Maus-tratos no relacionamento: como os filhos são afetados?

Como os maus-tratos no relacionamento afetam os filhos?

janeiro 12, 2018 em Psicologia 762 Compartilhados
Como os maus-tratos no relacionamento afetam os filhos?

Felizmente, estamos cada vez mais conscientes das inúmeras consequências dos maus-tratos no relacionamento. Podemos destacar não só o dano físico e o perigo real de morte para as mulheres, mas também os danos psicológicos.

Os danos psicológicos não afetam somente as mulheres. É importante ter consciência de que as crianças também sofrem. Elas são testemunhas silenciosas de uma situação incontrolável e cheia de violência, pelas quais muitas vezes se sentem responsáveis… Mas como isso as afeta a nível psicológico?

“Qualquer comportamento destinado a controlar e subjugar outro ser humano recorrendo ao medo e humilhação, através de ataques físicos ou verbais, é abuso”.
– Susan Forward –

As consequências dos maus-tratos no relacionamento sobre o apego dos filhos

Quando uma criança nasce, ela tem várias necessidades, como proteção, amor parental, estabilidade ou socialização. Se isto for suprido de forma adequada e consistente, a criança desenvolve a sua confiança no cuidado dos seus pais, além de acreditar que são merecedoras deles.

Se houver uma situação de abuso no relacionamento, todas essas necessidades não serão supridas. É muito difícil que nessas circunstâncias as crianças tenham segurança no cuidado, comunicação e um relacionamento saudável com a sua figura de apego. Esse adulto não está disponível emocionalmente e não pode oferecer soluções e carinho. Em vez disso, geralmente é uma fonte de emoções negativas.

Na verdade, esses mesmos adultos que deveriam ser o lugar seguro onde as crianças buscam consolo quando se sentem mal e o centro para explorar o mundo, lhes transmitem um medo indescritível. Estão aterrorizadas na sua própria casa, gritam e choram sem consolo.

Portanto, é mais provável que as crianças desenvolvam nessas situações de abuso no relacionamento um apego inseguro ou evitativo. Na verdade, está comprovado que as mães que sofrem abusos podem apresentar representações mais negativas dos seus bebês e de si mesmas como mães e, em consequência disso, sofrer de depressão perinatal.

Mão encostada em vidro

Como os maus-tratos condicionam o desenvolvimento das crianças?

Os maus-tratos no relacionamento não prejudicam somente o desenvolvimento de um apego seguro, tão importante para o bem-estar da criança. Também afetam o desenvolvimento psicológico delas. Como podemos perceber, estar exposto desde uma idade precoce a tudo isso influencia o bem-estar emocional e social das crianças.

Por um lado, podem surgir os problemas de identificação e regulação emocional. As crianças se sentem culpadas pela situação que vivem, e podem aparecer problemas de ansiedade, mesmo que não entendam o que sentem ou o porquê. Além disso, elas tentam evitar e reprimir essas emoções, o que faz com que elas se tornem crônicas.

Por outro lado, foram encontrados problemas significativos de autoestima e no desenvolvimento da autoimagem. Não se esqueça de que essas crianças também tendem a ter problemas comportamentais nas suas relações com colegas e com outros adultos.

“A violência cria mais problemas sociais do que resolve”.
– Isaac Asimov –

Os maus-tratos no relacionamento e o transtorno de estresse pós-traumático nos filhos

As crianças expostas a situações de abuso podem desenvolver o transtorno de estresse pós-traumático. Mas como é esse transtorno em crianças? Assim como em outros problemas de saúde (físicos e mentais), os sintomas associados às doenças não são os mesmos que os adultos apresentam.

Na verdade, tem-se observado que as crianças têm reexperimentações do evento traumático, memórias repetidas do que já vivenciaram, pesadelos, flashbacks, dissociações ou desconforto ao lembrar do ocorrido.

Podemos observar também um certo retraimento na aquisição de responsabilidades, ou seja, podemos observar um distanciamento social, perda de habilidades que já haviam adquirido, uma diminuição das brincadeiras, uma redução da experiência e expressão emocional.

Finalmente, pode haver um aumento na agitação que traz dificuldades para adormecer, hipervigilância, diminuição ou excesso da concentração, ou respostas de sobressalto. É importante, para o bem das crianças, que elas façam terapia com psicólogos qualificados, uma vez que as consequências de viver situações de maus-tratos indiretos são desastrosas para elas… Precisamos ajudá-las!

“Diante das atrocidades, temos que tomar partido. O silêncio estimula o algoz”.
– Elie Wiesel –

Imagens cortesia de Peter Forster e Elijah Henderson.

Recomendados para você