Como o exercício melhora a vida psicológica? - A Mente é Maravilhosa

Como o exercício melhora nossa vida psicológica?

julho 23, 2018 em Curiosidades 0 Compartilhados
Como o exercício melhora a vida psicológica?

Ouvimos muito a respeito dos benefícios da atividade física para o corpo, mas você sabia que o exercício melhora a vida psicológica?

Muitos guias que buscam ser uma ajuda para melhorar nossas vidas, tanto no plano físico quanto no plano psíquico, recomendam uma série de dicas fundamentais. São estratégias e ideias fáceis de expor, mas não são tão fáceis de implementar em nossa vida diária. Demandam que mudemos nossas rotinas, aquelas que tendemos a seguir pela inércia que nós mesmos criamos e que ganham muita força devido à repetição.

A prática de exercícios é muito recomendada, mas o que ela pode nos trazer no plano mental e emocional? Por que merece um espaço em nossas agendas? O que tem de tão valioso para que, ao chegar em casa, em vez de colocá-la em ordem, fazer o jantar, descansar ou estudar idiomas, alguém saia outra vez para se exercitar?

Neste artigo vamos tentar responder a todas essas perguntas… e algumas mais.

A atividade física cuida das células do nosso corpo

Bom, nossa mente parece algo abstrato, o maestro de uma orquestra que muitas vezes “separamos do corpo”, como se a base deste não fosse o mesmo substrato biológico. Falamos de cansaço físico e de cansaço mental como se fossem coisas totalmente separadas, mas isso não é verdade.

Quando fazemos exercício acontece um fenômeno muito curioso: as células do nosso corpo se oxigenam. A metáfora é simples: é como se ventilássemos o corpo, assim como fazemos com nossa casa todas as manhãs. A verdade é que, no verão, ventilar é fácil. No entanto, no inverno o assunto é outro. Não costumamos gostar muito quando as correntes frias se movem pelos quartos. No entanto, quando isso passa, como nos sentimos depois? Muito melhor, não?

Pois bem, com a prática do exercício acontece algo similar. Existem dias em que o nosso corpo parece adorar a sensação de que nosso motor (coração) se agite, e outros nos quais se mostra muito preguiçoso (trabalhamos mais durante o dia, não descansamos o suficiente ou naquela semana fizemos mais exercício). Porém, como nos sentimos depois? Muito melhor, não? 

Mulher calçando o tênis para correr

O exercício melhora a vida psicológica ao conectar corpo e mente

Já dissemos que nossas células do sistema nervoso agradecem quando damos ao corpo um pouco de movimento e perdemos algumas calorias correndo, pulando, pedalando ou caminhando por um bom tempo. Pois bem, o exercício também tem outra vantagem nesse binômio corpo-mente. Esta vantagem está relacionada com a comunicação

É curioso, mas, por exemplo, quando falamos com um atleta que está momentaneamente lesionado e perguntamos do que ele mais sente falta, é provável que nos responda que é da comunicação com seu corpo.

É provável que tenha uma sensação de que seu corpo não fala ou somente o faz na linguagem da dorA informação que recebe de seu corpo ficou empobrecida, e muito. Assim, o que conseguimos quando fazemos atividade física é que a comunicação com nosso corpo melhore; não precisamos que nada doa para saber que estamos com mais ou menos energia.

Por outro lado, é uma sensação que não é fácil de explicar para aqueles que levam uma vida sedentária e anos sem praticar exercícios. Não se lembram de como é a sensação de se sentirem em sintonia com seu corpo e, por isso, não sentem falta dela.

Melhora nossa vida social e ganhamos um tempo para nós

Outra das vantagens mentais que o esporte nos traz tem duas vertentes. Uma delas é a vertente social. Seja uma atividade individual ou em equipe, é fácil conhecer pessoas em uma situação parecida com a nossa. Pessoas de carne e osso, que não estão atrás de uma tela, que podem nos motivar, com o exercício ou com outras metas de nossa vida, e que, sem dúvidas, vão ampliar nosso círculo social de apoio.

A outra vertente desta vantagem está definida por um fato: fazer exercícios supõe dedicar um tempo para nós. Um tempo para refletir ou simplesmente para fugir de nossas preocupações. Durante este momento, não vamos pensar que não chegamos a um determinado lugar, que a comida pode queimar ou que algum de nossos gestos pode não agradar alguém ou prejudicar nossa imagem. Por este lado, o esporte muitas vezes é um exercício de liberdade, uma atualização dos nossos impulsos mentais e um encontro com nós mesmos.

Por outro lado, é um ato que dificilmente vai nos gerar um incômodo mental. É muito difícil que, fazendo exercícios, sintamos dissonância entre quem somos ou o que gostaríamos de ser e o que fazemos. Não existem ameaças, somente desafios. É fazer uma cesta ou correr um pouquinho mais rápido. A questão se simplifica e nossa mente agradece esta liberação.

Mulher fazendo ioga

Exercícios, disciplina, fé e emoções

Um benefício indireto de uma rotina de exercícios é a ordem e a disciplina. Manter a prática com regularidade gera em nós uma sensação de constância que nos faz sentir bem. Este tipo de mensagem reforçará nossa autoestima e nos ajudará com outros propósitos.

Muitas pessoas não fazem planos porque não têm fé de que irão cumpri-los, de modo que vivem em uma espécie de anarquia carregada de censuras, porque muitas das decisões que tomam são aleatórias e os equilíbrios que constroem são muito frágeis. Pois bem, poucas atividades são melhores que o exercício para ganhar confiança.

Quantas vantagens, não é mesmo? Mas elas ainda não terminaram. Agora cabe indicar uma das mais importantes: a regulação emocional. O exercício nos ajuda a gastar de maneira positiva o excesso de energia que quase todos têm por ingerir mais calorias do que podem gastar. Assim, um corpo com uma menor necessidade de atividade dará uma margem maior para trabalhar com as nossas emoções. Se nos irritarmos com algo, por exemplo, será mais difícil explodirmos.

O exercício reduz nossa pressão arterial, de modo que precisaremos de um estímulo maior para chegar a nos ativar como antes. Isso alarga muito a margem que temos para agir, utilizar de maneira inteligente a informação da emoção que sentimos e deixar que se dissipe sem que sua energia nos leve a agir de uma forma que nos causará arrependimentos. Em crianças, por exemplo, o exercício também favorece muito o autocontrole e contribui para regular o descanso.

Com todos estes argumentos, dá vontade de começar, não é mesmo?

Recomendados para você