Falar com fluência, muito mais do que uma questão de imagem

· novembro 6, 2018

Falar com fluência é um fator que influencia, e muito, o curso das nossas relações. Além disso, de maneira indireta, também influencia a autoestima e a capacidade de lidar com conflitos.

Essa habilidade vai além de um assunto de aparências e da imagem que projetamos. Se você consegue se expressar facilmente, toda a sua vida se enriquece e melhora.

A linguagem e a expressão são realidades diretamente relacionadas com o pensamento e as emoções. Um pensamento confuso ou emoções muito intensas e inconstantes dificultam nossa capacidade de falar com fluência.

Por outro lado, falar com fluência não significa necessariamente falar muito, nem carregar o peso de manter a conversa. De fato, pessoas que têm dificuldade de ceder a vez na fala podem chegar a criar uma profunda rejeição.

O recomendável é desenvolver a habilidade de dizer o que pensamos com a maior precisão e no momento mais oportuno. Mas como conseguir fazer isso? A seguir, vamos dar algumas recomendações que podem ser úteis nesse propósito.

“Os homens podem ser divididos em duas categorias: aqueles que falam para dizer alguma coisa e aqueles que dizem qualquer coisa para falar”.
-Príncipe Carlos José de Ligne-

Para falar com fluência, medite e escute

A meditação é um dos melhores caminhos para esclarecer e ordenar nossos pensamentos. Portanto, também é uma boa via para melhorar nossa capacidade de falar com fluência.

Você não precisa se transformar em um monge tibetano. Basta dedicar alguns minutos por dia a respirar profundamente, tentando deixar sua mente vazia.

Essa prática, progressivamente, te leva a pensar de uma maneira mais ordenada e certeira. Também ajuda a dar cada vez menos importância a ideias irrelevantes. Uma mente mais clara e focada sempre adota o reflexo da fluência na expressão.

A escuta é outro meio de excelência para elevar suas habilidades de expressão. Melhora sua capacidade comunicativa e contribui para estabelecer um vínculo, Se os outros se sentem ouvidos, a probabilidade de que nos escutem também vai aumentar. Assim, a relação será beneficiada.

Falar com fluência

Leia, escreva e diga o que você pensa

Através da leitura, você enriquece o vocabulário e aperfeiçoa o conhecimento intuitivo das estruturas linguísticas. É algo que acontece sem que você perceba. Os bons romances, ensaios ou poesias o colocam em contato com as formas mais refinadas da linguagem. Isso aumenta suas chances de falar com fluência.

A escrita, por sua vez, é uma atividade que ajuda a ordenar e absorver ideias. Para escrever, é preciso ordem. Uma ordem à qual, às vezes, chegamos diante da necessidade de colocar nossa fala no papel. Nesse sentido, o discurso pensado e projetado nos dá uma confiança extra na hora de nos expressar.

Por outro lado, é muito importante aprender a confiar na sua própria voz. Por isso, é aconselhável não medir cada frase, modificando-a até que se torne artificial, falsa ou alheia ao que você sente. Quando o pensamento está claro na nossa cabeça, não há motivos para silenciá-lo.

Não seja quem amordaça suas sensações, a não ser que exista uma razão significativa. De outra forma, a falta de oxigênio pode acabar te prejudicando muito.

Simplicidade, respeito e emoção

Falar com fluência não tem nada a ver com utilizar palavras rebuscadas ou técnicas para tudo. Também não está relacionado a assumir uma formalidade tão intensa em sua maneira de se expressar que faça você parecer alguém completamente artificial.

Nesse sentido, falar de maneira direta e simples vai fazer com que os outros o entendam mais rápido e com mais facilidade.

Além disso, é necessário respeitar seu interlocutor. Saber seu nome e mencioná-lo enquanto estiver falando. Respeitar também se refere a aceitar as ideias do outro e não insultar pensamentos diferentes dos seus. Você pode expressar suas discordâncias renunciando à intolerância.

No mundo atual, tornou-se muito comum que as pessoas queiram se expressar de maneira natural. Muitos acreditam que isso denota mais segurança ou autonomia. O “subjetivo” adquiriu uma certa conotação negativa, mas não precisa necessariamente ser assim.

O subjetivo também é válido e você está no seu direito de expressar observações subjetivas em relação ao que desejar.

Falar com fluência

Duas recomendações finais

Em muitas situações, uma atitude comunicativa e aberta será o segredo para não causar ou para solucionar mal-entendidos. Nesse sentido, esconder suas opiniões porque não coincidem com as dos outros não é uma boa ideia.

Isso só vai fazer com que a tensão aumente, de maneira que, quando já não pudermos mais, acabaremos explodindo, dizendo frases que, na verdade, não expressam nossos sentimentos…

Por outro lado, no caso de você ter medo de falar sobre como se sente, principalmente quando esse sentimento for positivo, recomendamos fazer um esforço para se colocar acima do medo. Assim, além de alimentar o amor-próprio dos outros, de maneira indireta você também nutre o seu. Será mais fácil para os outros, ou uma boa parte deles, adotar a mesma atitude com você.

Falar com fluência contribui para que as relações com os outros também se tornem mais fluidas, ao mesmo tempo em que aumenta a sensação de maior autonomia e liberdade.

Vale a pena se propor a ter uma melhor comunicação consigo mesmo e com os demais. Certamente, é algo que vai repercutir diretamente na sua qualidade de vida.