Mitos sobre o poliamor que estão longe da realidade

7 mitos sobre o poliamor

janeiro 22, 2018 em Curiosidades 101 Compartilhados
Mitos sobre o poliamor

Muitas pessoas acreditam que os mitos sobre o poliamor não são mitos, mas sim a realidade. No entanto, quando observamos pesquisas que mostram que até 5% da população norte-americana vive relações não monogâmicas, ainda devemos fazer um esforço para encontrar respostas claras para certas questões.

Oscar Wilde disse que “amar a si mesmo é o começo de uma aventura que dura toda a vida”. É possível compartilhar esse amor com mais de uma pessoa e ter uma natureza semelhante à compartilhada com um parceiro, e não com um irmão ou uma mãe? Ou o próprio poliamor é um mito, o maior de todos que nos rodeiam? Vamos dar uma olhada.

“Experimentei tudo, e posso lhes assegurar de que não há nada melhor do que estar nos braços da pessoa amada”.
-John Lennon-

Mitos sobre o poliamor

Como dissemos no início, parece que muitas das ideias que prevalecem de alguma forma no consciente e no inconsciente coletivo sobre o poliamor são, na verdade, mitos. Nos últimos anos surgiram vozes, como a do Dr. Eric Anderson, que afirmam que a monogamia no homem não é natural, e seria apenas uma norma cultural.

Poliamor

Os monógamos praticam o poliamor

Uma vez que o assunto está exposto, vamos desmantelar alguns mitos. É o caso de quem afirma que quem pratica o poliamor mantém um casal principal e então goza de outras relações fora desse casal.

Para a psicóloga Bjarne Holmes, isso é um mito. De acordo com sua pesquisa, esse fato é verdadeiro somente em 30% das relações entre três ou mais pessoas. Na verdade, na maioria dos grupos, geralmente não há uma hierarquia marcada: amor principal versus amor secundário.

O ser humano é monogâmico por natureza

Outro mito, ou assim dizem Judith Eve Lipton e David P. Barash. Depois de vários trabalhos sobre isso, eles argumentam que natureza humana não é monogâmica, muito pelo contrário.

Estes dois cientistas entendem que o ser humano vai contra as leis da biologia. Aparentemente somos dotados, como muitas das criaturas, de sermos polígamos, mas tentamos manter um vínculo social exclusivo entre homem e mulher, embora essa não seja nossa verdadeira inclinação evolutiva.

O poliamor é praticado apenas por pessoas insatisfeitas

Outro dos mitos sobre o poliamor que os psicólogos desmentem, como é o caso de Melissa Mitchell. Na verdade, essa psicóloga considera que este é um preconceito sem qualquer base. Pelo menos, é isso que observa em seus estudos.

A busca de um segundo ou terceiro parceiro não tem nada a ver com a insatisfação com um primeiro parceiro. Na verdade, em geral, esses tipos de relações são bastante independentes uma da outra.

Pessoas que praticam poliamor têm problemas psicológicos

Vamos desmentir mais um dos mitos sobre o poliamor. Neste caso, se seguirmos os ensinamentos de Tristan Taormino, ele argumenta que uma relação poligâmica não tem de ser mais ou menos disfuncional que a monogâmica. Para tal reivindicação, ele se baseia em investigações que incluem testes psicológicos padrão.

Na verdade, estudos mostram que uma pessoa com tendência a abrir relacionamentos geralmente é mais criativa e menos conformista. Ou seja, é alguém que é estimulado com a complexidade, inventividade, não convencionalidade e caos, mas não demostra problemas psicológicos.

Grupo de amigos jovens

O poliamor prejudica as crianças

Um novo mito do poliamor que pode ser facilmente desmentido. Muitos consideram que esse tipo de relacionamento prejudica especialmente as crianças, que não terão um desenvolvimento adequado.

Neste caso, a professora Elizabet Sheff entrevistou crianças criadas em famílias que praticam o poliamor e cujas idades variam de 5 a 17 anos. Resultado? Contra o mito, ela encontrou vantagens. Os adultos têm mais ajuda para cuidar das crianças, e as crianças sempre têm uma pessoa mais velha com quem compartilhar brincadeiras e preocupações.

O poliamor é praticado por pessoas confusas

Mais uma vez, abordamos as teses de Tristan Taormino, que considera que uma pessoa não monogâmica não está confusa nem tem medo do compromisso. Na verdade, é bem o contrário, geralmente elas sabem muito bem o que querem e como desejam.

O poliamor esconde um perfil promíscuo

Outro mito que Taormino desmente em seu trabalho. Neste caso, relacionado à promiscuidade. No entanto, ele afirma que uma vida ativa em termos sexuais, com duas ou mais pessoas, realmente não tem nada de negativo.

Depois de ler isso, você ainda acredita nos mitos sobre o poliamor? A própria ciência está gradualmente derrubando velhas crenças ou, pelo menos, abrindo um debate interessante com argumentos a serem considerados. A realidade é que muitos cientistas argumentam que existem motivos sólidos para pensar que somos capazes de amar mais do que uma pessoa.

“Tudo o que sabemos sobre o amor é que o amor é tudo o que existe.”
-Emily Dickinson-

Recomendados para você