É possível herdar doenças mentais?

dezembro 19, 2018

É possível herdar doenças mentais? Essa é uma pergunta que talvez você já tenha feito a si mesmo, principalmente se há algum caso de transtorno mental na sua família. A questão é que várias pesquisas demonstram que determinados transtornos têm uma significativa carga genética.

Em contrapartida, as pesquisas ainda não conseguiram decifrar todos os questionamentos sobre como essa carga genética age ou influencia. A ciência avança lentamente. Pouco a pouco, vamos sabendo mais sobre a transmissão hereditária das doenças mentais, embora ainda haja muito a se descobrir.

Hoje entendemos a doença, ou melhor, a saúde em geral, como um produto da interação entre a genética e o ambiente. Além disso, sabemos que em muitos casos o que se herda não é a doença, mas a suscetibilidade a desenvolvê-la.

É possível herdar doenças mentais? Essa é uma das perguntas que pessoas com familiares que têm algum transtorno mental mais costumam fazer.

Quais fatores condicionam a nossa saúde?

O aparecimento da doença vai depender de muitos fatores. Isso acontece mesmo em casos de hereditariedade de caráter dominante. Assim, pode ser que você passe a vida toda sem que a doença se manifeste caso não ocorram fatores desencadeantes (a fagulha que acende o fusível que carrega a carga genética).

Dessa forma, falamos de probabilidades. Assim, não existe a certeza de que o filho de uma pessoa com doença mental vai manifestar a mesma doença. Em contrapartida, é possível prever que as chances de sofrer dessa doença serão maiores. E se o pai e a mãe tiverem a mesma doença, as chances aumentam ainda mais.

Vamos ver a seguir qual é a probabilidade de herdar algumas das doenças mentais mais conhecidas.

Mulher com transtornos de saúde mental

Probabilidade de herdar doenças mentais: esquizofrenia

A esquizofrenia é uma doença mental grave que afeta algumas funções cerebrais, como o pensamento, a percepção, as emoções e a conduta. Em relação aos seus sintomas, estão classificados nos transtornos psicóticos, aqueles em que os pacientes perdem o contato com a realidade.

Estima-se que 1% da população sofra de esquizofrenia. Também se estima, a partir de vários estudos, que entre os descendentes de pai e mãe esquizofrênicos, 40% vão manifestar a doença. Outros 15% terão anomalias psíquicas, embora não seja a mesma doença.

Entre os gêmeos bivitelinos, a porcentagem de incidência se mantém. Entre os univitelinos, a probabilidade é de 80%. Considera-se que se trata de uma hereditariedade de tipo recessivo, com penetração incompleta do gene ou dos genes portadores.

Probabilidade de herdar um transtorno bipolar

O transtorno bipolar é uma doença grave devido ao perigo e à incapacidade associados. Também é conhecido como doença maníaco-depressiva ou depressão maníaca. As pessoas com transtorno bipolar se caracterizam por apresentar mudanças incomuns no humor. Dentro das doenças mentais, é uma das mais temidas.

As pessoas com transtorno bipolar às vezes se sentem muito felizes e “animadas” e são muito mais enérgicas e ativas do que o habitual. Isso se chama episódio maníaco. Outras vezes, as pessoas com transtorno bipolar se sentem muito tristes e “deprimidas”, com pouca energia e ficam muito menos ativas do que o habitual. Isso se conhece como episódio depressivo.

O transtorno bipolar incide em 0,4% da população. O risco de ter a doença aumenta quando os pais a apresentam. Entre os univitelinos, a probabilidade é de 95%. Parece se tratar de uma hereditariedade de tipo dominante, com penetração incompleta do gene.

Qual a probabilidade de herdar oligofrenia?

A maioria das oligofrenias profundas (80%) se deve a causas exógenas. Ou seja, acidentes ou doenças na vida intrauterina ou na primeira infância. Portanto, não são hereditárias.

Nas oligofrenias leves ou de média intensidade, 80% estão vinculadas à hereditariedade. São filhos de pessoas com baixo quociente de inteligência. Quando o pai e a mãe são oligofrênicos, 80% dos filhos apresentam atraso mental. Apenas 40% o apresentam quando somente o pai ou a mãe são oligofrênicos.

Um fator negativo é que com frequência os oligofrênicos se unem entre si e, portanto, a probabilidade relacionada à genética aumenta. Isso acontece porque é muito difícil encontrar casais em que a diferença de QI seja muito grande. O modo de transmissão é de tipo recessivo. Herdar doenças mentais como a oligofrenia é possível, embora a maioria dos casos se deva a causas exógenas.

O que acontece com outras doenças mentais, como a neurose?

A neurose é uma reação anormal a vivências, fruto das circunstâncias e, portanto, não vinculada à carga genética. A sobrecarga de neurose em uma mesma árvore genealógica pode ser explicada pela “falsa hereditariedade”. É um reflexo produzido como consequência do “contágio emocional” em um contexto familiar propício a isso.

Mulher triste deitada

Existem antecedentes hereditários em 70% dos casos de neurose. As probabilidades com gêmeos univitelinos são de 83%. No entanto, com gêmeos bivitelinos elas caem para 23%. Assim, a hipótese de “contágio emocional” seria questionável.

Dentro da indiscutível psicogenia da neurose, parece haver um fundo constitucional. Ou seja, parece existir uma predisposição a reagir neuroticamente frente a vivências patogênicas. Como vemos, sim, é possível herdar doenças mentais. Algumas apresentam maiores probabilidades do que outras de serem herdadas. Os estudos sobre gêmeos e os históricos familiares demonstraram que as doenças de saúde mental têm uma contribuição genética variável.