Josef Breuer, precursor da psicanálise

agosto 21, 2019
Josef Breuer foi um pesquisador rigoroso, que fez importantes contribuições para a medicina e a fisiologia. Também foi professor e amigo de Sigmund Freud, e responsável por expandir os horizontes da psicanálise freudiana.

Josef Breuer foi um médico e fisiologista de destaque que teve uma importância decisiva na gênese da psicanálise.

Conheceu e tornou-se amigo de Sigmund Freud, o qual, de uma forma ou de outra, o via como uma figura paternal e afetuosa, por isso sempre lhe demonstrou muito carinho e respeito. A admiração e a amizade eram mútuas.

Breuer escreveu com Freud parte da primeira edição de Estudos sobre a histeria, obra fundamental da psicanálise. Também foi o primeiro a atender a famosa Anna O., que se tornaria a primeira paciente tratada com o método psicanalítico, logo após Josef Breuer a encaminhar para se consultar com Freud.

“Pelo amor de Deus, pare! Pare de pensar! Abra os olhos! Veja! Deixe o mundo entrar!”.
-Josef Breuer-

Além disso, foi este fantástico médico austríaco que descobriu a relação entre a respiração e a temperatura corporal, além da relação entre o ouvido e o equilíbrio.

É considerado o criador do método catártico, precursor do método de associação livre utilizado na psicanálise. Mas vamos por partes; comecemos com uma breve revisão da sua vida até que você entenda o alcance de suas descobertas.

Anna O. e a histeria
Anna O.

A primeira etapa da vida de Josef Breuer

Josef Breuer nasceu em Viena, Áustria, em 15 de janeiro de 1842. Seu pai era uma importante figura do judaísmo, religião que Breuer nunca praticou decididamente, mas da qual nunca saiu.

A mãe de Josef Breuer morreu quando ele tinha apenas 4 anos de idade. A partir daí, ficou sob os cuidados de seu pai e de sua avó materna.

Em 1859, aos 19 anos, iniciou seus estudos de Medicina na Universidade de Viena. Lá, foi aluno de grandes cientistas da época, como Karl Rokitansky e Josef Skoda.

Também estudou sob a tutela de Johann Ritter von Oppolzer, um famoso médico clínico de Viena que o tomou como seu assistente no Hospital Geral de Viena. Mais tarde, vinculou-se ao laboratório de fisiologia de Ewald Hering, que desenvolvia estudos sobre a percepção.

No laboratório, descobriu a função que o nervo pneumogástrico desempenha na regulação térmica corporal através da respiração. Essa descoberta deu a Breuer um grande reconhecimento no campo da medicina.

Posteriormente, continuou pesquisando e conseguiu estabelecer a relação entre o ouvido e o equilíbrio.

O encontro com Sigmund Freud

Em 1871, Josef Breuer decidiu se dedicar à prática privada da medicina. Teve pacientes de prestígio como Franz Bentano e Johannes Brahms.

Alternava sua prática com pesquisa e ensino no Instituto de Fisiologia da Universidade de Viena, onde iniciou uma grande amizade com um de seus alunos, Sigmund Freud, em 1877.

Desde o final de 1870, Josef Breuer se sentia atraído pela psicologia. Mostrava um grande interesse pela hipnose, que era bem popular naquela época.

Seus pacientes eram, em sua maioria, mulheres ricas que tinham sintomas histéricos. Foi isso que provavelmente despertou seu interesse nos fenômenos psíquicos.

Freud compartilhava dessas mesmas preocupações e, talvez como resultado desses interesses comuns, eles se tornaram grandes amigos. Breuer lhe emprestou uma grande quantia em dinheiro para que o pai da psicanálise pudesse começar sua clínica particular.

Também o orientou no início de sua carreira médica. Sem perceber, cada um deles, à sua maneira, começou a se tornar especialista em distúrbios psíquicos.

Desenho de Sigmund Freud

Anna O. e a histeria

Josef Breuer atendeu a paciente que entrou para a história com o nome de Anna O.; trabalhou a hipnose com ela e obteve grandes resultados. No entanto, ela demonstrou um afeto especial por ele que acabou incomodando o médico.

A relação profissional chegou a um ponto de ruptura irreconciliável no momento em que Anna O. alegou, de forma delirante, estar dando à luz ao filho do Dr. Breuer. 

Foi quando Josef Breuer encaminhou o caso para Freud, o que seria decisivo para o desenvolvimento teórico e prático da psicanálise. Também foi o ponto de partida de um rompimento entre os dois austríacos famosos.

Ao concluir o tratamento, Freud estava pronto para lançar uma teoria definitiva sobre a histeria, com a qual Breuer não concordaria.

Breuer cobrou de Freud o dinheiro que havia emprestado. Este último demonstrou um desgosto que, somado às divergências teóricas que já tinha com seu mentor, causaram um enorme distanciamento em sua relação.

No entanto, vale destacar que Breuer nunca deixou de seguir os passos de seu brilhante aluno.

Quando Breuer morreu em 1925, Freud enviou uma mensagem de condolências a seu filho, que lhe respondeu comentando sobre o interesse que seu pai sempre manteve em torno dos avanços da psicanálise.

Freud, por sua vez, respondeu: O que você disse sobre a relação de seu pai com meus trabalhos mais recentes foi novo para mim e funcionou como um bálsamo para uma ferida dolorosa que nunca se fechou”.

Assim, com um sabor amargo, concluiu-se uma das relações mais prolíficas da época. A admiração nunca desapareceu, mas as diferenças foram mais fortes, e por isso eles permaneceram separados.

Atualmente, ambos os nomes são estudados e reconhecidos, embora o de Freud seja mais popular. No entanto, não devemos esquecer que Josef Breuer foi uma figura decisiva para a psicanálise

  • Bedó, T., & Rocco, I. M. (1976). A propósito de la contribución de Josef Breuer a los Estudios sobre la histeria. México: Siglo Veintiuno Editores.