Os livros negros de Jung foram publicados e revelam o seguinte

Os Livros Negros de Carl Jung são uma coleção de 7 volumes que mergulham no seu inconsciente como um diário e nos deixam uma mensagem interessante.
Os livros negros de Jung foram publicados e revelam o seguinte
Valeria Sabater

Escrito e verificado por a psicóloga Valeria Sabater em 15 Novembro, 2021.

Última atualização: 15 Novembro, 2021

Se em 2009 a publicação do Liber Novus (Livro Vermelho) foi um evento cultural de grande relevância, o atual lançamento dos Livros Negros de Jung é algo que nem todos esperavam e que tem sido vivido com expectativa. Eles são chamados de cadernos de transformação e foram escritos pelo famoso psiquiatra suíço entre 1913 e 1932.

Agora, sobre o que é este trabalho assustador, com um título tão evocativo e perturbador? Para entender seu impacto, devemos entender que estamos lidando com uma obra completamente inédita de Carl Jung. Originalmente, eram um conjunto de diários escritos à mão em que ele fazia um exercício de autoexploração, que consistia em confrontar o seu inconsciente.

É uma análise das suas fantasias e visões ao acordar. São diários, mas neles descobriremos um delicado, exaustivo e meticuloso trabalho de pesquisa sobre seus estados mentais e sua possível relação com toda a ampla cosmologia definida pelo próprio Jung.

“As noites, através dos sonhos, contam os mitos esquecidos pelo dia.”
-Carl Jung-

Carl Jung

O que os “Livros Negros” de Jung contêm?

A verdade é que a publicação dos Livros Negros de Jung não faria sentido se seu Livro Vermelho também não tivesse sido publicado antes. Este último é, talvez, o trabalho mais polêmico do psiquiatra suíço. Tanto que, após a sua morte, sua família trancou este manuscrito em uma casa em Küsnacht, nos subúrbios de Zurique.

Eles não queriam que ninguém lesse o que havia naquelas páginas estranhas, complexas e íntimas. Diz-se até que o Livro Vermelho era pouco mais do que um fabuloso exercício alquímico de uma mente privilegiada, que buscava viajar ao mundo subterrâneo para salvar sua alma.

O fim da Primeira Guerra Mundial e suas desavenças com Sigmund Freud deixaram Jung em um estado de profunda decepção que o levou a navegar pelo espiritual, pelo profético e até pelo místico. Ele ansiava por encontrar respostas e significado em um mundo que revelava seu lado mais violento e irracional.

Assim, é interessante saber que, enquanto moldava seu Liber Novus, ele também passava parte de seu tempo com seus cadernos negros. Na verdade, o material do primeiro o ajudou a elaborar estes últimos.

Ou seja, enquanto meditava e se deixava levar pelas técnicas psiconáuticas para entrar em contato com seus sonhos e descrevê-los no livro vermelho, as análises mais metódicas e exaustivas se refletiam nos livros negros.

Uma publicação muito especial

A editora responsável pela publicação dos Livros Negros de Jung é a Fundação Philemon. Consiste em uma edição elegante de sete volumes meticulosamente trabalhada e preparada por Sonu Shamadasani, que na época foi contratado para editar Liber Novus.

Os livros negros levaram cerca de 20 anos para vir à tona.

O primeiro volume é uma introdução que serve de guia para os próximos seis livros. Nestes, encontraremos uma série de escritos acompanhados de desenhos vívidos a partir dos quais Jung tentou explorar seu inconsciente por meio da imaginação, da escrita e da pintura.

Também nos aprofundaremos em reflexões sobre seu próprio desenvolvimento psicológico e, por sua vez, descobriremos a evolução da sua teoria da psicologia analítica. Curiosamente, o leitor também pode descobrir, nas páginas desses volumes, a relação triangular entre ele, Emma Jung e Toni Wolff.

A primeira foi sua esposa e a segunda, Antonia Anna Wolff, primeiro sua paciente e depois sua amante e analista junguiana, pilar indispensável em seu trabalho diário. Na verdade, essa jovem publicou interessantes ensaios sobre o psiquismo feminino, incorporando os arquétipos da amazona, a mãe, a cortesã e a médium.

“Livros Negros” de Jung, uma jornada para dentro

Os Livros Negros de Jung revelam encontros visionários que o psiquiatra suíço teve com entidades mitológicas. Entre eles estava Phanes, o deus estrela, Ha, o feiticeiro, e também uma figura decisiva para ele: Filemom, o mago sábio que se tornou seu guru interior.

Essas vívidas experiências imaginativas e oníricas foram intensificadas durante a Primeira Guerra Mundial.

Carl Jung tentou encontrar um sentido para tudo o que estava vivenciando e, para isso, o que fez foi evocar deliberadamente uma fantasia em um estado de vigília e depois entrar nela como alguém cruzando uma tela e tentando entender os simbolismos daquela pintura abstrata e surreal..

“[Alma]: (…) Começa a grande obra.
[Eu]: Que grande obra?
[Alma]: A obra que deve ser feita agora. É uma obra grande e difícil. (…) Já faz muito tempo que você está inconsciente. Agora você tem que ir para um nível superior de consciência.
[Eu]: Estou pronto. Do que se trata? Fale!
[Alma]: Você tem que ouvir: não ser mais cristão é simples. Mas e depois? Bom, mais coisas têm que vir. Tudo espera por você. E você? Você permanece mudo e não tem nada a dizer. Mas você deve falar. Por que você recebeu a revelação? Você não deve escondê-la. (…)
[Eu]: Mas qual é o meu chamado?
[Alma]: A nova religião e a sua anunciação. “
Black Books, Carl Jung-
Livros de Jung

Eles revelam uma mensagem deixada para a humanidade

Neste ponto, uma dúvida nos assalta: que mensagem os Livros Negros de Carl Jung deixaram para a humanidade?

A verdade é que há algo que devemos entender sobre a teoria do inconsciente do pai da psicologia analítica. O inconsciente não é só a nossa memória ou aquele legado coletivo que une todas as vidas da humanidade: nele estão as sementes criativas e transformadoras.

O que significa isso? Significa que, nessa jornada interior transformadora, o que Jung queria era encontrar respostas para evoluir, chegar à iluminação e, portanto, à liberdade. Num contexto turbulento como o que o rodeava, ele ansiava por sabedoria, sentido e transcendência.

A publicação desses livros no atual momento social é decisiva. Sua mensagem é simples e clara: é preciso atingir um nível superior de consciência e fazer um trabalho melhor como humanidade.

Pode interessar a você...
Os 5 passos de Carl Jung para ser feliz
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os 5 passos de Carl Jung para ser feliz

Os passos de Carl Jung para ser feliz continuam muito atuais. Ele também nos deixou conceitos como o inconsciente coletivo e os arquétipos.



  • Jung, Carl (2020) The Black Books: Facsimile Edition. WW Norton & Co; Slipcased Edition. Slipcased 
  • Jung, Carl Gustav (2010, 2019). «Liber Novus: el Libro rojo de C. G. Jung: Sonu Shamdasani». El Libro rojo
  • Jung, Carl Gustav (1961). Aniela Jaffe, ed. Memories, Dreams, Reflections. pp. 170–198.
  •  Lance S. Owens, “The Hermeneutics of Vision: C. G. Jung and Liber Novus“, The Gnostic: A Journal of Gnosticism, Western Esotericism and Spirituality Issue 3, July 2010. ISBN 978-1906834043 Online edition, pg. 2