Mensagens subliminares na música: mito ou realidade?

março 9, 2020
A questão sobre as mensagens subliminares na música começou a ganhar importância no início dos anos 70, quando vários movimentos religiosos garantiram que elas eram capazes de influenciar inconscientemente as pessoas e mudar o seu comportamento. Ainda hoje, há controvérsias sobre o tema.

O assunto sobre a possibilidade de haver ou não mensagens subliminares na música sempre esteve cercado de controvérsias. Para alguns, não passa de um mito. Para outros, no entanto, é uma anedota sem importância. Há também quem pense que essas mensagens são um mecanismo de manipulação capaz de mudar o comportamento das pessoas e influenciar os seus valores.

Ainda não há uma conclusão definitiva sobre as mensagens subliminares na música ou em imagens. Na realidade, os dados disponíveis são contraditórios. Vários governos proibiram esse tipo de mensagem, mas ao mesmo tempo a maioria dos pesquisadores distorce sua real eficácia.

O tema entra em destaque de tempos em tempos, causando risos e preocupações. Em alguns momentos, as pessoas culpam as mensagens subliminares na música por incitarem ao crime, a praticar o satanismo ou a usar drogas. Quanto disso é verdade?

“Porque os meios de comunicação e a disseminação de ideias são governados, como os preços no mercado, e também são mercadorias”.
-Arturo Jauretche-

Efeitos da música no cérebro

Um pouco de história

As mensagens subliminares são projetadas para ser captadas abaixo dos limites normais de percepção. Em outras palavras, as pessoas não podem percebê-las conscientemente, então elas as recebem sem perceber.

Tudo indica que as pessoas falam sobre essas mensagens há milhares de anos. Especificamente, há alusões de Aristóteles a impulsos que passam despercebidos quando as pessoas estão acordadas, mas que reaparecem fortemente quando estão dormindo. Michell de Montaigne, O. Poetzle e Sigmund Freud também se referiram a esse tipo de fenômeno inconsciente.

No entanto, os avanços na tecnologia tornaram esses fenômenos muito mais evidentes. Assim, foi no século XX que ficou realmente claro que esse tipo de comunicação era possível.

Em 1957, cientistas conduziram uma famosa experiência com mensagens subliminares em imagens. Quase uma década depois, os Beatles fizeram com que todos falassem sobre as mensagens subliminares na música ou backmasking”.

Mensagens subliminares na música

As mensagens subliminares na música ou backmasking são inseridas por meio de uma técnica de gravação. Consiste em gravar um som ou uma mensagem ao contrário em uma faixa projetada para ser ouvida normalmente. Isso significa que o ouvinte só pode captar essa mensagem se ouvir a música ao contrário.

Dois fatores decisivos levaram ao nascimento das mensagens subliminares na música. O primeiro foi o surgimento da “música concreta” na França. Esse gênero combinou os sons de instrumentos eletrônicos com sons do ambiente nos estúdios de gravação.

O segundo fator incidente foi o uso de fitas para gravar e preservar as performances originais dos músicos. Isso permitiu combinar, cortar, sobrepor e colar fragmentos na gravação original.

Os Beatles, e John Lennon em particular, fizeram várias experiências com a música concreta, começando assim um novo capítulo da história.

O sétimo álbum dos Beatles incluiu pela primeira vez uma música na qual havia textos gravados ao contrário. A música, “Rain”, foi lançada em 1966. O objetivo da banda era satirizar, experimentar e oferecer novos sons. Desde então, muitos artistas adotaram o mesmo recurso e as mensagens subliminares na música se tornaram comuns.

Desenho dos Beatles

Dúvidas que persistem

Rapidamente, vários movimentos religiosos começaram a se pronunciar contra esse tipo de recurso. Várias lendas urbanas também começaram a ganhar força. Muitas pessoas ouviram as fitas ao contrário e encontraram significados ocultos, mas a maioria das suas afirmações não tinha uma base concreta.

Os religiosos, em particular, acusaram vários grupos de rock de induzir os jovens a adorar o diabo, a cometer crimes ou a usar drogas. O debate ficou muito quente até que, em 1985, os psicólogos John R. Vokey e J. Don Read conduziram um experimento. Eles gravaram um Salmo da Bíblia ao contrário e observaram as reações dos ouvintes.

Os pesquisadores concluíram que as mensagens subliminares na música não causavam nenhum efeito notável em seus receptores. Em 1996, C. Trappery conduziu 23 experimentos e concluiu basicamente a mesma coisa.

No entanto, os pesquisadores Johan C. Karremansa, Wolfgang Stroebeb e Jasper Claus, da Universidade de Utrecht, conduziram um novo experimento em 2006 e aparentemente provaram que essas mensagens realmente mudam o comportamento das pessoas. O debate continua!

Navarro, A. B. B. (2005). El mensaje subliminal: tácticas de publicidad ilícita. In Información para la paz: autocrítica de los medios y responsabilidad del público (pp. 169-182). Fundación COSO de la Comunidad Valenciana para el Desarrollo de la Comunicación y la Sociedad.