Fragilidade emocional, chaves para entender e fortalecer o “eu”

· maio 26, 2018

Fragilidade emocional não tem nada a ver com sensibilidade emocional. Enquanto a última pode ser definida como uma qualidade excepcional do ser humano, a fragilidade responde, acima de tudo, à falta de ferramentas para gerenciar nossos estados internos mais complexos, bem como a uma clara dificuldade em lidar com as dificuldades mais simples da vida cotidiana.

Primeiramente, vamos esclarecer a diferença entre esses dois termos através de um fato importante. Muitas vezes, algumas pessoas conseguem normalizar sua fragilidade emocional explicando que esse é o seu modo de ser, o modo de compreender e viver a vida. “Eu sou uma pessoa sensível e não posso mudar isso” – pode dizer por autodefesa.

A fragilidade emocional nos leva muitas vezes a estados debilitados caracterizados pela ansiedade, o estresse, a depressão…

Devemos entender que a partir do momento em que um comportamento/atitude gera apenas sofrimento, insegurança e falta de controle sobre o próprio ser, desculpas não são válidas, não quando o que alcançamos é infelicidade. Assim, enquanto as pessoas sensíveis têm a seu favor uma visão mais ampla de sua realidade e uma maneira de se conectar melhor com suas necessidades e com as pessoas que a cercam, as pessoas marcadas pela fragilidade emocional têm perspectivas emocionais mais limitadas.

Além disso, esse traço é, em alguns casos, um indicador de algum problema subjacente: transtornos depressivos, ansiedade, má administração emocional, etc. Vale a pena, portanto, aprofundar-nos um pouco mais nessa dimensão.

Rosto de pedra

Fragilidade emocional: causas e características

A American College Health Association publicou há alguns anos um interessante trabalho sobre a fragilidade emocional. Nele foi explicado um fato que, sem dúvida, não deixa de ser preocupante: nossos jovens apresentam uma tendência crescente de depressão, estresse, dependência emocional, e o que é pior: tentativas de suicídio. Por trás dessa evidência, esconde-se uma clara fragilidade emocional e falta de recursos frente às dificuldades mais comuns.

A maioria dessas dimensões psicológicas tem sua origem nos estilos de criação. As famílias das últimas décadas estão cientes de que nossa sociedade exige mais e mais capacidades para se desenvolver nela. Isso fez com que os pais intensificassem seus esforços para completar o treinamento de seus filhos desde crianças.

Eles tentam colocar na ponta dos dedos os melhores recursos para guiá-los ao sucesso, às vezes forçando-os a se sobressair e lembrando-os de quão especiais eles são ou devem ser para ter sucesso. Tudo isso é, sem dúvida, compreensível, mas esta abordagem ignora vários detalhes.

Um dos mais importantes é que eles são protegidos contra falhas, de modo que muitos são incapazes de tolerar a frustração, por menor que seja. Além disso, essas crianças dificilmente aprendem a tomar decisões autonomamente; elas se sentem inseguras e são muito desajeitadas quando se trata de administrar suas próprias emoções. Pouco a pouco, eles percebem que aos olhos dos outros não são “tão especiais” e que lhes faltam habilidades, recursos e estratégias para poder reagir a questões elementares.

Vejamos abaixo quais características as pessoas com fragilidade emocional apresentam.

Mulher triste no campo

Como saber se sou uma pessoa frágil emocionalmente?

Algumas das características que encontramos em pessoas com fragilidade emocional são:

  • Incapacidade de administrar e entender emoções como tristeza, raiva, desapontamento. Sua reação a elas é muitas vezes exagerada.
  • Sensação de vazio constante.
  • Sensação de opressão diante dos problemas mais simples, diante das desavenças, diante de qualquer circunstância que não seja como se espera ou se deseja.
  • Incapacidade de gerenciar a frustração.
  • Dificuldade para controlar a vida.
  • Problemas constantes em suas relações sociais, visão de que todos ao seu redor os desapontam ou traem.
  • Baixa energia, apatia, constante melancolia.
  • Elas são inseguras em quase todas as tarefas, sentindo-se ineficazes e com baixa autoestima.
  • Quando as coisas não saem como elas esperam, querem ou desejam, elas podem reagir com raiva ou violência.

Nossa saúde emocional depende, em muitos casos, da maneira como nos educaram e da qualidade dessas primeiras interações. No entanto, uma má criação ou  uma educação ineficaz não nos determina. Nunca é tarde para vencer a fragilidade emocional.

Estratégias para fortalecer o eu e se levantar como uma pessoa forte emocionalmente

Para entender esse processo no qual podemos nos tornar uma pessoa emocionalmente forte, podemos imaginar, por exemplo, uma xícara de porcelana. Sabemos que é sensível, podemos até ver rachaduras de algum choque já consertado na sua forma. No entanto, este copo de porcelana é tudo, menos frágil; é uma peça única, maravilhosa na sua forma, no seu material e nas suas pequenas imperfeições.

Rosto de menino na água

Portanto, temos o direito de ser sensíveis, mas nunca frágeis. Nós nunca iremos cruzar essa linha onde deixamos todo o nosso “eu” ser fragmentado em pedaços quebrados por onde nossa identidade, valores e belezas interiores escapam. No entanto, como alcançar isso, como se livrar dessas fragilidades que limitam nossa felicidade?

  • Um primeiro passo é tomar consciência de nossas fraquezas emocionais, das lacunas que nos delimitam e que estão causando nosso desconforto. Assim, e por mais curioso que pareça, há trabalhos que apoiam a utilidade da terapia artística ou da arteterapia. É uma maneira sensacional de explorar nossos pensamentos, emoções e nós internos através de cores, telas e desenhos.
  • Um segundo passo é assumir um senso de responsabilidade consigo mesmo. As pessoas frágeis sentem-se vítimas do ambiente, da sociedade, das pessoas ao seu redor. Eles apenas reagem, como a bola que é arremessada contra uma parede e pula de novo e de novo. Em vez de reagir, devemos agir tomando as rédeas e definindo um senso de responsabilidade real e corajosa.
  • Esse senso de responsabilidade exige, por sua vez, deixar de lado nossas experiências passadas e gerar mudanças no presente. Qualquer mudança é acompanhada por uma sensação de medo, mas se pudermos superar estas pedras na estrada todos os dias, perceberemos que estamos mais seguros, donos de nós mesmos.

Para concluir, é claro que esse processo não é simples, e às vezes requer a ajuda de um bom psicólogo. Diante dessa dificuldade intrínseca, lembre-se de que sempre é hora de nos erguermos como pessoas emocionalmente mais fortes. Vamos moldar nosso copo de porcelana, para torná-lo uma peça única, forte e bonita.