Mente esgotada: outro efeito do isolamento social

22 Maio, 2020
Muitas pessoas estão experimentando o esgotamento mental. O confinamento, somado ao estresse e à angústia causados pela atual pandemia, afeta a memória, a concentração e até a tomada de decisões.

Embora estejamos passando grande parte do tempo dentro de casa durante estes dias, nos sentimos cansados, tanto física quanto psicologicamente. No entanto, isso é perfeitamente normal. Devemos estar cientes de que outro efeito do atual isolamento social é a mente esgotada.

“É seguro sair às ruas? As medidas de proteção estabelecidas são suficientes? O que vai acontecer após o fim do confinamento? O que vai acontecer com o meu trabalho nos próximos dias? Vou poder ver a minha família?”

Estas e outras dúvidas nos acompanham quase persistentemente durante o dia, juntamente com a angústia e a incerteza.

Quando a mente está nesse estado, qualquer tipo de decisão, ainda que insignificante, se torna exaustiva. Às vezes, até mesmo coisas simples como decidir o que vamos comer, ou fazer nossos filhos irem para a cama ou cumprirem seus deveres, se tornam desafios, montanhas que temos muita dificuldade de escalar.

É importante levar em consideração que todas essas experiências e sensações estão dentro da normalidade. Não estamos entrando em colapso, não estamos sofrendo de problemas de saúde mental. É uma resposta normal e esperada diante do isolamento e uma reação habitual do cérebro nessas condições.

Mulher estressada na quarentena

A mente esgotada e o isolamento social

Especialistas dizem que não é adequado falar de isolamento social. Nós somos seres sociais, vivemos em sociedades durante toda a nossa existência e, portanto, é impossível “abandonar” esse cenário.

Embora estejamos dentro de nossas casas, continuamos a fazer parte dessa estrutura, dessa essência de vilas, aldeias ou grandes cidades.

Devemos falar de isolamento físico, porque é isso que a atual crise de saúde por conta do novo coronavírus realmente está nos impondo. Independentemente da definição exata desse tipo de isolamento, há um fato inegável: o confinamento não é feito para os seres humanos. Como resultado, nosso cérebro reage a essa situação inesperada de muitas maneiras diferentes.

Aumento da carga cognitiva

Quando falamos de processos cognitivos, nos referimos a toda atividade que o cérebro gera. Um exemplo disso é poder focar a atenção, entender tudo que ouvimos, lemos ou vemos, tomar decisões, processar as sensações que nosso corpo sente, aprender e criar coisas novas, etc.

  • O ambiente ao nosso redor e, acima de tudo, a maneira como interpretamos o que acontece afeta esse fluxo extraordinário de atividade cerebral.
  • Além disso, o simples fato de ficar em um mesmo espaço físico por muitas horas aumenta o estresse cerebral. A mente precisa de mudanças, luz, sons, interação e estímulos para se sentir ativa e desperta.
  • Se o que nos rodeia não muda e o humor não é ideal, a mente fica esgotada ou saturada.

Nesse estado de confinamento, qualquer processo cognitivo se torna muito difícil. Por exemplo, lembrar um novo número de telefone se torna um desafio.

As circunstâncias atuais não nos permitem tomar boas decisões

Quando a mente está esgotada, não está em boas condições para pensar a longo prazo. Isso se torna evidente especialmente quando se trata de tomar decisões, algo tão importante para nós atualmente. Precisamos planejar nosso futuro, esclarecer que tipo de mudanças ou estratégias devemos implementar.

A pandemia alterou a vida de muitos de nós, tanto a nível pessoal quanto profissional. É no trabalho que costumam surgir os maiores desafios. No entanto, nessas condições, nossa mente se sente incapaz de decidir, planejar, analisar, etc.

Além disso, existem pessoas que têm dificuldade até para entender documentos legais envolvendo auxílios, demissões, adiamentos, etc. Com uma mente esgotada, podemos decidir se queremos tirar uma soneca ou uma xícara de café, mas não pode tomar boas decisões a longo prazo.

Cérebro humano em destaque

Como gerenciar a mente esgotada?

A situação atual nos colocou em um novo território. Não há respostas válidas que sirvam a todos igualmente. O que existem são estratégias simples que podemos experimentar para ver se funcionam para nós.

Cada pessoa enfrenta, interpreta e vive a atual pandemia de uma maneira, mas além da experiência que cada um tem se tratando de adversidade, há algo inegável: essas circunstâncias são difíceis para todos nós.

Portanto, ao lidar com a mente esgotada, podemos refletir sobre as seguintes ideias:

  • O esgotamento mental é uma situação comum em novos contextos que implicam uma alta carga emocional e estresse. Não devemos medicalizar algo que é normal nessas circunstâncias.
  • Pode não ser um bom momento para tomar decisões importantes a longo prazo. É hora de focar apenas no presente e, acima de tudo, no nosso bem-estar, em nos dar o que precisamos quando precisamos. Focar no aqui e agora reduz a carga mental e a preocupação.
  • Devemos nos acostumar a fazer e pensar uma coisa de cada vez. A mente fica esgotada quando se ocupa de várias coisas: o que temos que fazer, o que nos preocupa, o que nos assusta, o que fizemos ontem e o que vai acontecer hoje.

Então, vamos passo a passo. Se estou tomando café da manhã, me concentro em comer de maneira relaxada. Se estou trabalhando em home office, me concentro no trabalho. Caso eu tenha que decidir alguma coisa, decidirei em um momento específico do dia em que eu possa me dedicar exclusivamente a isso.

Por último, mas não menos importante, é necessário dar espaço às nossas emoções. Aceitar cada sensação, sentimento e emoção sem julgar a nós mesmos é essencial para a saúde. Não conseguiremos estar 100% bem todos os dias, às vezes nem mesmo 50%. No entanto, podemos ter calma para dar algum alívio à nossa mente.