Fases da esquizofrenia

Aprenda sobre as fases da esquizofrenia e o que acontece em cada uma delas. Que sintomas aparecem? Como elas são diferentes uma da outra? Elas seguem uma ordem?
Fases da esquizofrenia

Última atualização: 26 maio, 2022

Você conhece as fases da esquizofrenia? Pessoas com esse transtorno do espectro psicótico geralmente passam por cinco. Neste artigo vamos falar sobre as características e sintomas de cada um delas. Além disso, saberemos por que é tão importante atuar em algumas fases específicas.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a esquizofrenia é um transtorno mental grave que afeta mais de 21 milhões de pessoas em todo o mundo. É mais comum em homens (12 milhões) do que em mulheres (9 milhões) e também os homens a desenvolvem em idades mais jovens.

Fases da esquizofrenia

Vamos conhecer as fases da esquizofrenia. São fases contrastadas e aceitas por especialistas. A maioria dos indivíduos com esse transtorno mental grave passa por todas elas.

De fato, a American Psychiatric Association (APA, 1999) reconhece quatro fases da esquizofrenia : 1) a fase prodrômica, 2) a fase aguda, 3) a fase de estabilização e 4) a fase estável ou residual. Aqui falaremos sobre cinco fases, pois vamos diferenciar a fase estável da residual.

homem com esquizofrenia

Fase prodrômica

A primeira das fases da esquizofrenia é a fase prodrômica; nela, o paciente começa a sentir os primeiros sintomas da doença, que são anteriores à fase aguda ou ativa.

É uma fase de vital importância porque se trabalharmos nela, podemos reduzir o risco de um surto psicótico ou prevenir recaídas da doença. Ou seja, podemos evitar que esta fase leve à próxima (fase ativa). Isso não é fácil; Para isso, devemos estar atentos aos sintomas característicos da fase prodrômica. São os seguintes:

  • Dificuldades de concentração.
  • Nervosismo ou agitação.
  • Alterações/desordens nos horários e rotinas (ir para a cama, levantar-se…).
  • Sintomas de tristeza e depressão.
  • Distúrbios alimentares (muitas vezes falta de apetite).
  • Distúrbios do sono (por exemplo, insônia ).
  • Isolamento social (parar de ver os amigos, por exemplo).
  • Princípios de anedonia (não desfrutar das coisas).
  • Sentimentos de inutilidade.
  • Preocupar-se demais com as coisas, ruminação.

Existem pessoas que apresentam apenas alguns desses sintomas; Logicamente, não é necessário apresentar todos eles para passar para uma fase ativa da doença. Claro, quanto mais sintomas, maior a probabilidade de desencadear o surto psicótico ou doença (ou recaída).

É importante notar que quanto mais recaídas o paciente sofre, maior a deterioração que experimenta, por isso será de grande importância trabalhar na fase prodrômica da esquizofrenia e estar atento aos sintomas mencionados.

Fase ativa/aguda

A segunda das fases da esquizofrenia é a fase ativa (também chamada de fase aguda). Nesta fase, pode-se dizer que o paciente entrou em crise ou sofreu um surto psicótico . É aqui que aparecem com intensidade os sintomas positivos da esquizofrenia, que, recordemos, incluem: alucinações, delírios, pensamento e linguagem desorganizados, etc.

Esta fase é caracterizada pelo fato de que o comportamento do indivíduo muda muito;  ele fica desequilibrado e desorganizado. Além disso, o comportamento pode se tornar evidente e estranho. Assim, os sintomas típicos da fase aguda são os seguintes:

  • Sintomas positivos de esquizofrenia (já mencionados).
  • Desconfiança dos outros, chegando à paranóia.
  • Comportamento chamativo, estranho e desorganizado.

A duração desta fase pode variar muito de pessoa para pessoa. No entanto, a mesma pessoa geralmente tem episódios psicóticos (fase ativa) de mesma duração cada. Nesta fase a pessoa geralmente necessita de hospitalização, devido à gravidade dos sintomas.

