O medo de decepcionar os outros

Todos nós sentimos a necessidade de ser aceitos e reconhecidos. No entanto, não podemos pagar qualquer preço para atender às expectativas dos outros ...
O medo de decepcionar os outros

Última atualização: 19 Outubro, 2021

Pense por um momento nas decisões da sua vida: onde você mora, o trabalho que faz ou a situação emocional em que se encontra. Como você chegou onde está? Idealmente, você ouviu as suas necessidades, seus desejos e suas preferências ao escolher o seu caminho. No entanto, muitas pessoas acabam construindo a sua realidade com base no que os outros esperam delas. O medo de decepcionar os outros pode ser mais forte do que pensamos.

Com certeza você conhece alguém que queria ser artista e acabou estudando finanças, uma pessoa que mantém um relacionamento apenas por medo da mudança. Você pode até ser forçado a dedicar tempo a atividades e pessoas que não o nutrem ou atraem. Por que vamos contra a nossa própria essência? Isso é o que exploraremos a seguir.

O que está por trás do medo de decepcionar?

Se você se sentiu identificado com alguma das situações acima, deve saber que elas são comuns. Na realidade, não enlouquecemos nem somos masoquistas, existem motivos imperiosos que nos levam a querer agradar aos outros. Identificar essas causas pode nos ajudar a alcançar aquela liberdade que nos negamos há anos.

Homem triste

Culpa

A culpa é uma emoção muito poderosa, que pode acabar direcionando nossas vidas se não aprendermos a administrá-la. Ela se manifesta nas relações familiares, nas quais podemos sentir que estamos em dívida com a família. Nossos pais nos deram a vida, nos alimentaram, cuidaram de nós e nos acompanharam; portanto, podemos sentir que eles têm um poder infinito sobre nós.

Ir contra a sua vontade na hora de escolher uma carreira, escolher um parceiro ou simplesmente fazer uma viagem em vez de os visitar são ações que podem ser interpretadas como um sinal de deslealdade. Ninguém quer se sentir uma pessoa ingrata ou egoísta e, na ânsia de saldar a dívida, acabamos hipotecando a nossa existência.

Vergonha

A vergonha é, junto com a culpa, uma das emoções autoconscientes. Elas são assim chamadas porque seu propósito é permitir-nos desenvolver um senso de identidade e viver em sociedade levando em conta as reações dos outros em relação a nós. O problema surge quando, longe de cumprir essa finalidade sob o nosso controle, eles acabam sendo os diretores das nossas vidas.

Nesse caso, pode surgir vergonha quando sentimos que não correspondemos às expectativas dos outros. Se eles me considerarem inteligente, terei pavor de falhar. Se eles esperam que eu tenha uma vida estável, será difícil para mim ousar mudar de emprego. E se meu ambiente dita que constituir família é o único caminho válido, terei vergonha até conseguir cumprir esse mandato.

Medo

Finalmente, o medo de decepcionar muitas vezes esconde um medo latente de abandono. Este é gestado na infância, quando somos totalmente dependentes dos adultos e assumimos que temos que agradá-los para não retirarem o seu afeto e irem embora, porque a nossa sobrevivência depende disso.

Muitos adultos continuam a ter essa crença irracional; sentem um medo muito intenso de não alcançar o horizonte que os outros traçaram para eles, sejam familiares, amigos, parceiros ou colegas de trabalho. Dizer “não” implica correr o risco de incomodar o outro, e isso é intolerável. Portanto, eles não hesitam em se abandonar para minimizar o risco de serem abandonados pelos outros.

Mulher triste

Como superar o medo de decepcionar os outros?

Como você pode ver, o medo de decepcionar não surge do nada, foi forjado ao longo de nossa história como um elemento evolutivo. Ao viver em sociedade, a gestão das relações sociais é essencial para manter o nosso círculo de apoio povoado. No entanto, podemos nos reeducar a esse respeito para superar o medo.

Primeiro, reflita sobre as suas obrigações reais. Os relacionamentos nos fazem crescer quando nos sentimos livres neles. Livres para mudar, livres para ficar, livres para falar, livres para compartilhar e livres para estabelecer limites.

Embora as relações sociais sejam necessárias e benéficas, paradoxalmente elas se tornam mais saudáveis e construtivas quando aprendemos a estabelecer limites. Portanto, tenha em mente que respeitar, amar e honrar os outros nunca envolverá ignorar ou abandonar a si mesmo.

Em segundo lugar, é importante que você se pergunte o que deseja para si mesmo. Os outros podem lhe dar pistas sobre quais são seus pontos fortes ou fracos, mas a última palavra sobre as suas decisões depende de você. Nesse sentido, a dissonância com as expectativas dos outros é muito menos prejudicial a longo prazo do que a dissonância com o que você realmente gostaria de ter escolhido.



  • Etxebarria, I. (2003). Las emociones autoconscientes: culpa, vergüenza y orgullo. EG Fernández-Abascal, MP Jiménez y MD Martín (Coor.). Motivación y emoción. La adaptación humana, 369-393.
  • Cifuentes Preciado, H. M. (2015). Lealtad familiar en la emancipación del adulto joven.