A incompreensão do sofrimento mental

Os transtornos psicológicos e, especificamente, seus quadros clínicos, são verdadeiros desafios para as pessoas que os sofrem. Falaremos sobre as variáveis ​​em torno da pessoa com transtorno mental que muitas vezes não são levadas em consideração.
A incompreensão do sofrimento mental

Última atualização: 17 Maio, 2021

Estima-se que cerca de 10,8% da população tenha um diagnóstico de transtorno mental. Este número, por si só alarmante, aumenta significativamente se levarmos em consideração as pessoas institucionalizadas e aquelas que, embora apresentem sintomas, não se consultaram ou não receberam um diagnóstico. Portanto, é paradoxal que ainda haja um mal-entendido geral sobre o sofrimento mental.

Cada vez mais ouvimos falar de doenças como depressão ou ansiedade crônica (algo de se esperar se levarmos em conta sua alta prevalência). Aparentemente, a sociedade está admitindo a existência desses quadros clínicos e o impacto que eles têm na vida dos que os apresentam.

No entanto, ainda não sabemos como lidar com eles de forma adequada quando aparecem em nosso ambiente próximo. Essa falta de empatia, conhecimento ou recursos leva as pessoas que sofrem com eles a enfrentar também a incompreensão, o julgamento e o sentimento de solidão.

Mulher desanimada na cama

A incompreensão do sofrimento mental por parte do ambiente próximo

Sofrer de transtornos de ansiedade, transtornos do humor, transtornos alimentares ou qualquer outra patologia mental é um desafio. Não só pelas consequências diretas derivadas da doença, mas também pela dificuldade em encontrar o suporte necessário.

Infelizmente, muitas vezes os mal-entendidos começam com os próprios profissionais de saúde: seja pelo tempo limitado de consulta disponível nos serviços públicos, pelo diagnóstico errado ou pelo peso excessivo dado aos medicamentos em comparação com as poucas possibilidades de psicoterapia disponíveis.

Em resumo, muitas pessoas não encontram a orientação e o apoio profissional de que precisam. Às vezes, são diagnosticadas com ansiedade, depressão ou qualquer outro rótulo sem levar em conta que, muitas vezes, suas reações são compreensíveis e esperadas no contexto da sociedade em que vivemos.

No entanto, é a incompreensão do sofrimento mental pelo ambiente próximo que mais afeta. As reações de familiares, amigos, conhecidos e colegas nem sempre são as mais adequadas. Assim, diferentes posturas tendem a se manifestar:

Minimizar o problema e invalidar as emoções

A reação imediata e natural de muitas pessoas ao ouvir a história de quem sofre do transtorno é minimizá-la. Assim, utilizam frases como: “você esta fazendo tempestade em copo d’água”, “todos nós temos problemas”, ou “é só uma fase ruim, vai passar”. Mas isso, longe de ajudar a pessoa a relativizar, apenas a faz se sentir mais sozinha, incompreendida e invalidada.

Culpar a pessoa doente

Outra resposta muito comum é culpar a pessoa doente pela sua condição. “Você tem uma atitude muito negativa, então nunca vai sair dessa”, “você não faz nada o dia todo, você tem que sair e se distrair”, “você não come porque não quer”… Estas e outras afirmações frequentes apenas refletem a incompreensão do sofrimento mental que ainda está presente. Longe de serem inofensivas, aumentam notavelmente o sofrimento emocional da pessoa.

Estigmatizar

Existe outra postura igualmente prejudicial. Consiste em estigmatizar a pessoa, passando a defini-la pela sua doença e não por quem ela é. Em vez de sentir empatia por ela, recomenda apenas que procure ajuda profissional. Ou seja, a responsabilidade pelo cuidado é delegada e o indivíduo fica sozinho diante dos seus problemas.

Homem preocupado

Como evitar a incompreensão relacionada ao sofrimento mental?

Para evitar tudo isso, muitas pessoas com distúrbios psicológicos optam por ocultar sua condição e demoram a procurar ajuda. Portanto, se alguém no seu ambiente está nesta situação, aplique as seguintes medidas:

  • Ouça. Tenha um interesse genuíno no que a pessoa pensa, sente e experimenta para entendê-la.
  • Tenha empatia. Em vez de julgá-la ou culpá-la, tente se colocar no lugar dela e tratá-la como gostaria de ser tratado.
  • Seja paciente. Os distúrbios psicológicos podem levar as pessoas a ficarem irritadas ou a agirem de maneira dolorosa ou incompreensível. Lembre-se de que o maior sofrimento está sendo sofrido por elas.

É verdade que a ajuda profissional é essencial em muitas ocasiões. Portanto, é positivo que você incentive essa pessoa a utilizar os recursos de que dispõe. No entanto, o suporte do entorno próximo é essencial. Portanto, envolva-se e coloque-se à disposição para acompanhá-la no processo. Receber compreensão e apoio aumenta significativamente as chances de recuperação.

Pode interessar a você...
O ataque de pânico e a incompreensão social
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O ataque de pânico e a incompreensão social

Ninguém escolhe ter um ataque de pânico. A incompreensão social tecida em volta destes transtornos intensifica ainda mais a sensação de angústia e ...



  • Ministerio de Sanidad, Consumo y Bienestar Social. (2017). Encuesta Nacional de Salud ENSE. Recuperado marzo de 2021, de https://www.mscbs.gob.es/estadEstudios/estadisticas/encuestaNacional/encuestaNac2017/SALUD_MENTAL.pdf
  • Ezquiaga Terrazas, E., García López, A., Díaz de Neira, M., & García Barquero, M. J. (2011). ” Depresión”: Imprecisión diagnóstica y terapéutica. Importantes consecuencias en la práctica clínica. Revista de la asociación española de neuropsiquiatría31(3), 457-475.