A felicidade é hereditária?

Existem aqueles que tendem a ser alegres e aqueles que atraem tempestades emocionais. A que se devem essas diferenças e como elas influenciam a nossa capacidade de sermos felizes?
A felicidade é hereditária?

Última atualização: 23 Agosto, 2021

Algumas pessoas mostram uma predisposição para a felicidade desde o nascimento. São crianças alegres, cheias de vida e risonhas que crescem e se tornam adultos otimistas, enérgicos e resilientes. Aqueles que não pertencem a essa afortunada categoria podem se perguntar: como eles fazem isso? A felicidade é hereditária e eles ganharam na loteria genética? Esta é a pergunta que tentaremos responder a seguir.

O interesse em estudar a origem da felicidade já existe há décadas. Esta é a maior aspiração de todos os seres humanos: alcançar um alto nível de bem-estar subjetivo. No entanto, a satisfação com a vida varia muito de uma pessoa para outra, tornando alguns indivíduos mais vulneráveis à ansiedade, depressão ou apatia. As últimas descobertas científicas lançaram alguma luz sobre isso.

A felicidade é hereditária

Após várias pesquisas, chegou-se à conclusão de que a felicidade tem um componente genético. Algumas descobertas ligaram o chamado gene transportador de serotonina (5-HTTLPR) a esse sentimento subjetivo de felicidade. Assim, foi constatado que aqueles que apresentam uma determinada versão desse gene relatam ter uma maior satisfação com a vida.

Além disso, essa característica também foi associada a diferenças no processamento emocional entre algumas pessoas e outras. Desse modo, determina-se a tendência de processar seletivamente estímulos emocionais positivos ou negativos, podendo influenciar a vulnerabilidade à depressão e a manutenção dessa patologia.

Por outro lado, algumas pesquisas descobriram que certas variantes genéticas estão relacionadas ao bem-estar subjetivo, sintomas depressivos e neuroticismo. Em outras palavras, uma predisposição a certos estados de espírito já está marcada em nosso DNA.

DNA

Como os eventos da vida afetam a felicidade?

Embora pareça claro que a felicidade é hereditária até certo ponto, nossos genes só a determinariam em 50%.

Essa tendência com a qual nascemos determina um nível basal de felicidade que varia de um indivíduo para outro e é aquele ao qual retornamos depois de vivenciar eventos incomuns. Tendemos a pensar que aquele término recente nos deixará infelizes para sempre ou que ganhar na loteria nos tornaria inteiros, mas este não é o caso.

Já houve alguns estudos com pessoas que passaram por acontecimentos chocantes que, à primeira vista, deveriam influenciar muito a sua felicidade, como ganhar na loteria ou ficar paraplégico após um acidente. Paradoxalmente, a felicidade desses indivíduos durou apenas alguns meses, praticamente retornando à sua linha de base com o passar do tempo. Os eventos específicos que vivemos parecem ter uma influência de apenas 10%.

O ambiente tem uma grande influência

Qual é a conclusão que podemos tirar de tudo isso? Grande parte da nossa capacidade de ser felizes é adquirida; isto é, podemos aprendê-la. Os 40% restantes dependem do ambiente que nos rodeia à medida que crescemos e da nossa capacidade de construir a nossa própria felicidade.

As crianças que cresceram sujeitas a abusos ou traumas mostram uma tendência significativa de experimentar humores negativos, mesmo durante a idade adulta; o mesmo é verdade para aqueles que cresceram com pais deprimidos ou sofreram uma perda muito precoce. No entanto, não é necessário citar casos tão dramáticos, já que a educação recebida influencia a nossa satisfação com a vida.

Quando crianças, desenvolvemos padrões de pensamento, emoção e comportamento que tendemos a repetir ao longo da vida. Aprendemos a ser negativos ou otimistas, a nos sentir gratos ou infelizes e a ser resilientes ou presos à tristeza. Por isso, muitos dos adultos que são felizes hoje são felizes porque, desde cedo, receberam as ferramentas para atingir este objetivo.

Menina feliz

Mas e aqueles que não tiveram essa sorte? Felizmente, sempre podemos exercitar a felicidade. Da mesma forma que aprendemos a pensar, sentir e nos comportar de uma maneira, podemos desaprender esses padrões e substituí-los por outros.

Treinar a gratidão e o otimismo, melhorar nossos hábitos de vida e cuidar do nosso diálogo interno são algumas medidas para influenciar uma parte desse sentimento.

Pode interessar a você...
O oposto da depressão não é a felicidade, é a vitalidade
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
O oposto da depressão não é a felicidade, é a vitalidade

O oposto da depressão não é a alegria ou a felicidade, é a vontade de viver. A pessoa com depressão não sente apenas tristeza. Saiba mais aqui!



  • Okbay, A., Baselmans, B. M., De Neve, J. E., Turley, P., Nivard, M. G., Fontana, M. A., … & Rich, S. S. (2016). Genetic variants associated with subjective well-being, depressive symptoms, and neuroticism identified through genome-wide analyses. Nature genetics48(6), 624-633.
  • Sánchez, Á., & Vázquez, C. (2012). Sesgos de atención Selectiva como factor de mantenimiento y Vulnerabilidad a la Depresión: Una Revisión Crítica. Terapia psicológica30(3), 103-117.
  • De Neve, J. E. (2011). Functional polymorphism (5-HTTLPR) in the serotonin transporter gene is associated with subjective well-being: evidence from a US nationally representative sample. Journal of human genetics56(6), 456-459.
  • Brickman, P., Coates, D. y Janoff-Bulman, R. (1978). Ganadores de lotería y víctimas de accidentes: ¿la felicidad es relativa? Revista de personalidad y psicología social, 36 (8), 917–927. https://doi.org/10.1037/0022-3514.36.8.917
  • Herrenkohl, T. I., Klika, J. B., Herrenkohl, R. C., Russo, M. J., & Dee, T. (2012). A prospective investigation of the relationship between child maltreatment and indicators of adult psychological well-being. Violence and victims27(5), 764-776.