Mentiras: as pedras que mais pesam nas nossas mochilas

Mentiras: as pedras que mais pesam nas nossas mochilas

8, abril 2017 em Psicologia 1496 Compartilhados
Mentiras: as pedras que mais pesam nas nossas mochilas

Mesmo que você não conheça o termo “mitomania“, certamente já ouviu falar dos mentirosos patológicos ou compulsivos. Provavelmente venha na memória algum filme ou livro onde o personagem tinha este problema e contava inúmeras mentiras. Estes filmes, às vezes, são catalogados no gênero de comédia; contudo, longe de ser uma coisa divertida, é algo realmente cruel e dramático para as pessoas que o vivem e para as pessoas que atravessam o seu caminho.

É um problema muito sério que tem consequências penosas, tanto para a pessoa que mente patológica e compulsivamente como para as pessoas que se relacionam com ela. Além disso, é especialmente difícil para as pessoas que confiaram cegamente no outro e jamais esperariam o que vieram a descobrir com o tempo.

mentiroso

As mentiras brancas precisam ser eventuais, não habituais

Mentir é um ato comum na sociedade em que vivemos. As chamadas “mentiras brancas” nada mais são do que um último recurso que às vezes utilizamos para sair de um situação que nos traz algum conflito. Às vezes são usadas para nos defendermos dos outros ou para protegermos a nossa própria dignidade.

Desde o conceito de “não posso ficar com você porque estou ocupada a tarde toda” quando na verdade a tarde está livre, mas não estamos com vontade de sair de casa; até o “sim, você está muito bonita, esse vestido fica lindo” quando na verdade não é isso que pensamos. No primeiro caso, não queremos dizer para a outra pessoa que existe alguma coisa que nos agrada mais do que a sua companhia – dizemos simplesmente “não posso” em vez de “não quero” – no segundo caso não queremos causar um desgosto à outra pessoa dizendo que ela fez uma má aquisição quanto ao vestido.

“Não é o fato de você ter mentido para mim, e sim o fato de que já não posso mais acreditar em você, que me apavora.”
-Friedrich Nietzsche-

Que sejam “brancas” não implica que seja necessário recorrer a elas de forma constante, já que perdemos autenticidade com nós mesmos e com os outros. Se realmente não queremos sair de casa, temos todo o direito de não ter vontade e de expressá-lo assim para a outra pessoa.

Ganhamos em honestidade e autenticidade cada vez que dizemos a verdade

“Me perdoe, mas hoje estou cansada e não sinto vontade de sair. Que tal se fizermos isso outro dia?” Com esta simples frase ganhamos mais um pouquinho de sinceridade com a outra pessoa e com nós mesmos. Contudo, estas “mentirinhas”, como costuma-se dizer, não são sinônimo de gravidade ou transtorno, mas sim um tipo de subterfúgio que aprendemos desde crianças para sair de alguns conflitos rápida e facilmente sem ferir sentimentos alheios.

“Uma mentira não teria sentido se a verdade não fosse vista como perigosa.”
-Alfred Adler-

Sentimentos que, mentindo ou não, não depende de nós que sejam feridos, mas depende da pessoa com a qual interagimos. Se meu amigo fica chateado porque hoje eu não tenho vontade de sair de casa porque estou cansado, não é a minha responsabilidade; mas é minha responsabilidade se eu mentir ou não para ele.

A mitomania: um transtorno psicológico onde a mentira é protagonista

As mentiras patológicas vão muito além de tudo isso. Implicam um salto em gravidade que não deveria passar despercebido para ninguém. Estas pessoas inventam experiências que não tiveram, mentem sobre a sua idade, sua profissão, sua vida passada, seus méritos acadêmicos ou profissionais, os lugares onde viveram… Mentem também sobre as pessoas que as rodeiam.

De alguma forma procuram preencher um vazio com estas mentiras e a sua justificativa é algo como: se eu detesto a minha vida e a minha pessoa, posso inventar um personagem com quem acontece tudo que eu sempre desejei. Isto faz com que os outros admirem a vida desta pessoa, e ela imediatamente se sente estimulada por isso; então, continuará mentindo já que descobriu que a priori não existem consequências negativas para ela, e sim que tudo são “vantagens”. Vantagens que se transformarão em veneno para a sua vida e para as dos que a rodeiam.

casal-paisagem

Esta forma de mentir vai gerando outro tipo de mentiras: as compulsivas. A pessoa já mente de forma automática. Evita o conflito interior e exterior sistematicamente e isso acaba transformando-se em um estilo de comportamento totalmente arraigado e perfeitamente estruturado. Evito, me valendo da mentira, aquilo que me cria conflito.

Quando são descobertos, ficam bravos e se protegem atacando

Quando o mentiroso é descoberto, costuma cobrir “a mentira” com outras mentiras. Se percebe que a pessoa não acreditou nele com facilidade e continua questionando, costuma se mostrar na defensiva e se protege atacando. Isto acaba prejudicando as relações, já que não dá para entender este comportamento visto de fora.

lidar-com-mentiras-que-machucam

Isso acaba gerando desconfiança, e as pessoas que o rodeiam começam a viver em um estado de alerta constante, já que sentem que precisam encontrar a verdade a qualquer custo para poder confiar novamente.

“O castigo do trapaceiro é não ser crível, mesmo quando diz a verdade.”
-Aristóteles-

A pessoa que mente sistematicamente e sem perceber precisa se dar a oportunidade de receber ajuda psicológica. Pense que com suas mentiras a única coisa que faz é tentar tapar um buraco que não para de crescer, e o faz sendo cúmplice da falsidade e da imaginação.

É preciso aceitar o que somos, realizar o que queremos, sem ter que recorrer às mentiras. A única coisa que elas fazem é nos afastar do que realmente almejamos em nossas vidas.

Recomendados para você