Quando o "não fique chateado" ou o "me perdoe" acabam nos destruindo

Quando o “não fique chateado” ou o “me perdoe” acabam nos destruindo

dezembro 7, 2016 em Emoções 1931 Compartilhados
Quando o 'não fique chateado' ou o 'me perdoe' acabam nos destruindo

Às vezes passamos a vida tomando cuidado com as nossas palavras e cada um dos nossos atos para que a pessoa não se magoe. No entanto, quando os ‘me perdoe’ e ‘não fique chateado’ já são notas cotidianas nas partituras da nossa vida, a única coisa que conseguiremos é uma autodestruição lenta.

De alguma forma todos nós somos piões dando voltas em uma sala muito concorrida. Às vezes encostamos uns nos outros, é algo normal. No entanto, nesta nervosa dança das relações, de vez em quando encontramos pessoas com uma pele extremamente fina. Tão sensíveis e passíveis que a única coisa que fazem em suas vidas é somar uma ofensa atrás da outra.

“Qualquer um pode ficar chateado, é algo compreensível. No entanto, chatear-se com a pessoa adequada, no momento oportuno e na intensidade exata já não é tão simples.”
-Aristóteles-

Falamos, é claro, das pessoas hipersensíveis. Elas são especialistas em sofrer e em proporcionar sofrimento. Costumam ser personalidades habitadas pelos delicados véus da falta de autoestima, do vitimismo e da insegurança. Personalidades passíveis, escravos das opiniões alheias e eternos traficantes de culpa.

Devemos ter cuidado no caso de estabelecer relações afetivas com este tipo de perfis, pois iremos passar a vida tendo que tomar cuidado com cada detalhe. Escolhendo a palavra certa, o gesto equânime, a ação mais correta para que nada desperte ofensas ou preocupações.

Até que pouco a pouco embarguemos a nossa própria autoestima com os “me perdoe, a culpa é minha”. Isso não é o adequado, é necessário evitar este tipo de dinâmica. Propomos que você reflita sobre isso.

homem-brinco-mulher

Quando o ‘não fique chateado’ resulta na sensação de culpa

“Não fique chateado, isso não vai voltar a acontecer”. “Não se preocupe, sério, não fique chateado, foi uma falha minha”. Por trás dessas frases se esconde um labirinto psicológico tortuoso no qual podemos acabar totalmente perdidos. Utilizamos o “me perdoe” como recurso extremo para tentar aliviar essa ofensa quase sempre injustificada. Pensamos inclusive que é melhor levar a culpa se com isso conseguirmos apaziguar a irritação da pessoa hipersensível.

Deixar pesos deste calibre sobre os nossos ombros acaba destruindo dia após dia a nossa integridade emocional. Vamos implementar o que é conhecido como “culpa defensiva”. É um tipo de mecanismo que muitas vítimas de chantagem emocional costumam utilizar para se proteger contra a impotência.

Este é, sem dúvida, um tema realmente complexo. Temos que levar em conta também o fato de que a pessoa hipersensível é muito vulnerável. Apesar de que sua baixa autoestima faça com que elas façam interpretações desde sua subjetividade e seu vitimismo, não podemos esquecer que às vezes estes engenheiros da infelicidade podem ser agressivos.

homem-de-costas

No fim, a relação com este tipo de pessoa se converte quase em uma espécie de ritual. Tudo irá bem enquanto um ceder, baixar a cabeça e honrar mediante seus atos e palavras ao ser amado. Assim, conseguirá com que o demônio da suscetibilidade não surja.

Se nos mantivermos imersos neste círculo, sem reagir, seremos como as frágeis traças que ficam voando ao redor de um foco de luz. Nós vamos fazer isso até que pouco a pouco as nossas asas se queimem.

Conviver com a pessoa hipersensível

Não se trata de fugir, de romper essa relação sem antes ter lutado por ela. A distância sem batalha prévia pode levar ao arrependimento posteriormente. Por isso, sempre será melhor fazer tudo o que for possível antes de tomar uma decisão mais radical. Se você ama, batalhe. Se no fim a luta for inútil, não há outra opção além de se distanciar para salvaguardar a integridade pessoal e emocional.

Cabe assinalar, como um fato para se ter em mente, que na década de 90 foram realizados uma série de estudos relacionados com a hipersensibilidade. Determinou-se que não estamos perante qualquer tipo de transtorno: trata-se de um traço de personalidade. Para o entender melhor, é necessário estabelecer uma diferença entre os dois tipos de sensibilidade existentes.

A primeira é caracterizada por um tipo de sensibilidade orientada para os sentimentos dos outros. A pessoa pode se conectar com as emoções alheias e sentir empatia. No outro tipo, a “hipersensibilidade” é focada em si mesmo e em reação aos outros. A pessoa vive sempre no mesmo estado: a autodefesa.

casal-ioga

Estratégias para lidar com os hipersensíveis

Existe um aspecto que é importante termos em mente. Nunca iremos nos adaptar como uma luva às manias, obsessões ou preocupações da pessoa hipersensível. Se nos obcecarmos pelo “não fique chateado” até o ponto de controlar o mais mínimo detalhe para que alguém não “exploda”, vamos perder tudo.

  • Temos que fazer o hipersensível entender que quem vive eternamente ofendido só consegue infelicidade e distância das pessoas mais queridas.
  • Antes de julgar ou dar uma opinião, você deve pensar sobre isso. Estamos cansados de ser seus alvos, de levar as culpas, de ser esse boneco de palha que espanta de sua cabeça pássaros escuros para que tudo esteja em calma.
  • Temos que ser capazes de reforçar sua autoestima e ao mesmo tempo conseguir fazer com que ela valorize a nossa. A pele do hipersensível pode ser muito fina, mas a nossa já leva determinadas feridas.

Pedimos acima de tudo reconhecimento e respeito. Porque no fim, nos cansamos de caminhar por esses campos minados onde o mínimo detalhe explora o aborrecimento e a reprovação. Ninguém pode passar todos os seus dias com este estado de alarme contínuo, de estresse interminável.

A vida é muito curta para viver com medo.
Compartilhar
Recomendados para você