5 exercícios para trabalhar a dependência emocional

As pessoas com dependência emocional experimentam um medo constante do abandono no seu dia a dia. Propomos cinco exercícios para quebrar as correntes desse vínculo.
5 exercícios para trabalhar a dependência emocional

Última atualização: 13 julho, 2022

A dependência emocional acarreta uma série de reações em cadeia, em que a principal característica é a luta para se sentir emocionalmente próximo de outra pessoa por medo do abandono. Os esforços para estar próximo do outro, evitando o desconforto causado pela não reciprocidade de sentimentos, podem ser a principal fonte de sofrimento.

Os sintomas causados pela dependência emocional variam de reações obsessivas a sintomas depressivos. Como consequência, a pessoa estreita seu foco em aumentar seus esforços para estar perto do outro, perdendo o foco em outras áreas que são importantes para sua vida.

O que é dependência emocional?

A dependência emocional é uma necessidade extrema e afetiva que uma pessoa sente em relação ao seu parceiro. Suas características podem ser resumidas em uma certa submissão ao ente querido, pensamentos obsessivos e um grande medo de ser abandonado por ele.

Na dependência emocional, muitas vezes o parceiro é idealizado. Além disso, o medo vivenciado diante do abandono, ou rejeição pelo outro, diminui à medida que se encontra outra pessoa em quem depositar essa necessidade afetiva.

Os indicadores mais comuns de pessoas dependentes são os seguintes:

  • Eles tendem a ter medo da mudança e do desconhecido.
  • Eles tendem a procurar parceiros desde o início da adolescência.
  • As características de seus parceiros costumam ser semelhantes, sendo frequente a escolha de perfis mais autoritários que os deles.
  • Déficit de habilidades sociais.
  • Desejo de exclusividade no relacionamento.
  • Prioridade do casal sobre qualquer coisa.
  • Assunção do sistema de crenças do casal.
  • Eles se voltam para outras pessoas para construir sua confiança e auto-estima.
  • Do medo à solidão.
Mulher chorando abraçando seu parceiro
A dependência emocional impede ter liberdade e ser autônomo.

Apego inseguro e dependência emocional

Bowlby foi um dos pioneiros no estudo das figuras de apego na infância (1980). Para este autor, o apego consistia no vínculo afetivo entre a criança e seus pais como veículo de segurança e correto desenvolvimento emocional.

Além disso, Bowlby estuda a ansiedade de separação que algumas crianças apresentaram após a retirada das figuras de apego. De acordo com suas observações, as crianças que apresentaram um estilo de apego inseguro, apresentaram reações de medo e choro após a ausência dos pais.

Concluiu-se que as interações com as primeiras figuras de apego organizam o sistema de necessidades afetivas na vida adulta. Em outras palavras, à medida que amadurece, a pessoa mostra as interações que foram aprendidas e reforçadas na infância.

No entanto, as experiências precoces não constituem uma sentença definitiva para o desenvolvimento da dependência emocional, uma vez que as vivências do indivíduo na fase adulta são outro peso a ter em conta.

5 exercícios para trabalhar a dependência emocional

Os exercícios apresentados a seguir não excluem a relevância de consultar um especialista. Portanto, uma exploração exaustiva da história individual de cada pessoa é essencial para um tratamento correto. Dito isso, aqui estão alguns exercícios que podem ajudar a combater a dependência emocional:

1. Biografia Emocional

Você já parou para pensar em todas as emoções que experimentou ao longo dos anos? Em que circunstâncias? Fazer um diário para refletir sobre relacionamentos passados pode ajudá-lo a reconhecer como você superou histórias passadas.

Pode ser que, após um rompimento, você vislumbre como outro relacionamento se forma logo depois. É então que você pode identificar quantas vezes usou um relacionamento para evitar sensações desagradáveis.

2. Quem sou eu?

Quem é você como uma pessoa independente sem um parceiro? Há momentos em que relacionamentos muito longos se arrastam no tempo e esquecemos quem fomos, quem somos no presente e o que aprendemos ao longo do caminho da experiência.

As preferências da outra pessoa podem ter sido tão permeáveis que as suas próprias são esquecidas : o que gostamos de fazer, o que gostamos, o que não gostamos, o que estamos dispostos a tolerar, quais são os limites que desejamos que os outros ultrapassem, etc..

3. Caminhadas simbólicas

São inúmeras as atividades que podem ser feitas sozinho, sendo uma delas as caminhadas. Estes podem representar uma oportunidade para refletir. Neste caso, propomos o seguinte exercício:

  • Antes da caminhada, procure pedras de diferentes pesos.
  • Depois de ter as pedras, escreva com um marcador permanente os nomes das pessoas a quem mais tempo é dedicado, sendo as pedras de menor peso para as pessoas a quem menos tempo é dedicado, e vice-versa com as pedras de maior peso..
  • Coloque essas pedras no bolso, enquanto caminha.

Tem sido difícil para você andar com as pedras mais pesadas? O que você queria fazer com aquelas pedras enquanto caminhava?

4. Autocuidado

Uma das consequências da dependência emocional é que toda a atenção é dada a outras pessoas, esquecendo-se das próprias necessidades. O autocuidado, como fazer planos sozinho, expor-se à independência e aos sentimentos que ela gera, é uma tarefa essencial.

Exemplos dessas atividades podem ser preparar sua refeição favorita, tomar um banho relaxante, viajar sozinho para uma cidade próxima, fazer psicoterapia, etc. Além disso, um elemento que pode ser útil é um calendário onde você anota quais tarefas serão realizadas ao longo da semana.

Mulher tomando banho
Praticar atividades de autocuidado é essencial para começar a quebrar cadeias de dependência emocional.

5. Escreva cartas endereçadas a si mesmo

Tem gente que gosta de escrever e essa é uma atividade que pode trazer muitos benefícios. Por um lado, você pode escrever uma carta endereçada a si mesmo, contando sua história como se fosse o protagonista do filme de sua vida.

Por outro lado, eles podem escrever os limites e comportamentos que estão dispostos a permitir no futuro, percebendo quando a barreira do auto-respeito é ultrapassada.

A escrita também pode ser substituída por outros tipos de atividades criativas. Por exemplo, a criação de um álbum com faixas de música que refletem estados emocionais, fotografia ou expressão artística com aquarelas.

Pode interessar a você...
John Bowlby: biografia do fundador da teoria do apego
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
John Bowlby: biografia do fundador da teoria do apego

Quer saber um pouco mais sobre o fundador da teoria do apego? Não perca a seguinte biografia de John Bowlby.



  • Hoyos, M. L., Arredondo, N. H. L., & Echavarría, J. A. Z. (2007). Distorsiones cognitivas en personas con dependencia emocional. Informes psicológicos9, 55-69.
  • Izquierdo, S.A & Gómez-Acosta, A. (2013). Dependencia afectiva: abordaje desde una perspectiva contextual. Psychol.av.discip, 7(1),81-91
  • Rodríguez de Medina Quevedo, I. (2013). La dependencia emocional en las relaciones interpersonales.
  • Santamaría, J. J., Merino, L., Montero, E., Cano, M., Fernández, T., Cubero, P., … & Bueso, V. G. (2015). Perfil psicopatológico de pacientes con Dependencia Emocional. Cuadernos de medicina psicosomática y psiquiatria de enlace, (116), 36-46.