Quando a lesão cerebral não tira a vida de quem você ama, mas a muda para sempre

· julho 19, 2017

Quando uma lesão cerebral não tira a vida do seu familiar, mas muda sua forma de ser para sempre, ficamos frente a um dos paradoxos mais difíceis de enfrentar na vida. O fato de que a pessoa está presente fisicamente, mas já não é mais a mesma. Mudou. Não apenas em relação à deficiência física que muitas vezes acompanha os casos de lesão cerebral, mas em relação à mudança de personalidade que acarreta.

Como se pode explicar que determinada pessoa continua presente na nossa vida, mas se transformou em um “estranho” para nós? Muitas vezes ela se transforma em uma pessoa diferente da que era antes. Mudou. Sua forma de ser tem outras cores e outra intensidade. Quem era um ser sociável por excelência agora já não tem mais aquela iniciativa e demonstra apatia. Uma parte de nós a reconhece, outra não.

Lesão cerebral

Por exemplo, alguém que era educado e respeitoso, agora, como consequência da lesão cerebral, já não é mais. O cérebro “apagou” o botão das normas sociais. Já não tem o filtro que a sociedade nos impele a ter em determinadas situações. Não há autocontrole e quem não souber que a pessoa sofreu uma lesão vai pensar que é alguém rude e indelicado.

A pessoa nem sempre tem consciência da lesão cerebral que sofreu

Muitas vezes, as pessoas que sofreram lesões cerebrais não têm tanta consciência das repercussões desse fato na própria vida, assim como as têm seus familiares. A lesão cerebral às vezes traz consigo esse paradoxo. Inclusive, pode dar a sensação de ser um mecanismo de defesa para que as consequências daquilo que a pessoa sofreu não sejam tão perturbadoras para ela.

O fato é que esse mecanismo existe. É a situação patológica das pessoas que sofreram uma lesão cerebral e ficam com problemas neurológicos (cognitivos), mas não têm consciência das dificuldades que esses problemas acarretam. Esse fenômeno é chamado de “anosognosia” e faz referência a esses pacientes que não percebem seus déficits funcionais neurológicos.

Lesão cerebral

Ou seja, há uma certa incapacidade de ter consciência das consequências causadas pela lesão que a pessoa sofreu. Tanto em nível cognitivo, físico ou comportamental. Muitas vezes esses pacientes não têm consciência das suas dificuldades de atenção ou de suas reações explosivas. Há casos nos quais os pacientes não conseguem voltar a andar e acham que é porque “alguém não os deixa”. Não têm consciência de que isso acontece devido à lesão que sofreram e que os deixou nessa situação.

As famílias vivem o luto daquele que está presente… mas já não é mais o mesmo

Tudo isso provoca sentimentos de impotência e frustração nos familiares dessas pessoas. Não é apenas o fato de que a pessoa já não é mais a mesma, mas de que ela nem sequer tem consciência disso. Essa mudança é um luto em vida para as outras pessoas que a rodeiam. Assumir que aquela pessoa querida continua viva, mas que já não é mais a mesma de antes (sua forma de ser e de estar no mundo mudou) é uma das tarefas mais difíceis que o familiar do paciente com lesão cerebral enfrenta.

Provoca uma mudança no sistema familiar. O quebra-cabeças explode e as peças saem voando. Agora é preciso colocar tudo no seu lugar, com uma nova ordem que dê sentido a esse repentino caos. Vão surgir sentimentos que nos deixarão perturbados, como a inveja, a desilusão, a incerteza… A culpa. Inúmeros sentimentos conflitantes que vão aparecendo para nos ajudar a assumir essa perda que sofremos e que estamos tentando entender.

Tristeza por lesão cerebral

Por isso sempre é importante destacar que a lesão cerebral é um acontecimento que afeta todas as pessoas que se relacionam com quem a sofreu. É um luto a partir da vida e pela vida. É importante compartilhar todos esses sentimentos conflitantes para conseguirmos ficar bem e ajudar da melhor forma aquela pessoa tão querida. Recolocar as peças, encaixá-las de uma nova forma que proporcione um novo sentido… É um exercício de coragem e sabedoria admirável que as famílias que passam por isso nos ensinam.

A partir desse texto mandamos todo o nosso apoio a essas famílias que estão envolvidas em casos de lesão cerebral.