Humor e julgamento: o modelo de infusão de afeto

janeiro 3, 2020
O humor afeta o nosso julgamento, mas não de maneira consistente. O modelo de infusão de afeto trata de explicar como o humor influencia a capacidade de uma pessoa processar informação.

O modelo de infusão de afeto é um modelo teórico do campo da psicologia humana desenvolvido pelo psicólogo social Joseph Paul Forgas no começo da década de 1990. O modelo de infusão do afeto tenta explicar como o humor afeta a capacidade de uma pessoa de processar informação.

Uma afirmação chave do modelo de infusão do afeto é que os efeitos do humor tendem a ser ainda maiores em situações complexas que exigem um processamento cognitivo substancial.

Em outras palavras, à medida que as situações se tornam mais complexas e imprevistas, o humor se torna mais influente na emissão de avaliações e respostas.

O humor afeta o nosso julgamento

O humor afeta o nosso julgamento, mas não de maneira consistente. Para que o humor tenha um efeito no nosso julgamento, ele deve anular as forças que normalmente conduziriam o processo de julgar. Em outras palavras, poderíamos dizer que ele precisaria alterar o padrão normal.

O humor não tem efeito quando estamos formulando julgamentos que se baseiam na recuperação direta de uma conclusão simples, nem quando estamos tratando de comportamentos e respostas de rotina. No entanto, o humor tem um efeito quando vamos tomar uma decisão.

Dessa forma, o humor acaba trabalhando em um nível que está abaixo da consciência, enviesando os nossos julgamentos sem que possamos nos dar conta.

Menina pensativa

O modelo de infusão do afeto

Forgas definiu o termo infusão do afeto como “o processo pelo qual a informação carregada de afetividade exerce uma influência e se incorpora ao processo de julgamento, entrando nas deliberações daquele que julga e, eventualmente, modificando o resultado do ato de julgar”.

Em outras palavras, a infusão do afeto é um processo que determina o grau em que o humor pode afetar o nosso julgamento.

Segundo o modelo de infusão do afeto, o afeto (humor e emoção) exerce uma influência notável não só no processamento da informação, mas também nos comportamentos que são as respostas resultantes desse processamento.

Por exemplo, se uma pessoa recebe uma conta de luz excessivamente alta, responderá de maneira diferente se tiver tido um dia tranquilo e sem estresse e se tiver tido um dia cheio de inconvenientes e problemas.

Nessa última circunstância, a pessoa experimentará altos níveis de infusão de afeto, já que seu estado agitado, sem dúvida, vai piorar ao ver a conta que recebeu.

Um pressuposto do modelo de infusão do afeto é que esse afeto geralmente influenciará o julgamento com maior intensidade à medida que aumenta a complexidade da situação. As situações altamente complexas podem ter uma série de características relevantes, como a quantidade de esforço necessário para processar a informação.

Estratégias de processamento

De acordo com Forgas, os diferentes níveis de infusão do afeto podem ser vistos como um contínuo, com quatro estratégias de processamento alternativas como marcadores ao longo desse contínuo. Essas estratégias representam os diferentes graus de severidade com os quais o humor pode exercer sua influência.

As estratégias de processamento propostas por Forgas são:

  • Processamento de acesso direto: implica reproduzir uma reação armazenada, ou seja, repetir uma resposta que já foi dada antes a uma situação familiar. Segundo o modelo de infusão do afeto, a influência do humor na cognição será menos grave durante esse tipo de processamento.
  • Processamento motivado: implica estratégias de busca específicas e com um objetivo informativo direto em mente. Essa estratégia também tem pouca influência do humor, já que o indivíduo em questão terá uma ideia bastante clara de que informação ele precisa.
  • Processamento heurístico: supõe que o processamento afetivo, o processamento emocional, ocorre fora da nossa consciência, e as pessoas simplesmente dão sentido para suas reações emocionais à medida que elas ocorrem, por isso que a experiência afetiva proporciona às pessoas informações sobre si mesmas.
  • Processamento substancial ou sistemático: envolve o processamento cognitivo mais elaborado e aparece no topo do contínuo, já que é o mais afetado pelo humor. Isso se dá desse modo porque o humor pode afetar cada etapa do processamento cognitivo: atenção, codificação, recuperação e associação.
Menino pensativo

Ao identificar essas estratégias, temos que considerar dois fatores diferenciais importantes: as estratégias de busca de informação usadas para realizar uma tarefa (aberta ou restrita) e o alcance da informação considerada na construção da resposta.

  • Forgas, J.P. (1995). Mood and judgment: The Affect Infusion Model (AIM). Psychological Bulletin. 117 (1): 39–66. doi:10.1037/0033-2909.117.1.39
  • Forgas, J.P. (1998). On feeling good and getting your way: Mood effects on negotiator cognition and bargaining strategies. Journal of Personality and Social Psychology. 74 (3): 565–577. doi:10.1037/0022-3514.74.3.565.
  • Forgas, J. P. (1999). On feeling good and being rude: Affective influences on language use and request formulations. Journal of Personality and Social Psychology. 76 (6): 928–939. doi:10.1037/0022-3514.76.6.928.
  • Forgas, J.P. (1995). Mood and judgment: The Affect Infusion Model (AIM). Psychological Bulletin. 117 (1): 39–66. doi:10.1037/0033-2909.117.1.39.