Neuralgia do trigêmeo: características e tratamento

Neuralgia do trigêmeo: características e tratamento

Abril 25, 2018 em Curiosidades 0 Compartilhados
Neuralgia do trigêmeo: características e tratamento

A neuralgia do trigêmeo é, para muitos, a doença mais dolorosa que o ser humano pode sofrer, a ponto de ser, às vezes, causa direta de alguns suicídios. A origem está em um transtorno de um nervo cerebral que reage provocando violentos choques elétricos diante dos estímulos mais simples: falar, comer, uma mudança de temperatura…

Não é uma dor de cabeça simples, nem mesmo uma enxaqueca. Porque aqueles que têm o azar de ter que conviver com a neuralgia do trigêmeo sabem que os analgésicos não funcionam e que em muitos casos nem a morfina produz alívio. Nestes casos, apenas os anticonvulsivos permitem ter uma vida mais ou menos funcional, tendo que suportar em troca, sim, os efeitos colaterais associados a esse tipo de medicação.

É possível que, do lado de fora, essa dor possa parecer exagerada. No entanto, se é considerada a “doença suicida”, não é por acaso. Classificada pela primeira vez em 1672, existem registros desse transtorno desde muito antes, sendo descrito como uma das dores mais incapacitantes e intensas que uma pessoa pode sofrer. Atualmente, estima-se que a neuralgia do trigêmeo afeta entre 8 e 12% da população e, embora seja uma doença crônica, existem tratamentos para ela.

A neuralgia do trigêmeo se apresenta com uma dor violenta semelhante a um choque elétrico que pode durar de alguns segundos a cerca de duas horas, se repetindo em vários episódios ao longo de várias semanas seguidas ou inclusive meses.
Compartilhar

Dor causada pela neuralgia do trigêmeo

O que é a neuralgia do trigêmeo?

A neuralgia do trigêmeo tem sua origem no quinto dos doze nervos cranianos. Agora, cabe notar que este nervo tem a particularidade de ser o mais longo de todos os que são distribuídos em nossa cabeça. Vejamos como se estende para entender um pouco melhor o modo pelo qual a dor se irradia:

  • Este nervo tem três ramificações, a primeira é a oftálmica ou superior, a qual irradia uma sensação dolorosa que pode ir desde o couro cabeludo passando por um lado da testa e do olho daquele lado em particular.
  • A ramificação superior ou média estimula a bochecha, a mandíbula superior, o lábio superior, os dentes e as gengivas da parte superior da boca, bem como um lado do nariz.
  • Finalmente, temos a ramificação inferior ou mandibular, a qual produz as sensações físicas da mandíbula inferior, dentes e gengivas deste lado, bem como do lábio inferior.

Em média, os pacientes que sofrem de neuralgia do trigêmeo frequentemente sentem dor em um dos lados da face. No entanto, existe uma condição rara conhecida como neuralgia bilateral, onde efetivamente há pessoas afetadas por essa condição em ambos os lados da cabeça.

Quais são os sintomas da neuralgia do trigêmeo?

Os sintomas associados à neuralgia do trigêmeo podem variar entre os pacientes. No entanto, existe o que se conhece como “zonas de gatilho”, áreas que, ao serem estimuladas, respondem com uma dor intensa, como um choque elétrico intenso que pode durar segundos, minutos e até duas horas.

  • Ações simples, como tocar o rosto ou uma carícia, podem provocar uma dor no rosto.
  • As mudanças de temperatura, o ato de mastigar, falar ou sofrer de bruxismo são situações que desencadeiam a sensação física e incapacitante da neuralgia.
  • A dor segue um caminho que pode ir desde o couro cabeludo, passando pelo olho, o ouvido até chegar à mandíbula.
  • Após esse choque elétrico intenso e profundo, a pessoa fica frequentemente invalidada por uma ou duas horas. Ou seja, durante esse tempo não poderá comer, beber ou até mesmo abrir os olhos, até que passe um certo tempo e esse nervo se desinflame pouco a pouco.

Homem com dores

Causas da neuralgia do trigêmeo

A neuralgia do trigêmeo não tem uma causa única, na verdade, esta condição está associada a uma ampla variedade de condicionantes. Vamos ver algumas delas para compreender um pouco melhor a realidade complexa que há por trás dessa condição.

  • Geralmente tem uma origem genética.
  • Muitas vezes, e como pode ser visto por meio de ressonância magnética, há um vaso sanguíneo que pressiona o nervo trigêmeo ao sair do tronco encefálico. Essa compressão causa desgaste na mielina, camada que protege o nervo, de modo que possam ocorrer esses choques elétricos tão intensos.
  • Por outro lado, sabe-se que lesões causadas por acidentes traumáticos ou mesmo por cirurgias faciais ou orais podem ser traduzidas nessa dor facial neuropática.
  • Também é importante ressaltar que um bom número de pacientes sofre neuralgia do trigêmeo de origem primária, ou seja, são casos em que é quase impossível conhecer a origem que determina a doença.

Quais tratamentos existem?

Um fato que devemos levar em consideração sobre esta condição neuropática é que nem todos os casos são iguais. Há pessoas que sofrem desse quadro de dor ao longo de dois meses consecutivos e depois desaparece por mais um período de tempo. Há quem a sofra diariamente, quem sofre de neuralgia em ambos os lados da face e quem conseguiu controlar os gatilhos para desfrutar de uma melhor qualidade de vida.

Portanto, a abordagem terapêutica será diferente em cada pessoa. Veremos, no entanto, quais estratégias são as mais comuns.

  • Os medicamentos anticonvulsivos são normalmente os mais eficazes no tratamento da neuralgia do trigêmeo. Remédios como a carbamazepina, oxcarbazepina ou a gabapentina são os mais comuns.
  • Da mesma forma, deve-se levar em consideração que os antidepressivos tricíclicos, tais como a amitriptilina ou nortriptilina, normalmente também são administrados nestes casos para reduzir a dor.

Neuralgia do trigêmeo

Quando a abordagem farmacológica não funciona, a única opção que resta é a cirurgia. Nestes casos pode-se optar pelas seguintes intervenções:

  • Rizotomia: anular ou danificar temporariamente determinadas fibras nervosas para que não produzam dor.
  • Injeção de glicerol: um procedimento ambulatório, onde as fibras que rodeiam o nervo trigêmeo são anuladas. É um tratamento que dura pelo menos dois anos.
  • Lesão térmica por radiofrequência: um procedimento também ambulatório onde um eletrodo lesiona as fibras nervosas que provocam dor. Também possui duração.
  • Descompressão microvascular, a mais invasiva (e eficaz) de todas as cirurgias. É realizada uma pequena abertura através do osso mastoide atrás da orelha, para em seguida afastar o vaso sanguíneo que comprime o nervo trigêmeo por meio de uma “bola”.

Para concluir, existem várias abordagens para resolver esta condição crônica que afeta entre 8 e 12% da população. No entanto, sabe-se também que entre 70 e 80% dos pacientes respondem bem aos medicamentos sem chegar a nenhuma intervenção cirúrgica. É preciso levar em conta as características pessoais de cada paciente, com o objetivo de melhorar a sua vida social e pessoal.

Recomendados para você