Evite dizer a alguém com ansiedade para não se preocupar

dezembro 26, 2019
Muitas vezes, não sabemos o que dizer a uma pessoa que sofre de ansiedade. E se, em vez de dar conselhos, começarmos simplesmente sendo empáticos? A proximidade e a compreensão são sempre um bom começo.

O que podemos dizer a alguém com ansiedade? Como reagir diante de um amigo, irmã ou pessoa próxima que está prestes a sofrer um ataque de pânico? Algo bastante comum é recomendar que a pessoa “se acalme” e que “não se preocupe”. No entanto, evite dizer a alguém com ansiedade para não se preocupar.

De fato, o efeito que essas palavras podem ter pode ser exatamente o oposto do que esperamos – mesmo se o fizermos com toda boa intenção do mundo.

Para começar, a ansiedade não é algo que uma pessoa possa controlar. Tanto é assim que o cérebro ansioso funciona de maneira diferente. Não há “botão de desligar e iniciar”. O mecanismo é mais sutil. Portanto, o que acabamos conseguindo com as nossas recomendações é gerar mais pressão e aumentar o desconforto.

Albert Ellis, em seu livro Você Pode Ser Feliz, diz que a ansiedade gera uma angústia mental deslocada. É algo intenso e devastador que limita completamente o potencial humano.

Agora, um aspecto interessante que se destaca é que o primeiro passo para gerenciá-la não é bloqueá-la, mas aceitar a sua presença. A dor emocional é outra parte de quem somos, e ninguém está isento de sofrer.

Portanto, quando estamos ao lado de alguém com ansiedade, devemos evitar expressões como “relaxe, não fique tão obcecado, pare de se preocupar, o que está acontecendo com você está apenas na sua mente”.

Com essas frases, bloquearemos a comunicação, impedindo que o outro faça um relato preciso do que está acontecendo com ele.

“A intensidade da angústia é proporcional ao significado que a situação tem para a pessoa afetada, embora ela ignore, essencialmente, as razões da sua ansiedade”.
– Karen Horney –

Homem preocupado e ansioso

Evite dizer a alguém com ansiedade para não se preocupar

Uma pessoa com ansiedade gostaria de se acalmar. Se há algo que ela realmente gostaria, de verdade, é deixar de sentir aquela dor no estômago, aquela tensão muscular, a taquicardia e o ruído dos pensamentos perturbados, tão difíceis de controlar.

Além disso, quando alguém passa por essa realidade psicológica, muitas vezes sente que está prestes a sofrer um ataque cardíaco ou perder completamente o controle.

Portanto, dizer a alguém com ansiedade para não se preocupar é como dizer a alguém que está se afogando para sair da água. Ele não consegue evitar e, na realidade, precisa de um tipo de ajuda mais válido.

Há também outro aspecto que devemos levar em consideração: a ansiedade geralmente aparece sem avisar. Muitas vezes, nem é necessário enfrentar uma situação mais ou menos estressante, como uma palestra, uma entrevista de emprego, uma consulta médica, etc.

O demônio da ansiedade surge nas situações mais inocentes e insuspeitas: enquanto falamos ao telefone celular, em um jantar com amigos, quando entramos no banheiro do nosso trabalho ou universidade ou mesmo quando saímos de casa para ir trabalhar.

Nessas situações em que a angústia surge, é comum alguém próximo insistir que não há motivos para nos preocuparmos, porque nada vai acontecer, porque tudo está dentro de nós mesmos. Estes comentários só pioram a situação.

Menos conselhos e mais empatia

Evite dizer a alguém com ansiedade para não se preocupar. Nem mesmo lhe pedir para relaxar e levar a vida com mais tranquilidade.

Não faça nenhuma dessas duas coisas por um motivo simples: o cérebro tomado pela ansiedade não atende, está alerta e é incapaz de processar ordens, sugestões e palavras bem-intencionadas. E se o fizer, verá nosso conselho como algo inútil, porque, se há algo que ele realmente espera, é empatia.

Às vezes, é melhor não dizer nada. Basta apenas estar, ficar próximo e fazer a pessoa ver que estamos ao seu lado para o que ela precisar. Haverá tempo para procurar estratégias adequadas, mas há momentos em que é melhor ser um farol de luz, uma fortaleza de equilíbrio diante daqueles que lidam com as suas marés, suas crises e tempestades.

Por outro lado, algo que os estudos indicam, como os realizados no departamento de psicofarmacologia da Universidade de Chemin de Ronde, em Paris, é que o cérebro da pessoa com ansiedade é escravo de substâncias como o cortisol, a adrenalina e a noradrenalina.

É muito difícil pensar claramente nesses estados. Portanto, os conselhos são de pouca utilidade nessas circunstâncias.

Mulher cobrindo seu rosto

O que dizer a alguém com ansiedade?

Se nos perguntamos o que dizer a alguém com ansiedade, a resposta é simples: ao invés de dizer, faça. Em vez de recorrer a conselhos, a frases infelizes, mas bem-intencionadas, basta observar, estar perto e tentar entender o que o outro está passando.

Antes de mais nada, entenda que existem muitos tipos de ansiedade, e que o que pode ser bom para alguém, pode não ser adequado para a pessoa ao seu lado.

Portanto, a melhor coisa a fazer é perguntar coisas como: ‘Como posso ajudá-lo?’ ou ‘Eu sei que você está angustiado neste momento e que não consegue se controlar, então vamos respirar fundo juntos‘. Às vezes, basta ser uma presença próxima, serena e tranquilizadora.

Mais tarde, poderemos ajudar essa pessoa querida a procurar ajuda especializada, mas no momento, é melhor saber estar por perto, dar carinho e empatia. É mais fácil do que parece.

  • Millan, M. J. (2003). The neurobiology and control of anxious states. Progress in Neurobiology. Elsevier Ltd. https://doi.org/10.1016/S0301-0082(03)00087-X