A importância da socialização para o desenvolvimento do cérebro

janeiro 26, 2019

Somos seres sociais e, como tal, sabemos da importância da socialização para sobreviver. A nossa condição humana é definida pela cultura, e ela não se desenvolve isoladamente. Inclusive, podemos dizer que interagir com as outras pessoas é a melhor maneira de desenvolver plenamente o cérebro.

Portanto, é muito importante estabelecer relações de amizade e companheirismo. Não apenas para manter a saúde emocional, mas também para manter o cérebro o mais ativo possível. Dessa forma, todas as pessoas sociáveis geralmente favorecem a saúde do seu cérebro. Esta característica protege o seu cérebro contra o declínio cognitivo e a demência.

Estudos recentes em antropologia biológica demonstram a importância da socialização para o desenvolvimento evolutivo do cérebro. Sem as relações sociais, não teríamos nos atualizado até sermos quem somos. Além disso, infelizmente, há casos muito ilustrativos sobre o que acontece quando alguém passa os seus primeiros anos de vida isolados. Entre esses casos, encontramos aquelas que são conhecidas como “crianças selvagens“.

Os benefícios da socialização para o desenvolvimento do cérebro e os efeitos negativos da sua falta serão discutidos com mais detalhes abaixo.

Amigos unidos abraçados

A socialização na origem do ser humano

O ser humano é o animal com o cérebro mais complexo. Um órgão que nos permite desenvolver um sistema de comunicação através da linguagem. Além disso, também nos dá a possibilidade de tomar decisões complicadas, criar objetos com as próprias mãos e até mesmo dominar outras espécies e o ambiente.

Segundo Daniel White, especialista em evolução cerebral, o que permitiu esse grande desenvolvimento cerebral foi a socialização. Para o especialista, a vida na sociedade impulsionou a nossa evolução cerebral.

As diferentes situações ambientais e sociais estimularam o cérebro a desenvolver processos superiores. Isso resultou em cérebros com maior capacidade de memorização, maior precisão para direcionar as mãos e o uso e desenvolvimento da linguagem (todos os fatores evolutivos que facilitaram as nossas vidas nos últimos 300.000 anos).

A importância da socialização para o desenvolvimento do cérebro pode ser vista quando se compara a maturação do cérebro humano com o caso de outros primatas. O cérebro de um chimpanzé amadurece durante a gestação e, quando nasce, o seu cérebro já está praticamente formado. Aos dois anos, o cérebro dos chimpanzés já atingiu o volume do cérebro adulto.

No caso do ser humano, a maturação do cérebro se desenvolve entre o período de gestação e vai além dos dois anos de vida. Assim, o nosso cérebro atinge o volume de um adulto aos 7 anos de idade, quando a criança, menino ou menina, já deve estar preparada para as primeiras interações sociais simples.

No entanto, embora não se torne maior em tamanho, o cérebro humano continua a ser moldado até os 25 anos, período em que a socialização desempenha um papel muito importante. De fato, é tão importante que tem uma influência decisiva na maturação do cérebro.

Efeitos da falta de socialização no cérebro durante a infância

A falta de socialização afeta a maturação do cérebro de diferentes maneiras. É tão prejudicial que afeta e atrasa o desenvolvimento do cérebro em geral, especialmente nos primeiros anos de vida. Assim, a ausência de relações sociais de qualidade não afeta apenas o humor e o comportamento, mas também a saúde cognitiva e as habilidades motoras.

A falta de socialização tem efeitos mais sérios no estágio infantil. Nos primeiros 10 anos de vida, o ser humano adquire e aperfeiçoa muitos dos seus processos psicológicos superiores, como a linguagem. Exemplos destes efeitos prejudiciais são os casos das “crianças selvagens”.

O caso de Genie mostra a experiência de uma garota aprisionada por seus pais durante os seus primeiros 13 anos de vida. Ela não tinha nenhum tipo de estimulação emocional ou socialização. Isso impediu que a menina adquirisse o manejo de uma linguagem complexa, apenas gesticulava e emitia alguns sons em resposta a estímulos externos. Apesar de ter 13 anos quando começou o seu tratamento, nunca conseguiu lidar com qualquer linguagem complexa fluentemente.

Outro caso é o da criança selvagem de L’Aveyron, que ocorreu em 1800. Um menino de 12 anos apareceu no pequeno povoado de Aveyron, na França, subindo em árvores e correndo nu. Como Genie, ele não falava e, além disso, andava de quatro como chimpanzés. Ele havia sido abandonado ou seus pais morreram quando ele era muito pequeno. Por isso, ele não se envolveu em nenhum tipo de socialização.

Esses dois casos são apenas exemplos particulares do que a ausência de socialização pode significar para o desenvolvimento do cérebro. Além disso, eles falam sobre as janelas de desenvolvimento que nosso cérebro possui, nas quais há uma predisposição para adquirir certas habilidades complexas, como a linguagem.

A falta de socialização pode ser prejudicial

Importância da socialização para o cérebro

Já vimos a importância da socialização para o desenvolvimento do cérebro. A socialização fornece tanto saúde emocional quanto estímulos para o cérebro, propondo desafios e o mantendo ativo. Esses processos de socialização são vitais, especialmente na idade mais avançada da vida, para evitar a deterioração mental causada pela baixa atividade mental.

Para garantir esses benefícios, devemos tentar, dentro do possível, ser pessoas sociáveis. Esta socialização com outras pessoas deve preferencialmente ser feita oralmente, embora também tenha certos benefícios fazê-lo através da escrita.

As pessoas que passam boa parte do tempo isoladas podem tomar certas medidas para evitar perder os estímulos gerados pelo contato social:

  • Organizar reuniões com amigos e familiares com mais frequência. Mesmo chamadas telefônicas longas e periódicas podem causar o mesmo efeito.
  • Participar de um clube ou organização para fazer atividades particulares e fazer novos amigos. Dessa forma, você manterá o seu corpo e suas mãos ocupados, enquanto ativa o seu cérebro ao socializar.
  • Também é altamente recomendável fazer novas atividades e, assim, conhecer novas pessoas de diferentes ambientes do que o habitual.
  • Evite o isolamento social, saia para conversar e trocar ideias com pessoas conhecidas e desconhecidas.
  • Estabelecer amizade com pessoas de diferentes idades ou gerações. Os adultos mais velhos podem se beneficiar pela rapidez mental e física dos mais jovens. E os mais novos podem aprender coisas novas com os idosos.
  • Ter um relacionamento amoroso estimula o nosso cérebro de várias maneiras. Se o relacionamento não for uma causa de sofrimento intenso e constante, pode ser muito benéfico.
  • Procure ajuda de profissionais se a situação de isolamento for severa. Linhas telefônicas de ajuda e centros sociais são uma boa opção para começar. O apoio de um psicólogo pode ser de grande ajuda.

Dessa maneira, o desenvolvimento e a ativação do cérebro sempre estarão assegurados. Para os mais jovens, o cérebro amadurecerá graças à socialização. Para os idosos, o cérebro permanecerá ativo e não se deteriorará mais rapidamente graças à socialização. Afinal, os seres humanos são seres sociais. Então, por que não incentivar e proporcionar a socialização para beneficiar a saúde do nosso cérebro?