções é muito mais benéfico do que deixá-lo saber que não estava certo.

Finalmente, também é aconselhável evitar certas frases que deixam o cliente na defensiva: “Reclamar não mudará as coisas”, “Você é uma pessoa que fica na defensiva” ou “Você sente pena de si mesmo”.

Focar as dificuldades que o cliente apresenta, e não tanto a correção de seus valores, tornará a terapia menos árdua. Cuidar da aliança terapêutica é um objetivo importante nesse quadro, para que emoções como entusiasmo, ignorância ou ego não façam com que o cliente se afaste.

  • Coberlla, S. y Botella, L. (2004). Investigación en psicoterapia. Procesos, resultados y factores comunes. Madrid: Visión Net.
  • Pipes, R. y Davenport, D. (2004). Introducción a la Psicoterapia. El saber clínico compartido. Bilbao: Desclée de Brower.