Fase de estabilização

A fase de estabilização também é chamada de fase de recuperação. Nesta fase os sintomas psicóticos diminuem de intensidade. Este é o período que começa assim que a fase anterior foi resolvida, ou seja, a fase aguda. Isso geralmente ocorre quando o paciente começa a responder satisfatoriamente ao tratamento.

O objetivo nesta fase é duplo: evitar recaídas e melhorar os sintomas que ainda estão presentes. Segundo Martín & Navarro, em seu artigo Esquizofrenia, a duração média desta fase é de 6 meses.

Na Diretriz de Prática Clínica sobre Esquizofrenia e Transtorno Psicótico Precoce, encontramos que essa fase dura entre 6 e 12 meses.

“Não há estabilidade sem solidariedade, e não há solidariedade sem estabilidade.”

-José Manual Barroso-

Fase residual

Nesta fase, também chamada de fase pós-surto, os sintomas negativos da esquizofrenia aparecem em grau variável. Uma das possíveis complicações que encontramos nesta fase é o aparecimento da depressão pós-surto. Nesta fase, e com a depressão, a prevenção do suicídio será de vital importância.

Quais são os sintomas negativos da esquizofrenia mencionados e que aparecem nesta fase? Vamos listar os mais importantes:

  • Alogia: a alogia é um empobrecimento do pensamento; implica um pensamento lento e pouco alternativo. Além disso, a linguagem da pessoa com esquizofrenia com esse sintoma costuma ser estereotipado, repetitivo e pobre.
  • Apatia: implica falta de interesse e desejo pelas coisas. Em suma, não é querer fazer nada. Há ausência de preocupações e objetivos (mesmo que sejam pequenos).
  • Anedonia: Anedonia é a falta de gozo de coisas que costumavam nos fazer desfrutar.

Uma metanálise de Savill et al. (2014) publicado na revista Psychological Medicine sugere que os sintomas negativos da esquizofrenia apresentam uma redução significativa ao longo do tempo, independentemente do tipo de intervenção realizada. Na metanálise, observou-se especificamente que os sintomas que foram reduzidos foram alogia, abulia, apatia, embotamento afetivo e isolamento social. Os sintomas mais reduzidos foram abulia e apatia.

mulher com esquizofrenia

Fase estável (assintomática)

A última das fases da esquizofrenia que conheceremos é a fase estável ou assintomática. Essa é a fase “procurada”, pois nela o paciente está estável e sem sintomas (ou com sintomas muito leves). Quando os sintomas aparecem, geralmente são: ansiedade, depressão, tensão e/ou insônia, de acordo com o Guia Terapêutico para o Manejo da Esquizofrenia.

É uma boa etapa para o psicólogo fornecer ao paciente as ferramentas necessárias para prevenir recaídas e manter um funcionamento adequado e um bom grau de bem-estar. Quando essa fase se rompe, ou seja, o paciente volta a ficar descompensado, entramos novamente em outra das fases da esquizofrenia: a fase aguda (surto psicótico). Por isso, trabalhar aqui também será de grande importância, para acompanhar o paciente em todo o seu processo. A nível farmacológico, a medicação também terá grande importância aqui (como em todas as fases).

Pode interessar a você...
Transtorno Esquizofreniforme: Sintomas, Causas e Tratamento
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Transtorno Esquizofreniforme: Sintomas, Causas e Tratamento

O transtorno esquizofreniforme apresenta sintomas idênticos à esquizofrenia, mas sua duração é menor: entre um e seis meses.



  • de la Guía, G. D. T. (2009). Guía de práctica clínica sobre la esquizofrenia y el trastorno psicótico incipiente. Agència d’Avaluació de Tecnologia i Recerca Mèdiques.
  • Savill, C. Banks, H. Khanom and S. Priebe (2014). Do negative symptoms of schizophrenia change over time? A meta-analysis of longitudinal data. Psychological Medicine, 1-15.
  • Yung, A.R y McGorry, P.D. (1996). The prodromal phase of firstepisode psychosis: past and current conceptualizations.
    Schizophr Bull, 22(2): 353-70.