Como pessoas inteligentes lidam com pessoas tóxicas

· setembro 27, 2018

A forma como as pessoas inteligentes costumam lidar com pessoas tóxicas diz muito sobre suas habilidades psicológicas. Elas não se deixam dominar, sabem impor limites e são conscientes do impacto que essas dinâmicas desgastantes têm na própria saúde.

Assim, um dos melhores presentes que podemos dar a nós mesmos é aprender a aplicar todas as estratégias que esse tipo de perfil coloca em prática.

Alguns sociólogos e especialistas em Psicologia Social se arriscam a dizer que vivemos em tempos com um alto grau de toxicidade. Somos conscientes de que estamos acostumados a escutar esse termo em excesso e de que, às vezes, não sabemos onde está o limite.

Agora, se há algo que está claro é que vivemos um momento marcado pela instabilidade e pela incerteza. Tudo isso está difundido em muitos de nossos contextos cotidianos.

As pessoas tóxicas não somente agridem emocionalmente os outros, mas também são uma ameaça para a saúde. Além disso, algo que se vê com frequência é o fato de que quando o comportamento tóxico se enraíza em um ambiente, seus membros acabam executando comportamentos nocivos e cínicos.

Tanto é assim que, como revelam vários estudos, existe um cenário em que o comportamento tóxico é comum: o trabalho. Especialmente nos ambientes de trabalho em que a produtividade é fundamental. É nesse contexto que aparecem a desconfiança, a competição, a inveja, a frustração e outros danos pessoais que ameaçam todo o bem-estar sistêmico da organização.

No entanto, como sabemos, também não falta esse tipo de presença no âmbito familiar. Pessoas que, por sua personalidade ou situação particular, têm comportamentos prejudiciais em relação aos seus filhos ou parceiros. Nesses últimos casos, o impacto e o desgaste podem ser ainda maiores porque um componente emocional é adicionado: há um vínculo de proximidade.

Como lidar com pessoas tóxicas

Quais são as estratégias das pessoas inteligentes para lidar com pessoas tóxicas?

Lidar com pessoas tóxicas envolve uma série de fatores. O primeiro é a simples e óbvia concepção de que todo comportamento tóxico carece de lógica. Entender isso nos ajudará muito porque deixaremos de dar tanta relevância a uma série de atos e palavras que não têm sentido, os quais pretendem quase que exclusivamente projetar o mal-estar, a frustração e as emoções negativas sobre alguém.

Em segundo lugar, há um aspecto que não podemos deixar de lado. Como foi revelado por um trabalho do Departamento de Psicologia Clínica e Biológica da Universidade Friedrich Schiller, na Alemanha, a exposição contínua a essa série de dinâmicas afeta nossa saúde cerebral.

Sentimos mais estresse, ansiedade, exaustão e problemas para nos concentrar e pensar com clareza. Ter esse detalhe claro desde o princípio nos estimulará a estabelecer limites adequados. Vamos ver, portanto, como as pessoas inteligentes lidam com as tóxicas através dos seguintes aspectos.

Elas se concentram em soluções, não em problemas

Quando uma pessoa tóxica faz parte do nosso contexto, vivemos em ameaça constante. É como ver diariamente as barbatanas de um tubarão rondando em torno de nós. Assim, e de certa forma, nos preocupamos mais com a presença, com o que dizem e o que não dizem, com o que fazem e o que não fazem, do que em aplicar estratégicas para que essa presença não nos afete tanto.

As pessoas inteligentes são mais orientadas a buscar soluções do que a focar no comportamento tóxico. Quando algo as inquieta ou incomoda, reagem imediatamente.

É preciso impor limites o mais rápido possível

Já sabemos que é preciso ter uma boa capacidade de resposta. Entretanto, qual tipo de ação devemos tomar para frear o comportamento tóxico? Bom, o que devemos saber é que, nesses casos, nem sempre é possível fugir ou impor uma distância.

Assim, deve-se colocar limites, barreiras de proteção. Para isso, você precisa deixar claro para a pessoa em questão que os atos dela têm consequências. Que nem tudo é permitido, que certos comportamentos agridem e criam ambientes negativos.

Devemos deixar claro desde o princípio quais são nossas linhas vermelhas, aquelas que não vamos permitir que ultrapassem.

Razão e emoção

Controle emocional adequado

Temos que ser plenamente conscientes de nossos estados emocionais. Se sentimos desgaste ou exaustão psicológica, devemos administrar essa situação. Em primeiro lugar, é importante entender que ninguém deveria nos tirar a alegria ou a calma. Em segundo, não podemos dar muita relevância em nossa vida a quem simplesmente não conquista seu lugar nela.

Uma vez que nem sempre é possível impor uma distância física, o melhor é colocar uma distância emocional, abrir nossos guarda-chuvas e nos protegermos.

A empatia cognitiva frente à pessoa tóxica

Aplicar a empatia cognitiva sempre será preferível do que a empatia emocional ao lidar com pessoas tóxicas. O que queremos dizer com isso? Simplesmente que é bastante recomendável ser capaz de entender pelo que a pessoa pode estar passando. Talvez, por trás dessa face e dessas dinâmicas exaustivas, haja alguém com uma depressão encoberta. Ou alguém com autoestima baixa ou com problemas pessoais.

A empatia cognitiva nos permite compreender realidades alheias sem sermos tomados por suas emoções. Isso é, sem dúvida, algo extremamente recomendado. É uma estratégia que define o modo como pessoas inteligentes lidam com as tóxicas.

Atrair coisas positivas para a vida

Cuidam da sua saúde e bem-estar

Podemos ter uma ou várias pessoas difíceis à nossa volta. Podemos, inclusive, aprender a lidar com pessoas tóxicas de maneira eficaz. No entanto, há algo que não podemos perder de vista um único dia: nossa própria saúde. Por isso, devemos dar prioridade à nossa alimentação, ao descanso e ao lazer.

Aprender a se desconectar e a não pensar nesses perfis psicológicos nos permitirá ganhar em qualidade de vida. É claro que isso não é algo fácil de fazer, já que estamos falando de pessoas especialistas em criar barreiras. Entretanto, se fizermos, seremos pessoas inteligentes que sabem viver acima dessas circunstâncias.