Lucidez terminal, por que isso acontece?

Sabe-se que algumas pessoas com demência recuperam subitamente a consciência pouco antes de morrer. Esse fenômeno é conhecido como lucidez terminal e a ciência ainda não o explicou completamente.
Lucidez terminal, por que isso acontece?

Última atualização: 29 julho, 2022

A lucidez terminal é um fenômeno que é conhecido desde a época de Hipócrates, o médico grego que viveu quatro séculos antes de nossa era. Curiosamente, é um dos eventos menos estudados pela ciência, apesar de sua relevância. A maior parte das informações sobre esse assunto é anedótica, embora também haja pesquisas sobre o assunto.

A lucidez terminal é quando um paciente com demência, particularmente Alzheimer, de repente recupera a consciência pouco antes da morte. De um momento para o outro, eles se lembram de tudo o que haviam esquecido e se comportam da maneira mais natural, como se nunca tivessem tido um problema. Pouco depois, eles morrem.

Esse fenômeno é de grande importância, pois seria um indício de que as demências são reversíveis. Que o problema está no acesso à informação, não na perda de informação. Até agora não foi possível explicar por que ocorre a lucidez terminal, mas existem várias hipóteses a esse respeito. Sobre tudo isso falaremos em breve.

E um momento para aproveitar. O paciente consegue se comunicar. Este momento transforma a vida. É quase um presente. Se amanhã vier a morte ou a melhoria, isso só será amanhã”.

-Suelen Madeiros-

Lucidez terminal: alguns testemunhos

Marido se despedindo de sua esposa no hospital
A lucidez terminal geralmente aparece em algumas pessoas com demência.

Testemunhos sobre lucidez terminal são abundantes entre familiares de pessoas com diferentes demências. Também em asilos e hospitais. Mesmo algumas dessas situações foram compartilhadas em jornais e redes sociais, tornando-se famosas.

Um deles é o de uma mulher que sofria do mal de Alzheimer e era cuidada pela filha e pelos netos. Um dia, ela recuperou a lucidez. Ela disse à filha que tudo ficaria bem no dia 31. Exatamente no dia 31 de agosto, essa mulher morreu, isso aconteceu após de dois dias da conversa com sua família; eles se sentiram felizes por poder se despedir dela.

Outro caso bastante conhecido foi o de outra doente terminal que, pouco antes de morrer, como sempre, parecia muito sonolenta. A família esperava que ela não morresse antes que dois de seus netos chegassem, pois queriam que eles pudessem se despedir, embora ela não soubesse disso. Surpreendentemente, quando os netos chegaram, ela abriu os olhos, fez uma oração por cada um deles e morreu.

Por que a lucidez é restaurada?

Não temos certeza das razões pelas quais algumas pessoas têm lucidez terminal. A frequência desse fenômeno também não é conhecida, pois muitos mais parecem morrer sem ter passado por esse estado de recuperação da consciência.

Alguns pesquisadores pensam que há uma intensa liberação de hormônios, como adrenalina e outros, quando o organismo está próximo da morte. Essa superprodução poderia causar efeitos poderosos no cérebro, a ponto de ativar neurônios e isso levaria à recuperação da lucidez.

No entanto, esta hipótese tem um problema. Supõe-se que em doenças como Alzheimer, existem neurônios que são irreversivelmente danificados. Como é que eles de repente funcionam? A regeneração de tais neurônios é descartada. Então, de onde vem essa clareza?

A mente e o cérebro

neurônios no cérebro
A ativação de certos neurônios parece influi na lucidez terminal.

Outra hipótese sobre o fenômeno da lucidez temporária indica que esta seria uma expressão da distância entre a mente e o cérebro. O cérebro não é a mente, nem a mente é o cérebro. O neuropsiquiatra Peter Fenwick, autor do livro The Art of Dying, indica que a mente é uma realidade que faz parte de uma consciência universal.

O cérebro, por sua vez, é comparável a um aparelho de televisão. Seria como o aparelho que capta os sinais dessa consciência universal, mas não tem capacidade de produzi-los.

Portanto, quando o cérebro não está funcionando corretamente, ele transmite sinais de forma distorcida. Assim, pouco antes da morte, o cérebro se conecta com essa consciência universal e então para de distorcer os sinais. Desta forma, surge o que se conhece como lucidez terminal, que seria uma reconexão entre cérebro e mente.

A questão é que nenhuma dessas hipóteses pode ser totalmente testada, pelo menos ainda não. A lucidez terminal costuma ser muito temporária e não dá tempo de observá-la. Também seria antiético, uma vez que a pessoa envolvida não está em condições de dar o consentimento. Da mesma forma, uma investigação poderia interferir naquele momento quase “sagrado” em que uma pessoa prestes a morrer consegue se reconectar com o mundo e com os seres que ama.

Pode interessar a você...
Como lidar com o medo da morte na velhice?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Como lidar com o medo da morte na velhice?

Todos nós temos medo da morte em algum grau. Este continua sendo um enigma que causa angústia quando aspectos cruciais da vida não foram resolvidos...



  • Arráez, V., Barneto, C., & Arráez, E. (2021). Atendiendo el proceso de morir. Human@ s-Enfermería en Red, (2), 22-24.
  • Parnia, S., & Fenwick, P. (2002). Near death experiences in cardiac arrest: visions of a dying brain or visions of a new science of consciousness. Resuscitation52(1), 5-11.