Joy Story: um curta que vai te ensinar a magia de dar de coração

janeiro 13, 2019
Em 'A Joy Story: Joy and Heron', aprendemos o valor da solidariedade, assim como o poderoso efeito de dar de coração: toda boa ação tem sua maravilhosa recompensa.

Se nos permitirmos dar de coração, cedo ou tarde vamos receber de volta com abundância. É exatamente isso que descobrimos em ‘A Joy Story: Joy and Heron’, um belo curta de animação que nos conta a história de um cachorrinho que vai pescar com seu dono e encontra uma elegante e irritante garça. O que acontece entre ambos é um verdadeiro exemplo de amabilidade, afeto e compreensão.

Sabemos que há muitas produções desse tipo. De tempos em tempos, a Pixar nos surpreende com uma dessas pequenas histórias que, como um presente e um exercício de reflexão, sempre tocam diretamente no coração para nos conquistar. Esta não é diferente.

Vinda diretamente da China há apenas alguns meses e dirigida por Kyra Buschor, Constantin Paeplow e Kenneth Kuan, este curta busca abrir nossos olhos à solidariedade.

Ao mesmo tempo, os criativos da Passion Pictures também desejavam fazer sua pequena homenagem a este ano de 2018. Na cultura chinesa, este é o ano do cachorro. O protagonista dessa história de pouco mais de 4 minutos é, portanto, um pequeno cachorro branco, com um enorme nariz e cheio de entusiasmo, mas também de receios.

Essa atitude inquieta e desconfiada será destruída pela presença de Heron, uma simpática garça que, na cultura oriental, simboliza a bondade.

“A melhor vida não é a mais longa, mas a mais rica em boas ações”.
-Marie Curie-

Cena do curta Joy Story

Joy Story: uma tarde de pesca com muitas surpresas

No curta que veremos a seguir, não há vozes. A magia dos olhares, o poder dos rostos cheios de expressividade, curiosidade, preocupação, surpresa e bondade dizem tudo.

Assim, curiosamente, a única figura humana dessa história permanece sempre de costas, ignorando a todo momento o que acontece em seu pequeno barco, ao qual somos convidados.

A trama começa com o pequeno Joy e seu dono iniciando uma tranquila tarde de pesca. O cenário é ideal, o tempo está perfeito com uma calma tão serena na qual nada parece estragar o que vai ser uma bela tarde entre um homem e seu pequeno cão.

Joy tem o coração alegre, seus olhos brilham e seu úmido nariz está atento a tudo. Ele sabe perfeitamente que deve ter muito cuidado para não atrapalhar a pesca de seu dono.

O encontro com uma criatura estranha

De repente, algo acontece. Vemos entrar em cena uma criatura estranha e um pouco bizarra. É Heron, uma simpática garça que fica parada no canto do barco com um objetivo claro: pegar as iscas, roubar as deliciosas minhocas.

O pequeno Joy não hesita em impedir essa tentativa, como um bom cachorro e fiel aliado de seu dono. Assim, avança sobre a garça para frustrar seu objetivo, mas não consegue. Heron pega algumas minhocas.

A cena volta a se repetir várias vezes. A garça, sempre hábil, esperta e firme em seu propósito, não hesita em levar as minhocas, deixando o pescador e seu cão quase sem iscas.

Ao mesmo tempo, em cada um desses divertidos e frustrados ataques, o pequeno Joy sempre acaba perdendo e sendo repreendido pelo seu dono, que em nenhum momento percebe o que está acontecendo. A única coisa que ele percebe é o movimento do barco.

Cena do curta Joy Story

Dar de coração, um ato com o qual todos ganhamos

Nosso protagonista é um cachorro que se limita a fazer o que lhe foi ensinado: proteger o que é seu, defender seu dono. No entanto, o desfecho da história vai nos ensinar algo muito importante.

Não é bom considerar ideias ou motivações como certas sem antes refletir. Não é adequado cair em pensamentos rápidos, ficar apenas nas aparências, etc.

É verdade que essa bizarra ave era um tanto estranha, que sua imagem não inspirava confiança. Além disso, seus atos não pareciam ser corretos, mas… por que será que ela roubava as iscas?

Todos fazemos atribuições sem pensar, todos nos deixamos levar por nossos primeiros impulsos, assim como faz o pequeno Joy nessa história.

No entanto, se olharmos ao nosso redor, descobriremos que há mais mundos alheios à nossa própria embarcação. Assim, nos daremos conta de que por trás das aparências e dos comportamentos peculiares, há seres mágicos com suas próprias necessidades. Criaturas que vivem muito além dessas fronteiras mentais que nós delimitamos com nossas distorções, nossos estereótipos e nossos rótulos.

Heron, a garça, não roubava por prazer, nem para comer as minhocas. O pequeno Joy compreende isso logo em seguida e não hesita em abrir seu coração, oferecendo todas as minhocas da embarcação para Heron. O que acontece após esse ato maravilhoso (e solidário) demonstra os poderosos efeitos que dar de coração pode causar.

Vamos aprender com este curta tão especial. Vamos aprender com esse cão e essa garça e não fiquemos como esse pescador que não percebe nada, que deixa às suas costas as coisas mais especiais, mágicas e importantes da vida. Esperamos que goste!