Jogar a vaca no barranco, uma história para refletir

julho 28, 2019
Nesta bela história há um mestre zen e um discípulo que deseja aprender os segredos da vida. Os dois empreendem uma viagem sem rumo definido, e a primeira lição é bastante desconcertante para o aprendiz.

Esta bela história para refletir começou em um local distante, mais exatamente onde estava sendo construído um monastério de sacerdotes budistas. Um dia, um jovem inquieto que queria aprender com os mestres chegou ao local.

Seu desejo era se tornar sábio e conhecer os mecanismos que regiam as vidas que eles levavam. Os sacerdotes e mestres o receberam felizes.

O jovem passou um tempo realizando atividades de serviços para todos. Limpava os estábulos, servia a comida e não deixava o pó se acumular. Também ficou responsável por alimentar os animais, cuidar deles e zelar pelo seu bem-estar.

Passado algum tempo, os mais sábios do local se deram conta de que o jovem era humilde e obediente. Assim, decidiram que havia chegado o momento de promovê-lo.

Segundo essa bela história para refletir, um dos sacerdotes mais sábios foi designado para se encarregar da formação do jovem. O discípulo estava feliz.

O mestre lhe disse que deviam sair para viajar pelo mundo, já que os grandes segredos da vida seriam encontrados no caminho. Prepararam algumas provisões e peças de roupa e saíram bem cedo com um destino incerto.

“Não podemos nos tornar o que queremos ser permanecendo o que somos atualmente”.
-Max De Pree-

Um encontro que deixou marcas

Passaram os dias e, junto com as poucas roupas que levaram, o cansaço foi se acumulando. Um dia, quando a noite já ameaçava engolir o dia, avistaram ao longe uma casa e se deslocaram para lá a fim de pedir comida e abrigo.

No entanto, os habitantes daquela humilde casa pouco podiam oferecer. As paredes mal se mantinham em pé, e os campos ao redor estavam desertos. Mesmo assim, o mestre disse ao seu discípulo para bater na porta e pedir ajuda. E o jovem obedeceu.

Casebre com chaminé

A família os recebeu de braços abertos. Avisaram que eram muito pobres, mas que de qualquer forma encontrariam um lugar para que dormissem. E também dividiram o jantar.

Quando todos estavam à mesa, o mestre lhes perguntou do que viviam. Eles responderam que tinham uma vaca. Ela lhes fornecia leite, com o qual faziam queijos e manteiga. Vendiam tudo na aldeia e, assim, conseguiam viver.

O mestre se manteve em silêncio. Em seguida, informou que ele, junto com seu discípulo, iria embora muito cedo. Agradeceu pela gentileza, pelo jantar e pelo abrigo. Depois, foi dormir até que surgiram as primeiras luzes do amanhecer. Mestre e aluno se levantaram e se prepararam para sair.

Uma ordem incomum

De acordo com essa história, assim que ambos saíram da humilde casa, o mestre disse ao seu discípulo: “Chegou o momento de aprender a sua primeira grande lição”.

Em seguida, pediu que ele fosse até o estábulo, desamarrasse a vaca e a trouxesse para levá-la com eles. O discípulo hesitou. Como era possível que seu mestre estivesse pedindo algo assim? Que tipo de lição era essa de roubar uma família humilde? No entanto, como era de costume, obedeceu.

Os dois foram embora com a vaca. Tinham caminhado alguns quilômetros quando chegaram a um lugar perigoso, onde havia um barranco. Então, o mestre pediu ao discípulo para jogar a vaca no barranco. Novamente, o discípulo hesitou.

Será que seu mestre era uma pessoa ruim? O que ganhava ao fazer este dano a essa família? Nesse momento, o aluno desconhecia o sentido dessa história para refletir.

O jovem fez o que seu mestre pediu. Pegou a vaca, que resistia, e com muito esforço, cumpriu as ordens de seu mestre. A vaca caiu, e os dois seguiram viagem. O mestre sorria, e o discípulo não sabia por quê. Também não entendia que tipo de lição era essa.

Vaca olhando para a câmera

Uma história para refletir

Mestre e discípulo visitaram muitos outros lugares. Em cada um deles, o jovem aluno aprendeu muitas lições sobre os segredos da vida.

Vários anos se passaram e o sábio responsável pela educação do jovem pensou que a etapa de formação havia terminado. De acordo com essa bela história, os dois voltaram ao monastério.

O jovem estava muito tranquilo e bastante feliz. Sentia-se outra pessoa. No entanto, ainda lhe atormentava a lembrança daquela humilde família, de quem haviam roubado o sustento.

Por mais que refletisse sobre isso, não conseguia encontrar o sentido dessa lição. Por isso, assim que teve oportunidade, voltou ao local onde tudo tinha acontecido. Queria pedir perdão.

Ao chegar, o sítio pouco lembrava aquele das suas lembranças. Em vez da humilde casa de antigamente, agora havia uma bela fazenda.

Os campos abandonados de antes agora estavam férteis e cheios de vida. Com cautela, o jovem bateu na porta e foi recebido pelos anfitriões do passado, que agora estavam muito felizes.

Monge budista no nascer do sol

Estavam realmente felizes de reencontrá-lo. Contaram que a vaca havia desaparecido logo depois que eles tinham passado por lá. A necessidade fez com que tivessem que trabalhar no campo para plantar e estabelecer novas relações de comércio.

Eles tinham se saído bem e foi assim que começaram a progredir. O jovem então entendeu o ensinamento de seu mestre. Entendeu, portanto, que essa bela história na verdade era uma grande lição.

  • Miravalles, A. F., i Valero, J. A. S., & Gil, J. M. S. (2015). Salir de la zona de confort. Dilemas y desafíos en el EEES. Tendencias pedagógicas, 23, 205-214.