Relacionamentos intermitentes podem ser muito angustiantes e estressantes

Quanto maior o número de separações que um casal experimenta, maiores são os sentimentos de estresse e angústia. As dinâmicas intermitentes têm consequências.
Relacionamentos intermitentes podem ser muito angustiantes e estressantes

Última atualização: 26 maio, 2022

Terminar um relacionamento nunca é um situação agradável. O luto que se vive após este acontecimento faz com que muitas pessoas voltem sem resolver os problemas que causaram o rompimento. Quando essas transições se tornam cíclicas, falamos de relacionamentos intermitentes.

Romper e fazer as pazes em série favorece duas dinâmicas doentias: luto repetido e codependência emocional. A longo prazo, é uma situação insustentável, tanto na interação quanto na emocionalidade dos membros do casal.

Há evidências para apoiar a hipótese de que relacionamentos intermitentes aumentam a ansiedade e a depressão. Portanto, é conveniente estar ciente de como essa espiral funciona e as consequências que isso acarreta, assim como internalizá-la.

Por que algumas pessoas voltam com seu ex repetidamente?

Algumas pessoas levam ao pé da letra aquele ditado “melhor o diabo que você conhece do que o diabo que você não conhece”. Às vezes é melhor voltar para alguém que você conhece, mesmo que haja problemas, pois parece mais complicado começar o relacionamento com um estranho recém-chegado em sua vida.

Isso produz a seguinte ideia: é necessário ter um parceiro? A verdade é que, mesmo com todo o bombardeio midiático que promove apenas o amor próprio e a felicidade, muitas pessoas tentam evitar a chamada solidão romântica. Estar solteiro não parece uma opção, cercado de mitos desfavoráveis e outros equívocos, como se comparar com os outros.

Por outro lado, fatores como má gestão de conflitos (cortar o relacionamento como reação a uma forte discussão, por exemplo), codependência emocional ou abuso psicológico também podem ser incluídos. Cada casal é diferente e exige uma análise personalizada da situação para gerar soluções válidas.

Casal olhando um para o outro

A crescente angústia dos relacionamentos intermitentes

Os processos psicológicos e emocionais que ocorrem dentro de um relacionamento têm um forte efeito no bem-estar individual. Especificamente, o rompimento é muitas vezes acompanhado de angústia e sentimentos de ansiedade e depressão. Isso é completamente normal, já que é um duelo.

No entanto, retomar e sair repetidamente de um relacionamento é colocar sua própria mente na posição de ter que passar por essa dor repetidamente. Um estudo já alertava que existe uma correlação positiva e crescente entre o sofrimento emocional e o número de vezes que o parceiro “piscou”.

Aqueles indivíduos que terminaram com seu parceiro e se reconciliaram repetidamente relataram mais sintomas de angústia durante o período de estudo de 15 meses. Esse estresse, além de estar relacionado ao luto, também parecia estar associado à turbulência de mudança de papéis e costumes que essa transição repetida implica.

mulher triste pensando
Relacionamentos intermitentes impedem um equilíbrio emocional no casal.

O que posso fazer se estou em um relacionamento intermitente?

Você está com seu parceiro há anos, mas não sabe quantos deles são realmente “válidos”. Essa pessoa entrou e saiu da sua vida tantas vezes que você não tem mais ideia do que quer em um relacionamento. Mesmo assim, expulsar a figura dele da sua mente e do seu dia a dia parece um passo avassalador.

Se essas afirmações lhe parecem familiares, você saberá que a solução para sair de relacionamentos intermitentes é mais complexa do que o típico “então não volte mais com aquela pessoa”. Dentro dessa dinâmica, estão envolvidos fatores cuja influência deve ser isolada.

Na proximidade, a outra pessoa é insuportável; na distância, a nostalgia mascara o que antes não podia ser tolerado por mais um minuto.

Por esse motivo, é melhor que você vá a uma consulta psicológica, principalmente se quiser encerrar essa reciclagem do relacionamento e se você sentir que não é capaz de parar (ou não sabe por onde começar). Além disso, aqui estão algumas dicas úteis para começar a sair do ciclo:

  • Identifique os problemas não resolvidos que você tem com seu parceiro e pergunte a si mesmo se é possível superá-los.
  • Apoie-se em seus amigos e entes queridos: a versão deles da sua situação o ajudará a se ver de outra perspectiva.
  • Apresente ao seu parceiro o ciclo que você está vivenciando: é possível que a outra pessoa também se sinta presa e você consiga encontrar uma solução definitiva.
  • Respeite seu tempo: muitas vezes, os casais se reconstituem por não se dar o tempo necessário para o luto. Cortar todo contato neste período é muito necessário para se reconstruir.

Conquistar e cultivar o respeito próprio é uma corrida de longa distância. Mesmo assim, não é necessário executá-la sozinho, pois ao longo do caminho você descobrirá que não apenas os casais são a chave para a felicidade social. Não deixe que ciclos intermináveis a obscureçam.

Pode interessar a você...
Sociedade, virtualidade e casal: o atual triângulo amoroso
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Sociedade, virtualidade e casal: o atual triângulo amoroso

A virtualidade tornou-se uma espécie de sujeito que testemunha a vida e as relações dos casais como um terceiro.



  • Hoyos, M. L., Arredondo, N. H. L., & Echavarría, J. A. Z. (2007). Distorsiones cognitivas en personas con dependencia emocional. Informes psicológicos9(9), 55-69.
  • Monk, J. K., Ogolsky, B. G., & Oswald, R. F. (2018). Coming out and getting back in: Relationship cycling and distress in same‐and different‐sex relationships. Family Relations67(4), 523-538.