Você é uma laranja inteira: educar para evitar a dependência emocional

· março 14, 2018

Nós tendemos a perceber que a dependência é um problema quando a vivemos de perto ou estamos envolvidos, quando a relacionamos com um sofrimento real ou potencial. No entanto, é possível educar para evitar a dependência emocional? Podemos prevenir relacionamentos tóxicos com a educação?

Os seres humanos são dependentes. Nascemos dependentes. No entanto, a dependência emocional é um estado psicológico que é uma ótima fonte de desconforto para aqueles que a vivem. Como seres sociais, precisamos uns dos outros. Buscamos contato, cooperação e troca. Nós nos unimos e construímos. No entanto, isso nem sempre acontece dessa forma: às vezes nos juntamos a alguém e, apesar de entendermos que a relação nos destrói, sentimos a necessidade de mantê-la.

Quem disse que você não é uma laranja inteira?

Mídia, brincadeiras, perguntas desnecessárias, contos populares, tradições, conselhos pouco pensados… Eles não deixam dúvidas: precisamos estabelecer uma relação amorosa para nos sentirmos completos e completas. Será?

Não é um segredo que vivemos em uma sociedade que, mais ou menos conscientemente, fortalece as relações de dependência, desfigurando o significado final de um relacionamento: o de compartilhar e somar, por querer e não por precisar. Infelizmente, só queremos evitar a dependência emocional quando estamos sofrendo ou vendo o sofrimento daqueles que amamos.

Mulher brincando com coração

O papel da educação para evitar a dependência emocional

Os modelos e experiências que temos na primeira infância servem de referência para enfrentar o mundo e os relacionamentos. Uma criança que não aprendeu a ter carinho de uma maneira que é certa para ela e para os que estão ao seu redor provavelmente, quando adulta, se sentirá um pouco perdida neste campo e continuará tentando buscá-lo de maneira imprudente. Do mesmo modo, é provável que crianças que crescem com pais que sabem controlar, gerenciar e falar sobre suas emoções acabem por ser muito mais habilidosas nisso.

Nesse sentido, educar para evitar a dependência emocional é, além de saudável, possível. Querer que as crianças se tornem adultos independentes é uma meta pouco realista se esta independência não for incentivada. Quando nasce um bebê, a dependência é total. No entanto, a autonomia progressiva que será adquirida dependerá da sua educação.

Como educar para evitar a dependência emocional?

O psicanalista John Bowlby formulou a teoria do apego para explicar o vínculo emocional gerado entre o bebê e seus pais. Este autor argumentou que o estilo de apego começa a se formar durante a infância, mas que essa formação continua ao longo da vida. É claro que o tipo de apego que as crianças estabelecem com suas figuras de referência constituirá, de alguma forma, a base do seu desenvolvimento emocional.

Portanto, promover um apego seguro na primeira infância será fundamental para evitar relacionamentos tóxicos gerados pela dependência. Este vínculo afetivo será o lugar onde as crianças aprenderão que explorar o mundo e suas complexidades sozinhas é compatível com o sentimento de amor, confiança e segurança de seus pais.

Mãe deitada na grama com sua filha

Algumas diretrizes para educar crianças resilientes e evitar a dependência emocional:

  • Demonstrar carinho. Expressar o amor pelas crianças com palavras e gestos faz com que elas se sintam amadas. Somente dessa maneira elas poderão explorar sabendo que têm um refúgio para se proteger se precisarem.
  • Expressar emoções. Expressar o que sentimos e por que sentimos permite que as crianças desenvolvam empatia. Além disso, assim elas entendem que as emoções são humanas e que não há problema se sentirmos tristeza ou raiva. Identificar o que elas sentem proporcionará um maior autoconhecimento e favorecerá a modulação dos comportamentos. Longe do que se pensava há décadas, o sucesso das crianças está mais condicionado pela inteligência emocional do que pela capacidade intelectual.
  • Estar disponível. Não ajuda passar muito tempo com as crianças se você não brincar com elas ou prestar atenção às suas necessidades. As crianças precisam saber que seus pais estão lá (mesmo quando não estão) e que são sensíveis às suas necessidades.
  • Promover a autonomia e a tomada de decisões. Encorajar as crianças a tomar suas próprias decisões faz com que elas confiem em seus próprios critérios. Estimular sua curiosidade e resolver conflitos as faz sentir mais capazes e confiantes.
  • Fornecer segurança e confiança. Quando recompensamos seu progresso e as apoiamos em novos projetos, elas desenvolvem uma imagem positiva de si mesmas. Esta é a forma como permitimos que as crianças se sintam competentes. Além disso, quando as acompanhamos nas quedas e lhes damos confiança para tentar de novo, promovemos valores como estabilidade ou perseverança.
  • Cuide-se. Não se descuide por cuidar dos outros. É conveniente encontrar e transmitir esse equilíbrio, mostrando que elas são os primeiras que precisam se preocupar em cobrir suas próprias necessidades. Não é incomum observar pais que rotineiramente renunciam a atividades de lazer ou momentos para si mesmos. Às vezes a culpa surge, como se o lazer fosse incompatível com os bons pais ou mães. É essencial estar ciente disso. Diferentes estudos confirmaram que a dependência emocional dos pais para com seus filhos causa efeitos negativos que são difíceis de reverter.
Pais beijando as bochechas da filha

Portanto, se entendemos que os educadores são o exemplo direto para crianças, a importância de ter bons modelos é evidente. Se procuramos educar crianças que não são dependentes emocionalmente, seria bom começar educando crianças que se conheçam, se amem e se valorizem. Talvez devêssemos conhecer, amar e valorizar mais a nós mesmos. Este pode ser um bom momento para lembrar que somos capazes, não somos metade de nada… porque somos seres completos. Então, a partir daí, podemos ensinar a diferença entre necessidade e amor. Inteiros, seremos mais livres.

“Não é que eu queira estar sozinho. É que ainda não encontrei alguém que queira assumir o compromisso de ser livre ao meu lado”.
– Quetzal Noah –