Nem tudo era melhor no passado, o melhor ainda está por vir

· março 18, 2016

Não é difícil imaginar por que um ditado popular se tornou tão famoso como aquele que diz que tudo era melhor no passado e por que escritores como Ernesto Sábato recorreram a ele em algumas de suas obras. Este oposto de o melhor está por vir nasce dessa visão nostálgica, sobretudo das pessoas mais velhas que já viveram muitos anos, por tudo o que já aconteceu em suas vidas.

No entanto, sentir saudade do que já foi perdido não nos permite desfrutar do que ainda temos para viver. Por isso, nem tudo era melhor no passado, já que, como diria a grande Mafalda, o melhor está por vir.

Temos a capacidade maravilhosa de nos surpreendermos uma vez ou outra, e não deveríamos desperdiçá-la. Sempre teremos coisas novas para conhecer, aprender e sentir na nossa pele.

“Não acredito nessa história de que o passado era melhor. Comece a explorar o passado e você também irá descobrir coisas terríveis.”
-Jorge Amado-

O que quero que me corra bem é a vida

Queremos ser felizes a todo custo, o que muitas vezes faz com que caiamos no erro de esquecer que a felicidade exige um pouco de lágrimas ou, em outras palavras, para que haja um arco-íris, é preciso que chova primeiro. Isto é, as duas coisas formam parte da natureza, a felicidade e as lágrimas se complementam e são igualmente reais e obrigatórias.

Rosto de menina entre flores pensando em seu passado

Queremos que a vida ‘corra bem’, mas não assumimos que isso implica momentos de todo tipo: bons e maus, cair da montanha várias vezes até chegar ao topo.

Normalmente nós não aceitamos que essa ‘vida’ é aquela que realmente nos permite viver de forma plena até darmos valor a tudo de positivo que ela nos oferece. Os acontecimentos da vida nos sacodem e nos levam a crescer. Por isso, ‘o melhor está por vir’, porque as montanhas, assim como as emoções, são infinitas até deixarmos de viver.

A vida começa aos 40

Também dizia Mafalda, com muita razão, que a vida começa aos quarenta. É nesta fase que nós já vivemos o suficiente para começarmos a admitir que o passado é aprendizagem e, às vezes, nostalgia.

É nessa altura que entendemos que o futuro é ilusório, porque depende do presente, e que este presente é o único que molda aquilo que está por vir: temos a oportunidade de melhorar continuamente e de não retroceder.

“O futuro tem muitos nomes. Para os fracos é o inalcançável. Para os temerosos, o desconhecido. Para os valentes é a oportunidade.”
-Victor Hugo-

Aos quarenta, nós começamos a entender que a felicidade não depende de alguém que não seja nós mesmos, e então começamos também a exigir da vida o que merecemos de verdade: começamos a nos amar um pouco mais, somos mais humildes e sonhamos com mais coerência. Ou seja, entendemos os nossos limites e já experimentamos quedas suficientes para saber que existe sempre algo melhor.

Deixe de se acomodar nas suas memórias e crie-as: o melhor está por vir

Quando passamos o marco da adolescência e da juventude temos o que poderia ser considerado a ‘mania’ de reviver uma vez ou outra momentos do passado. Recordar é mais frequente quanto mais anos temos, e isso não é algo negativo. O negativo é ficar para trás recordando os maus momentos e esquecer do ‘hoje’.

Não podemos nunca negligenciar o momento atual das nossas vidas pois, como já foi dito, é somente a partir daí que podemos estabelecer os princípios suficientes para o dia de amanhã. Recordar não é ruim, e muito menos sonhar: devemos ter sonhos que nos mantenham animados e vivos. No entanto, não podemos deixar que os sonhos nos façam perder a nossa própria realidade.

“Não viva o mesmo ano setenta e cinco vezes e chame isso de vida.”

-Robin Sharma-

Mulher com folha de árvore pensando sobre o passado

O melhor ainda está por vir desde o momento em que aceitamos tudo isso: um passado que sirva de ferramenta para se sustentar no presente e um futuro que mantenha a nossa curiosidade, mas que nos permita estar com os pés no chão.

O melhor ainda está por vir. Sempre haverá um lampejo de positividade que pode nos ajudar a crescer e a não nos mantermos estagnados na vida.