Hipofobia ou medo de cavalos

20 Outubro, 2020
Embora os cavalos não nos rodeiem diariamente, há pessoas que têm muito medo deles. A hipofobia pode ser tratada através da terapia cognitivo-comportamental.

Ter medo é uma resposta natural que, em um sentido evolutivo, nos ajudou a nos salvar de certos perigos. Portanto, é comum sentir respeito por alguns animais. O medo de cavalos não parece muito comum, mas há pessoas que sentem um medo intenso dessas criaturas que pode até acabar em uma crise de ansiedade. Neste último caso, estaríamos falando da hipofobia.

Esses animais, que para muitos são seres bonitos, nobres e um símbolo de força, não costumam nos cercar no dia a dia. Portanto, a falta de previsibilidade e conhecimento sobre eles pode gerar um medo intenso. No entanto, as fobias são medos irracionais que nada têm a ver com uma ameaça real.

Mulher fazendo carinho em cavalo

Quais são os sintomas?

Como em qualquer fobia, o medo de cavalos gera uma resposta de ansiedade. Os sintomas mais comuns são sudorese, tremores, dores de cabeça, náuseas, tonturas, taquicardia, hiperventilação ou até vômitos. Para que o quadro seja considerado como hipofobia, esses sintomas, além do medo exagerado, devem ocorrer há pelo menos seis meses.

Esses sintomas geralmente ocorrem na presença do animal, ou apenas ao pensar neles. Ou seja, pode ser que uma pessoa com um medo intenso de cavalos seja muito afetada apenas por olhar para uma imagem de cavalos, ou até mesmo por ouvir a história de alguém que ela conhece interagindo com eles. Dependendo da experiência de cada um, o medo será maior ou menor diante de diferentes estímulos.

Como não é comum encontrar cavalos no dia a dia, essa fobia geralmente não influencia a vida de quem a sofre. No entanto, a pessoa tentará evitar todas as circunstâncias em que haja a possibilidade de encontrar um cavalo. O medo pode ser estendido a outras experiências, como ver a figura de um cavalo em um carrossel e, portanto, a pessoa pode optar por não ir a um parque de diversões.

A origem

Como regra, as fobias se desenvolvem a partir de experiências traumáticas relacionadas ao objeto do medo. Neste caso, por exemplo, pode ter sido uma queda ou uma patada de um cavalo. Esta experiência não precisa ter sido vivida pela própria pessoa. O medo pode se originar na história do evento ou na própria presença como observador.

Assim como acontece com outras fobias, o medo de cavalos pode ser herdado. Isso significa que uma pessoa pode sofrer de hipofobia porque aprendeu com seu pai ou mãe que cavalos representam um perigo. Portanto, desde a infância, eles teriam desenvolvido um comportamento de evitação e uma ideia de perigo em relação aos cavalos.

Às vezes, as fobias também surgem de um problema ou transtorno de ansiedade anterior que pode generalizar o medo e a sensação de perigo para outros estímulos. Outra hipótese é que, no sentido filogenético, o medo de certos animais tenha sido herdado para a sobrevivência, apesar de muitas outras pessoas não o perceberem dessa forma.

Cavalos de diferentes tons de pele

Como a hipofobia é tratada?

Como em qualquer outra fobia, três linhas de ação costumam ser implementadas na intervenção: técnicas de reestruturação cognitiva, dessensibilização sistemática e relaxamento. A primeira é focada em configurar crenças sobre os cavalos de uma forma mais adaptativa e, às vezes, realista.

Por outro lado, a dessensibilização sistemática se concentra em expor gradualmente a pessoa ao estímulo da fobia. Primeiro, seria feita uma lista de todos os eventos possíveis relacionados a cavalos que o paciente teme. Posteriormente, os eventos são ordenados de acordo com o grau de ansiedade que geram. Uma vez finalizado, acompanhado de um treinamento em técnicas de relaxamento, a pessoa será exposta a estímulos dependendo de como eles se localizam em uma escala de intensidade emocional.

Se o último item da lista foi pensar em um estábulo cheio de cavalos, esse pensamento será trabalhado em um momento de relaxamento para reduzir a ansiedade. Assim que a fobia for superada e o paciente puder pensar no tema escolhido sem sentir medo, ele passará para o próximo, e assim sucessivamente.

Esta técnica é muito eficaz, uma vez que se baseia em elementos que o próprio paciente escolheu, e pode torná-lo capaz de se aproximar de um cavalo e tocá-lo, ou até mesmo montá-lo.

Em todo caso, para superar o medo de cavalos ou de outro animal, o mais adequado é contar com a ajuda de um psicólogo. A intervenção não apenas reduzirá consideravelmente ou acabará com o medo, mas também fornecerá ao paciente recursos para lidar com outras fobias.

Anthony, M.M., Craske, M.G. & Barlow, D.H. (1995). Mastery of your specific phobia. Albany, New York: Graywind Publications

Barlow, D.H.; Esler, J.L.; Vitali, A.E. (1998). Psychosocial treatments for panic disorders, phobias, and generalized anxiety disorder. En P.E. Nathan & Gorman (Eds.), A guide to treatments that work (pp. 288-318). Oxford: Oxford University Press.

Sosa, C.D. & Capafons, J.C. (1995). Fobia específica. En V. Caballo, G. Buela-Casal & J.A. Carboles (dirs.), Manual de psicopatología y tras – tornos psiquiátricos (pp. 257-284). Madrid: Siglo XXI