Os hábitos da comunicação que podem destruir uma relação

Os hábitos da comunicação que podem destruir uma relação

2, maio 2015 em Psicologia 0 Compartilhados
comunicação

Com o passar do tempo, a convivência e a relação no dia a dia, as pessoas tendem a utilizar determinados padrões de comunicação que criam estresse e tensão e que, a longo prazo, podem acabar destruindo um relacionamento amoroso, amistoso ou qualquer outra relação que implique respeito mútuo.

O principal desafio é aprender a identificar esses hábitos de comunicação, dar-nos conta do dano que causam e do modo como envenenam uma relação para, então, aplicar uma solução.

Livre-se destes hábitos de comunicação

1: Virar os olhos quando o outro fala

Esse é um gesto que pode ser interpretado como desinteresse, ainda que, na realidade, possa acontecer por muitos outros fatores. A pessoa que produz o discurso pode se sentir ignorada ou menosprezada. No contexto de uma repreensão, se isso acontecer, provavelmente o discurso será mais agressivo e a pessoa que o recebe e que virou os olhos mostrará ainda mais sinais de querer abandonar a conversa.

Não devemos nos esquecer de que a comunicação é um círculo que, normalmente, segue o padrão ação e reação; é a sucessão dessas ações e reações o que favorece o desenvolvimento de hábitos comunicativos adequados ou inadequados. Por isso, em terapias, uma das primeiras coisas que se tenta conseguir quando se percebe uma escalada negativa na comunicação é, precisamente, romper esse círculo.

2: Ir embora quando o outro está falando

Seguindo o exposto no item anterior, esse é outro dos gestos que a pessoa que emite o discurso pode interpretar como uma prova de desinteresse por parte da outra pessoa. Uma boa comunicação termina quando, de alguma maneira, as pessoas que participam dela colocam um fim e não quando um decide sozinho encerrá-la.

Muitas vezes, são as habilidades sociais que possuem um papel importante nesse tipo de situações. Simplesmente, a pessoa que vai embora precisa de uma pausa para pensar sobre tudo o que foi dito na conversa. Entretanto, escolhe uma forma ruim de solicitar essa pausa; se dissesse à outra pessoa que precisava dessa pausa, provavelmente ela entenderia e não teria chegado a uma interpretação negativa da situação.

3: Beijos de rotina

Mesmo que possa parecer um ato insignificante, os beijos automáticos podem estragar e sujar uma relação quando acontecem continuamente ou são os únicos. No contexto do casal, o beijo é a manifestação de amor mais poderosa, principalmente quando ato de beijar vai acompanhado de outros gestos que convertem o ato de beijar em um momento de cumplicidade e intimidade. Tirar o seu sentido é perder uma das melhores formas de união do casal.

4: Menosprezar o que o outro sente

Os sentimentos são próprios de cada um e ninguém tem o direito de julgar o que sentimos, nem muito menos menosprezar esses sentimentos ou burlá-los.

Tanto faz considerar irracional ou absurdo os sentimentos dos outros; não é uma questão de razão, mas de aceitação e validação. É a mesma coisa que uma das pessoas que participa da conversa pensar, por exemplo, que a outra não tem motivos para ter medo de alguma coisa. O fato é que a pessoa sente medo e, se isso for ignorado ou desvalorizado, a conversa acabará sendo muito frustrante, porque será como se os dois falassem idiomas diferentes.

5: Não admitir um erro e não se desculpar

Não reconhecer os erros e se negar a pedir desculpas para defender as ações, ainda que estejam erradas, só piora as coisas. Simplesmente, quando se reconhece o erro, pode-se dizer “me desculpe” ou, pelo menos, um “sinto muito” honesto. Além disso, não devemos esquecer que reconhecer uma falha também traz a possibilidade de que uma pessoa expresse à outra que está à disposição para entender seus sentimentos.

6: Falar com sarcasmo

O sarcasmo é uma brincadeira amarga, ainda que, por vezes, possa parecer divertida. Ela pode confundir e, inclusive, ofender o outro. É, no fundo, uma falta de respeito com a outra pessoa, porque implica depreciação ou desvalorização. O sarcasmo fere porque trai a confiança que uma pessoa deposita na outra.

7: Discutir pelo que se disse ou se deixou de dizer, ou por quem tem culpa

As discussões sem sentido que buscam culpar o outro não levam a lugar algum. Algumas vezes, é como se tivéssemos uma vontade imensa de discutir e agarramos a primeira pessoa que encontramos para transformá-lo em um saco de boxe. E como temos raiva, muitas vezes não medimos a força nem o sentido com o qual socamos. Isso acontece com frequência quando nos sentimos mal sem saber muito bem o motivo, e criamos uma discussão com alguém para justificar nossos sentimentos.

Iniciar uma discussão sem sentido é muito perigoso, já que a pessoa com a qual se inicia tem poucas pistas para identificar nossos verdadeiros sentimentos, e não é nada fácil ser empático. Por isso, nesses momentos, valoriza-se tanto uma batidinha nas costas e uma frase como “sei que está tendo um dia de cão”. Isso pode não somente parar uma discussão, como também, com frequência, mudar o dia inteiro. A carga já não será tão pesada, porque, de alguma maneira, será compartilhada.

Assim, um esforço para melhorar esses hábitos de comunicação tão prejudiciais pode melhorar muito não somente relações amorosas, como também relações amistosas, com nossos filhos, com a família. Esforço quer dizer que, não vai ser fácil e a inércia não vai ajudar, mas normalmente vale a pena.

Recomendados para você