A gordofobia: o verdadeiro elefante na sala

15 Novembro, 2020
A gordofobia é um dos produtos sociais mais perversos. Por meio dela, podemos passar a temer um elemento tão associado ao nosso ser: nosso próprio corpo.

Viver do outro lado do que é considerado normal por boa parte da sociedade tem um preço muito alto. São dificuldades e barreiras adicionais que surgem sobretudo do plano social, aquele do qual todos nos alimentamos, mas do qual alguns coletam apenas água envenenada. Um elemento básico, disfarçado de sustento, que só produz frustração, dor e distorção da identidade. A gordofobia é um dos fenômenos que surgem diante de pessoas que não têm um Índice de Massa Corporal baixo (IMC).

A gordura tem outros conceitos, módulos ou nós associados a pouco ou nada de positivo. Intuições ou preconceitos nascidos do interesse de quem procura apenas um mercado para se enriquecer. Empresas que procuram outras pessoas para encher os bolsos ou simplesmente para se sentirem melhor em comparação.

Mulher acima do peso feliz

Preconceitos e a origem da gordofobia

Muitas pessoas, quando veem alguém com um IMC superior ao que se considera recomendável, veem também – antecipam – uma pessoa insatisfeita. Elas fazem essa suposição sem saber. Assumem ou presumem que essa é a realidade. Por outro lado, frequentemente também cometemos o erro de presumir que lhes falta força de vontade: o suficiente para não comer certos alimentos ou ir à academia.

Esse olhar tão egocêntrico é reforçado pelo reforço que proporciona. Ver-nos ou posicionar-nos nesta visão nos fornece uma imagem muito positiva de nós mesmos: se tivermos força de vontade, se nos cuidarmos… é por isso que temos um IMC mais baixo. Supomos que o outro não gosta do próprio corpo e que, se ele não quiser mudá-lo, é porque sua vontade é muito frágil e seu espírito muito fraco diante da tentação de uma refeição de fast food.

É muito mais fácil assumir essa linha de pensamento do que aquela de que o outro é assim porque ele quer; teríamos que questionar, então, se todos esses sacrifícios que fazemos são para alcançar algo que realmente queremos também. Além disso, é muito mais fácil presumir que eles não podem mudar, no caso de ser esse o seu desejo, por uma questão de vontade. Esse pensamento alimenta a ideia de que controlamos nosso corpo e de que, fazendo “as coisas certas”, nunca seremos gordos. Porém, a realidade é muito diferente…

Por outro lado, a reação que muitos obesos causam quando se apresentam é de compaixão e tristeza. Semelhante ao experimentado por aquelas pessoas que compartilham uma doença. Em vez de dizer “Prazer em conhecê-lo”, muitas vezes falamos, talvez mais naturalmente, “Sinto muito”, “Anime-se” ou “Você é capaz”. Queremos apresentá-lo àquele conhecido que todos nós temos e que em um momento da sua vida conseguiu se livrar de muitos quilos e não foi vítima de um efeito rebote.

Jovem magro e jovem gordo

Quando esta situação nos machuca

A gordofobia, dentro das fobias, é especialmente limitante. Supõe a rejeição ou a batalha contra algo nosso, contra uma parte de nós com a qual não poderemos deixar de viver. Tentar fazer isso nos prejudicaria, e fazê-lo significaria parar de viver. Porém, não são poucos os que tentam seguir este caminho: dissociam-se ou ignoram o seu corpo, como quem tenta não prestar atenção ao conhecido charlatão que pouco ou nada interessa, por mais que fale.

Ao longo do caminho, o preço pago é muito alto. Essas pessoas se isolam dos sinais do corpo, a dor faz com que fiquem alertas mais tarde – com as consequências que esse fenômeno pode ter no plano médico – e tudo o que é desagradável que vem do corpo é associado com a obesidade. O princípio e o fim de tudo.

Por outro lado, muitas das pessoas obesas com gordofobia desistem de desfrutar de atividades agradáveis, como esportes, um dia na piscina ou um longo banho. Não se trata de que alguém as veja; elas mesmas desejam deixar de se ver, cobrir um corpo que não suportam… ainda mais diante da nudez.

Elas deixam de viver na companhia do seu corpo, em simbiose com ele, e fazem da sua vida um cenário que tem sempre aquela batalha em segundo plano. Muitas vezes uma luta inspirada por um desejo adotado e censura implementada, punida com um dedo crítico que raramente se conjuga com compaixão, compreensão e afeto.