A gagueira: um fenômeno incompreendido

· agosto 15, 2018

A gagueira é definida como uma alteração significativa na fluência da fala. A pessoa afetada repete sílabas, palavras ou frases involuntariamente. Isso faz com que a sua mensagem oral seja sistematicamente interrompida.

A gagueira ou disfemia é uma fonte de angústia e sofrimento para aqueles que sofrem com ela. Esse problema não tem a ver com as deficiências físicas. O dispositivo da fala funciona normalmente. No entanto, a pessoa que gagueja acha impossível controlar a sua forma de falar. Os fatores que levam a isso são psicológicos e, possivelmente, genéticos.

“Não me diga para relaxar e respirar, apenas me olhe e me escute”.
-J.Ll. Santiago-

Frequentemente, os primeiros sinais aparecem na infância. No entanto, é preciso ser muito cauteloso com isso. É normal que em certas idades haja repetições na linguagem, sem que isso signifique que a criança está gaguejando. Daí a importância de aprender a identificar com precisão as características desse problema.

A gagueira fisiológica

Entre os quatro e cinco anos de idade, as crianças passam por um estágio de desenvolvimento da linguagem que tem sido chamado de gagueira transitória. Durante esta fase, as crianças podem repetir sílabas, palavras ou frases. Elas hesitam na hora de falar e há lapsos de silêncio, nos quais parece que não sabem como dizer o que desejam.

Criança aprendendo palavras

Isso é perfeitamente normal. Acontece que nessa idade o pensamento está mais desenvolvido que a linguagem. Em outras palavras, existem mais ideias e conteúdos na mente do que recursos linguísticos para expressá-las. Isto é o que leva a repetições e dúvidas.

É muito importante deixar a criança viver esta fase como algo normal. Quando os pais são excessivamente severos e punem ou censuram a criança por falar assim, podem deixar uma marca indelével. Na verdade, é uma das origens da gagueira crônica. Ou seja, a falta de fluência na fala persiste mesmo em idades avançadas.

As características da gagueira

A ciência não tem uma resposta convincente para as causas da gagueira. O que se sabe é que afeta quatro vezes mais homens do que mulheres e geralmente se manifesta entre 3 e 6 anos. Também é possível que ocorra na idade adulta, após ter tido uma fala normal.

A gagueira pode ser leve ou grave. Também recebe o nome de episódica ou crônica. Na gagueira leve ou episódica, somente a fluência da fala é perdida em determinadas situações. Particularmente em situações estressantes ou quando a pessoa está muito angustiada. Na gagueira severa ou crônica, o problema é basicamente constante.

Os diferentes tipos de gagueira foram classificados da seguinte forma, de acordo com as suas características:

  • Gagueira clônica: repetição involuntária de sílabas ou palavras.
  • Gagueira tônica: aparecem espasmos que bloqueiam ou paralisam a emissão de sons. É quase sempre acompanhada de movimentos da cabeça, mãos ou pés.
  • Gagueira mista: ela combina características das duas anteriores. É o tipo mais frequente.

Identificação e tratamento

É importante que uma equipe médica faça o diagnóstico correto da gagueira. A simples observação ou dedução de alguém não especializado pode levar a erros. Da mesma forma, há circunstâncias em que este é um fenômeno passageiro.

Em geral, o diagnóstico da gagueira é feito quando existem essas características:

  • Repetição frequente de sílabas, palavras ou frases após os 5 anos de idade.
  • Gesticulação excessiva ao falar.
  • Sacudir a cabeça no momento de falar.
  • A criança ou o adulto sente vergonha de falar. É por isso que eles começam a ficar silenciosos e a evitar situações sociais.
  • O afetado percebe que tem dificuldade em se comunicar e sofre por isso.
Fonoaudiologia

Como em quase todos os casos, a detecção precoce do problema melhora significativamente as chances de sucesso do tratamento. É mais fácil corrigir a gagueira quando ela começa do que quando ela está presente há anos. De qualquer forma, ainda não há tratamento específico efetivo para superar esse problema.

O habitual é que se faça um tratamento interdisciplinar, dirigido por uma equipe de psicologia. É importante dar confiança e carinho a aqueles que sofrem com a gagueira. Se for uma criança, não é aconselhável corrigi-la ou exigir que ela fale “normalmente”. A pressão só piora as dificuldades da fluência. É um problema superável, com perseverança, esforço e amor.